Jogos Reduzidos como Hólons no Futebol: uma abordagem sistêmica hierárquica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2021v23e74081

Palavras-chave:

Análise de sistemas, Educação Física e treinamento, Futebol

Resumo

A ciência do esporte traz benefícios na utilização de jogos reduzidos nos processos de ensino-aprendizagem e treinamento do futebol. Nós propomos que tais benefícios ocorrem porque os jogos reduzidos são hólons de um sistema organizado hierarquicamente que mantém as características do jogo, apesar da complexidade reduzida. O modelo hierárquico do jogo de futebol considera as interações de cooperação e oposição entre os jogadores em um espaço específico de jogo. O modelo é caracterizado como uma hierarquia aninhada porque leva em consideração as diferentes partes e processos do jogo. O modelo possui cinco níveis hierárquicos, em que no nível superior se encontra o jogo de futebol como todo e no nível elementar se encontram situações de jogo, que caracterizam os jogos reduzidos enquanto intervenção. Como qualquer sistema aberto organizado hierarquicamente, os jogos reduzidos apresentam simultaneamente as características invariáveis ​​do todo e as especificidades das partes de acordo com o contexto e nível de análise. A adoção dessa perspectiva hierárquica permite definir objetivos, bem como selecionar conteúdos no ensino-aprendizagem e treinamento do futebol em diferentes níveis de análise, mantendo a autonomia-dependência de cada um.

Referências

Machado J, Barreira D, Teoldo I, Travassos B, Bosco Júnior J, Santos J, Scaglia A. How Does the Adjustment of Training Task Difficulty Level Influence Tactical Behavior in Soccer? Res Q Exerc Sport 2019; 90 (3): 403–416.

Davids K, Araújo D, Correia V, Vilar L. How Small-Sided and Conditioned Games Enhance Acquisition of Movement and Decision-Making Skills. Exerc Sport Sci Rev 2013; 41 (3): 154–161.

Corrêa U, Alegre F, Freudenheim A, Santos S, Tani G. The game of futsal as an adaptive process. Nonlinear Dynamics Psychol Life Sci 2012; 16 (2): 185–204.

Araújo D, Davids K. Team Synergies in Sport: Theory and Measures. Front Psychol 2016; 7: 1449.

McGarry T, Anderson D, Wallace S, Hughes M, Franks I. Sport competition as a dynamical self-organizing system. J Sports Sci 2002; 20 (10): 771–781.

Prigogine I. Time, structure, and fluctuations. Science 1978; 201 (4358): 777–785.

von Bertalanffy L. The theory of open systems in physics and biology. Science 1950; 111 (2872): 23–29.

Bizarri M, Giuliani A, Pensotti A, Ratti E, Bertolaso M. Co-emergence and Collapse: The Mesoscopic Approach for Conceptualizing and Investigating the Functional Integration of Organisms. Front Physiol 2019; 10: 924.

Wu J. Hierarchy Theory: an overview. In: Rozzi R, Pickett S, Palmer C, Armesto J, Callicott J, organizers. Linking Ecology and Ethics for a Changing World: Values, Philosophy, and Action. New York: Springer; 2013. p. 281–301.

Koestler A. The ghost in the machine. New York: Random House; 1967.

Costa I, Garganta J, Greco P, Mesquita I, Maia J. Sistema de avaliação táctica no Futebol (FUT-SAT): Desenvolvimento e validação preliminar. Motri 2011; 7 (1): 69–83.

Moura F, van Emmerik R, Santana J, Martins L, Barros R, Cunha S. Coordination analysis of players’ distribution in football using cross-correlation and vector coding techniques. J Sports Sci 2016; 34 (24): 2224–2232.

Low B, Coutinho D, Gonçalves B, Rein R, Memmert D, Sampaio J. A Systematic Review of Collective Tactical Behaviours in Football Using Positional Data. Sports Med 2020; 50: 343–385

Laakso T, Davids K, Liukkonen J, Travassos B. Interpersonal Dynamics in 2-vs-1 Contexts of Football: The Effects of Field Location and Player Roles. Front Psychol 2019; 10: 1407.

Corrêa U, Pinho S, Silva Filho A. Aprendizagem motora e o ensino do futsal. In: Tani G, Corrêa U, organizers. Aprendizagem motora e o ensino do esporte. São Paulo: Blucher; 2016. p. 163–177.

Downloads

Publicado

2021-12-08

Edição

Seção

Ponto de Vista