Validação de equações antropométricas para a predição da massa corporal e estatura de mulheres idosas

Autores

Palavras-chave:

Envelhecimento, Equação de regressão, Validação

Resumo

Investigar a validade cruzada de duas equações, largamente utilizadas em pesquisas nacionais, para a predição da massa corporal e estatura em idosos brasileiros. Adicionalmente, será investigado a importância das possíveis diferenças entre o IMC observado e predito com auxílio das equações. As medidas da MC e EST foram mensuradas, com auxílio de balanças mecânicas e estadiômetros portáteis, em amostra de 200 idosas (66.6±5,43 anos) residentes em Maceió/AL - Brasil. Para verificar a validade das equações foram utilizadas as seguintes variáveis:  teste t de Student, erro constante (EC), erro total (ET) e o erro padrão de estimativa (EPE). Para verificar a concordância entre os valores reais e preditos utilizou-se o teste Bland-Altman. A comparação entre os valores de MC e EST obtidos através das equações e os verificados na mensuração das medidas, apresentaram diferenças estatisticamente significantes (p<0,05). O EC entre os valores preditos e medidos, os ET das equações testadas, bem como, o EPE para a predição das variáveis: MC (1,66; 0,11 e 6,33), EST (-0,02; 0,02 e 0,10) e IMC (1,47; 0,10 e 3,24) permitiram determinar valores relativos muito próximos dos reais (2,6%, 1,31% e 5,3% para MC, EST e IMC respectivamente), entretanto, não estatisticamente significativos. As equações analisadas não poderiam ser utilizadas de maneira generalizada para a população de idosas brasileiras com características semelhantes às estudadas. Portanto, recomenda-se estudos adicionais desenvolvidos com o objetivo de construir equações específicas, para a população de idosas, hospitalizadas, especialmente as mais frágeis.

Referências

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por amostra de domicílios continua. 2ª ed. Rio de Janeiro, 2018.

Sampaio LR. Avaliação Nutricional e envelhecimento. Rev. Nutr.2004; 507-514.

Souza R, Fraga JS, Gottschall CBA, Busnello FM, Rabito EI. Avaliação antropométrica em idosos: estimativas de peso e altura e concordância entre classificações de IMC. Rev Bras Geriatr Gerontol 2013; 16(1): 81-90.

Oliveira LD, Filho JF. Estatura e massa corporal mensurados e preditos através das equações de chumlea em idosas. Fit Perf J 2007; 152-155.

Guerra RS, Fonseca I, Pichel F, Restivo MT, Amaral TF. Hand Length as an alternative measurement of height. Eur J Clin Nutr 2014;68(2):229-33.

Lima MFS, Cabral NLA, Oliveira LP, Liberalino LCP, Spyrides MHC, Lima KC, Lyra CO. Estimativa de peso em idosos institucionalizados: qual equação utilizar?. Rev Bras Epidemiol 2016; 19(1): 135-148.

Rabito EI, Vannucchi GB, Suen VM, Neto LL, Marchini JS. Weight and height prediction of immobilized Patients. Rev Nutr 2006; 655-661.

Berger MM, Cayeux MC, Schaller, MD, Soguel L, Piazza G, Chioléro RL. Stature estimation using the Knee height determination in critically ill patients. E Spen Eur E J Clin Nutr Metab 2008; 3(2): e84-e88.

Bernal-Orozco MF, Vizmanos B, Hunot C, flores-Castro M, Leal-Mora D, Cells A., et al. Equation to estimate body weight in elderly mexican women using anthropometric measurements. Nutr Hosp 2010; 25(4):648-655.

Chumlea WC, Guo S, Roche AF, Steinbaugh ML. Prediction of body weight for the nonambulatory elderly from anthropometry. J Am Diet Assoc 1988; 88(5): 564-568.

Chumlea WC, Roche AF, Steinbaugh ML. Estimating stature from knee height for persons 60 to 90 years of age. J Am Geriatr Soc1985; 33(2):116-120.

Monteiro RS, Cunha TR, Santos ME, Mendonça SS. Estimativa de peso, altura e índice de massa corporal em adultos e idosos americanos: revisão. Com Ciênc Saúde 2009;20(4): 341-350.

Downloads

Publicado

2021-03-10

Edição

Seção

Artigos Originais