Diálogos de gênero na educação: considerações sobre o projeto Lei Maria da Penha vai às escolas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2020v28n260485

Palavras-chave:

Gênero, Educação, Lei Maria da Penha, Violência contra a Mulher, Direitos Humanos

Resumo

A violência doméstica e familiar contra a mulher se configura como um fenômeno social complexo e multifatorial. Suas formas de expressão e (in)visibilidades são marcadas por uma cultura patriarcal que traveste as desigualdades de gênero como inerentes ao desenvolvimento histórico da humanidade. A erradicação desta forma de violação dos Direitos Humanos perpassa pela necessidade da prevenção de suas diversas faces. Neste artigo busca-se apresentar o projeto Lei Maria da Penha vai às escolas e discutir sobre os seus efeitos ao enfrentamento destas violências. Levar tal tema ao âmbito escolar justifica-se por este ser um dos espaços primários de socialização, responsável por uma formação crítica e cidadã. Conclui-se que as oficinas têm sido espaço fértil de diálogo e construção de novas formas de se pensar as relações de gênero, contribuindo para uma sociedade mais equânime.

Biografia do Autor

Kristine Kelly de Albuquerque, UNIFAVIP WYDEN

Possui Graduação em Psicologia pelo Centro Universitário do Vale do Ipojuca - (UNIFAVIP). Tem como foco de pesquisa os seguintes temas: Clínica Terapêutica (Fenomenologia, Existencialismo e Humanismo); Atenção à Saúde e Saúde Mental (com ênfase no cuidado a usuários∕as de álcool e outras drogas); Gênero; Interseccionalidades; Direitos Humanos.

Referências

ALBERNAZ, Lady Selma Ferreira; LONGHI, Márcia. “Para Compreender Gênero: uma ponte para relações igualitárias entre homens e mulheres”. In: SCOTT, Parry; LEWIS, Liana; QUADROS, Marion Teodósio de (Orgs.). Gênero, diversidade e desigualdades na educação: interpretações e reflexões para formação docente. Recife: EDUFPE, 2009. p. 75-96.

BANDEIRA, Katherine Lages Contasti; AMORIM, Elba Ravane Alves de. De Olhos Abertos Contra A Violência. Curso de capacitação dos profissionais especializados e da rede de atendimento à mulher em situação de violência em Caruaru-PE, 2013.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70, 2007.

BARRETO, Raqueline Farias; SILVA, Josué Barreto. “Educação em Direitos Humanos em uma perspectiva de gênero na escola”. Revista de Educação Pública, Rio de Janeiro, v. 15, n. 21, p. 07-15, out. 2015. Disponível em http://educacaopublica.cederj.edu.br/revista/artigos/educacao-em-direitoshumanos-em-uma-perspectiva-de-genero-na-escola. Acesso em 08/04/2017.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília, 1988. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

BRASIL. Convenção Interamericana para prevenir, punir e erradicar a violência contra a mulher, 1994. Belém do Pará, 09/06/1994. Disponível em http://www.cidh.org/Basicos/Portugues/m.Belem.do.Para.htm.

BRASIL. Decreto nº 4.377, de 13 de setembro de 2002. Promulga a Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher, de 1979 [...]. Brasília, 2002. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/D4377.htm.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2007.

BRASIL. Lei 11.340, de 07 de agosto de 2006, que dispõe sobre mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2006a.

BRASIL. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres, 2005. Brasília: Presidência da República; Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2006b. Disponível em http://www.observatoriodegenero.gov.br/eixo/politicas-publicas/pnpm/i-pnpm/I%20PNPM_versao%20compacta.pdf.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências Técnicas para Atuação de Psicólogas(os) em Programas de Atenção à Mulher em Situação de Violência. Brasília: Conselho Federal de Psicologia, 2012.

COSTA, Amanda Samara do Nascimento; PASTOR, Valeriana Porto. “Projeto de Extensão Gênero e Educação: um olhar sobre o contexto escolar”. In: XVIII ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPSO: psicologia social e os atuais desafios ético-políticos no Brasil, XVIII, 2015, Fortaleza, ABRAPSO. Anais... Fortaleza: Universidade Federal do Ceará/ABRAPSO, 2015. p. 538. Disponível em http://www.encontro2015.abrapso.org.br. Acesso em 24/03/2017.

DELPHY, Christine. “Patriarcado (teorias do)”. In: HIRATA, Helena; LABORIE, Françoise; LE DOARÉ, Hélène; SENOTIER, Danièle (Orgs.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: EDUNESP, 2009. p. 173-178.

DIÁRIO OFICIAL DO MUNICÍPIO DE CARUARU. Decreto nº 035, de 17 de março de 2016. Institui o programa Maria da Penha vai às Escolas. Caruaru, 2016.

FORPROEX. FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS. Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus-AM, 2012. Disponível em http://www.renex.org.br/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf. Acesso em 23/02/2015.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO. Plano Estadual para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência Contra as Mulheres. Recife: Secretaria da Mulher, 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e Educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MAHFOUD, Miguel. “Plantão Psicológico na Escola: uma experiência”. In: MORATO, Henriette Tognetti Penha (Org.). Aconselhamento Psicológico Centrado na Pessoa: novos desafios. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1999. p. 75-85.

NEIVA, Kathia M. C. Intervenção Psicossocial: aspectos teóricos, metodológicos e experiências práticas. São Paulo: Vetor, 2010.

NÚCLEO DE PESQUISA EM GÊNERO E MASCULINIDADES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Gênero nas escolas: Duas décadas de ações pelo fim do preconceito no Brasil. Recife: GEMA/UFPE, 2016. Disponível em http://gema-ufpe.blogspot.com.br/2016/07/lancamento-da-cartilhagenero-nas.html. Acesso em 09/04/2017.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Paris, 1948. Disponível em https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf.

ONU MULHERES. Mapa da violência 2015, 2016. Disponível em http://www.onumulheres.org.br/wpcontent/uploads/2016/04/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, Cecília MacDowell; IZUMINO, Wânia Pasinato. “Violência Contra as Mulheres e Violência de Gênero: notas sobre estudos feministas no Brasil”. Estudios Interdisciplinários de America Latina y El Caribe, Universidade de Tel Aviv, v. 16, n. 01, p. 147-164, 2005. Disponível em http://www.nevusp.org/downloads/down083.pdf. Acesso em 19/12/2018.

Downloads

Publicado

2020-09-16

Edição

Seção

Artigos