Atividade física e saúde mental em adolescentes brasileiros escolarizados: uma revisão sistemática

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-0037.2021v23e82866

Palavras-chave:

Atividade Física, Saúde Mental, Adolescentes, Escola, Brasil

Resumo

Objetivou-se identificar a evidência quanto às associações entre atividade física (AF) e saúde mental (SM) em adolescentes escolarizados brasileiros. Trata-se de um estudo de Revisão Sistemática. Os estudos foram selecionados em português e inglês e identificados por meio de uma busca sistemática em seis bases de dados eletrônicas: PubMed, Web of Science, SPORTDiscus/Ebsco, ScIELO, ERIC, e LILACS, que compreendeu publicações até o final de 2019. Os critérios de inclusão foram: estudos com um desenho de coorte, descritivo de caráter exploratório, transversal, ou qualitativos; realizados com crianças e adolescentes; estudos que analisaram a relação entre AF e SM; estudos que investigaram adolescentes que praticavam AF nas escolas; estudos realizados no Brasil e os que obtiveram a pontuação mínima estabelecida de 60% conforme os critérios da qualidade metodológica do instrumento STROBE.  A Educação Física  oferecida no currículo da educação básica tem um efeito protetor sobre a SM no ambiente escolar. Além disso, mais de 300 min/semana de AF foi associado positivamente com a SM. Algumas associações foram negativas entre a AF e a SM, tais como: tempo excessivo de TV; isolamento social; insatisfação com o peso corporal. A AF escolar está associada positivamente à SM por promover bem-estar físico e psicológico, impactando na redução dos índices de problema de insônia, atenuando a solidão e melhorando a aparência física.

Referências

(OMS - Adolescent mental health: time for action.pdf) [Internet]. [citado 25 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.who.int/pmnch/knowledge/publications/AMH.pdf?ua=1

Schaefer R, Barbiani R, Nora CRD, Viegas K, Leal SMC, Lora PS, et al. Adolescent and youth health policies in the Portuguese-Brazilian context: specificities and approximations. Cien Saude Colet. 2018;23:2849–58.

Sulistiowati NMD, Keliat BA, Ismail I, Besral null. Mental health and related factors among adolescents. Enferm Clin. 2020;30 Suppl 7:111–6.

Saúde mental dos adolescentes - OPAS/OMS | Organização Pan-Americana da Saúde [Internet]. [citado 25 de maio de 2021]. Disponível em: https://www.paho.org/pt/topicos/saude-mental-dos-adolescentes

Schulte-Körne G. Mental Health Problems in a School Setting in Children and Adolescents. Dtsch Arztebl Int. 2016;113:183–90.

Jayanthi P, Thirunavukarasu M, Rajkumar R. Academic stress and depression among adolescents: a cross-sectional study. Indian Pediatr. 2015;52:217–9.

Werneck AO, Collings PJ, Barboza LL, Stubbs B, Silva DR. Associations of sedentary behaviors and physical activity with social isolation in 100,839 school students: The Brazilian Scholar Health Survey. Gen Hosp Psychiatry 2019;59:7–13.

Matias TS, Rolim MKSB, Kretzer FL, Schmoelz CP, Andrade A. Satisfação corporal associada a prática de atividade física na adolescência. doi: http://dx.doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n2p370. Motriz: J Phys Ed 2010;370–8.

Ferreira VR, Jardim TV, Póvoa TIR, Viana RB, Sousa ALL, Jardim PCV. Physical inactivity during leisure and school time is associated with the presence of common mental disorders in adolescence. Rev Saúde Pública 2020;54:128.

Rios LC, Almeida MMG de, Rocha SV, Araújo TM, Pinho P de S. Atividades físicas de lazer e transtornos mentais comuns em jovens de Feira de Santana, Bahia. Rev psiquiatr Rio Gd Sul 2011;33:98–102.

Malta M, Cardoso LO, Bastos FI, Magnanini MMF, Silva CMFP da. Iniciativa STROBE: subsídios para a comunicação de estudos observacionais. Rev Saúde Pública 2010;44:559–65.

Gonzaga I, Claumann GS, Scarabelot KS, Silva DAS, Pelegrini A. Body image dissatisfaction in adolescents: Comparison with physical activity, teasing and social support. J Health Psychol. 2021;26(10):1651-1660.

Almeida Silva FM, Menezes AS. Sedentary Behavior, Psychosocial Stress Indicators, and Health-Risk Behaviors Among Adolescents in Northeastern Brazil. J Phys Act Health. 2018;15:169–75.

Cruzeiro ALS, Silva RA da, Horta BL, Souza LD de M, Faria AD, Pinheiro RT, et al. Prevalência e fatores associados ao transtorno da conduta entre adolescentes: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2008;24:2013–20.

Triaca LM, Frio GS, Aniceto França MT. A gender analysis of the impact of physical education on the mental health of Brazilian schoolchildren. SSM Popul Health. 2019;8:100419.

Santos SJ, Hardman CM, Barros SSH, Santos C da FBF, Barros MVG de. Associação entre prática de atividades físicas, participação nas aulas de Educação Física e isolamento social em adolescentes. J Pediatr (Rio J). 2015;91:543–50.

Levandoski G, Luiz Cardoso F. Imagem corporal e status social de estudantes brasileiros envolvidos em bullying. Rev Latinoam Psicol 2013;45:135–45.

Straatmann VS, Oliveira AJ, Rostila M, Lopes CS. Changes in physical activity and screen time related to psychological well-being in early adolescence: findings from longitudinal study ELANA. BMC Public Health. 2016;16:977.

Silva MLA, Taquette SR, Coutinho ESF. Senses of body image in adolescents in elementary school. Rev Saúde Pública. 2014;48:438–44.

Brazil. Law No. 9,394. Guidelines and Bases of National Education. Official Gazette of the Union, Brasília, 1996

Loprinzi PD, Cardinal BJ. Measuring Children’s Physical Activity and Sedentary Behaviors. J Exerc Sci Fit 2011;9:15–23.

Taherdoost H. Validity and Reliability of the Research Instrument; How to Test the Validation of a Questionnaire/Survey in a Research. Int J Acad Res Manage. 2016;5:28–36.

Sullivan GM. A Primer on the Validity of Assessment Instruments. J Grad Med Educ. 2011;3:119–20.

Downloads

Publicado

2021-12-09

Edição

Seção

Artigos de Revisão