Validade critério do Netherland Physical Activity Questionnaire para crianças

Autores

  • Vinicius de Oliveira Damasceno Universidade Federal de Pernambuco
  • André Scotti Rabelo Universidade Federal de Pernambuco
  • Joel Alves Lamounier Universidade Federal de Pernambuco
  • Leszek Antoni Szmuchrowski Universidade Federal de Pernambuco
  • Bruno Pena Couto Universidade Federal de Pernambuco
  • Danilo Edson de Souza Universidade Federal de Pernambuco
  • Reginaldo Gonçalves Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2018v20n6p504

Palavras-chave:

Atividade Física, Criança, Psicometria, Reprodutibilidade dos testes

Resumo

A mensuração da atividade física com acurácia e precisão é de extrema importância no estabelecimento da relação de dose-resposta entre os níveis de atividade física e as diversas possibilidades de desfecho, sendo um desafio de extrema complexidade. A utilização de métodos subjetivos de mensuração, como os instrumentos proxy-reports, é uma possibilidade de verificação de atividade física em crianças. O objetivo deste estudo foi testar a validade do Netherland Physical Activity Questionnaire (NPAQ) em escolares brasileiros tendo como medida critério a aptidão física aeróbica. Participaram deste estudo 290 crianças de seis a 10 anos de idade, matriculados em escolas públicas do município de Itaúna/MG. Foi aplicado aos responsáveis o NPAQ e as crianças realizaram o teste de Luc Léger. O NPAQ apresentou um escore mediano de 25 para as crianças (25 meninos e 24 meninas) e o VO2máx foi de 50,8 ml/kg/min para as crianças (52,6 e 50,2 ml/kg/min para meninos e meninas, respectivamente). O NPAQ e o VO2máx apresentaram no teste de correlação simples de Spearmam rsho = 0,146 (p = 0,013) correlação significativa, porém fraca (Kappa –0.14). Os resultados permitem concluir que o NPAQ apresentou fraca validade de constructo para mensuração de atividade física em uma amostra de escolares brasileiros, tendo como medida critério a aptidão física aeróbica. 

Biografia do Autor

Vinicius de Oliveira Damasceno, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

André Scotti Rabelo, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Joel Alves Lamounier, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Leszek Antoni Szmuchrowski, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Bruno Pena Couto, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Danilo Edson de Souza, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Reginaldo Gonçalves, Universidade Federal de Pernambuco

Universidade Federal de Pernambuco

Referências

Ridley K, Olds TS, Hill A. The Multimedia Activity Recall for Children and Adolescents (MARCA): development and evaluation. Int J Behav Nutr Phys Act 2006;3:10.

Corder K, Ekelund U, Steele RM, Wareham NJ, Brage S. Assessment of physical activity in youth. J Appl Physiol 2008;105(3):977-87.

Trost SG. Measurement of Physical Activity in Children and Adolescents. Am J Lifestyle Med 2007;10(10):1-16.

Welk GJ, Corbin CB, Dale D. Measurement issues in the assessment of physical activity in children. Res Q Exerc Sport 2000;71(2 Suppl):S59-73.

Baranowski T, de Moor C. How many days was that? Intra-individual variability and physical activity assessment. Res Q Exerc Sport 2000;71(2 Suppl):S74-78.

Pate RR, O’Neill JR, Mitchell J. Measurement of physical activity in preschool children. Med Sci Sports Exerc 2010;42(3):508-12.

Pate RR, Stevens J, Pratt C, Sallis JF, Schmitz KH, Webber LS, et al. Objectively measured physical activity in sixth-grade girls. Arch Pediatr Adolesc Med 2006;160(12):1262-8.

Corder K, van Sluijs EM, Wright A, Whincup P, Wareham NJ, Ekelund U. Is it possible to assess free-living physical activity and energy expenditure in young people by self-report? Am J Clin Nutr 2009;89(3):862-70.

Kurtze N, Rangul V, Hustvedt BE. Reliability and validity of the international physical activity questionnaire in the Nord-Trondelag health study (HUNT) population of men. BMC Med Res Methodol. 2008;8:63.

Kurtze N, Rangul V, Hustvedt BE, Flanders WD. Reliability and validity of selfreported physical activity in the Nord-Trondelag Health Study: HUNT 1. Scand J Public Health 2008;36(1):52-61.

Oliver M, Schofield GM, Kolt GS, Schluter PJ. Pedometer accuracy in physical activity assessment of preschool children. J Sport Health Sci 2007;10(5):303-10.

I-Min Lee, Steven N. Blair, JoAnn E. Manson, Ralph S. Paffenbarger J. Epidemiologic Methods in Physical Activity Studies. New York: Oxford University Press; 2009.

Downloads

Publicado

2018-12-31

Edição

Seção

Artigos Originais