Modos de trabalhar e modos de subjetivar na agricultura familiar no sul do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n165762

Palavras-chave:

Trabalho, Mulheres trabalhadoras rurais, Ação política, Movimento social, Subjetividade

Resumo

Neste estudo, analisamos as narrativas de mulheres trabalhadoras rurais relacionadas ao trabalho no contexto da agricultura familiar. Participaram do estudo dezoito mulheres ligadas ao movimento social das trabalhadoras rurais da região noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. As estratégias metodológicas utilizadas obedeceram aos pressupostos da abordagem genealógica, seguindo uma perspectiva etnográfica. As narrativas produzidas expressam intersecções entre as práticas ligadas aos espaços da casa, da propriedade e do movimento social. Dos resultados produzidos emergem reflexões associadas à compreensão de trabalho como manutenção da vida e possibilidade de transformação de si e do mundo, e as relações entre trabalho e ação política são vistas como conquistas e desafios a serem enfrentados pelas mulheres trabalhadoras rurais.

Biografia do Autor

Rita de Cássia Maciazeki-Gomes, Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande

Professora Adjunta do Instituto de Ciências e da Informação da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), onde leciona e orienta no Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGPSI), Graduação em Psicologia e Residência Multiprofissional em Saúde da Família. Cofundadora do Grupo de Estudos em Saúde Coletiva dos Ecossistemas Costeiros e Marítimos (GESCEM-FURG).

Maria Juracy Filgueiras Toneli, Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina

Professora Titular do Departamento de Psicologia da UFSC, onde leciona e orienta na pós-graduação (PPGP), pesquisadora 1A do CNPq, cofundadora do Núcleo Margens: Modos de vida, família e relações de gênero (PSI/UFSC), conselheira do CFP (Conselho Federal de Psicologia - 2020-2022).

Conceição Nogueira, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto

Doutora em Psicologia Social na Universidade do Minho, Professora Associada com Agregação na Universidade do Porto, Programa Doutoral de Psicologia da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (FPCE-UP). Atua na área de Ciências Sociais com ênfase em Psicologia Social e nesta no domínio dos Estudos de Género e Sexualidades.

Giovana Ilka Salvaro, Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioeconômico e Direito, da Universidade do Extremo Sul Catarinense.

Giovana Ilka Jacinto Salvaro (giovanailka@gmail.com) é Professora dos Programas de Pós-Graduação em Desenvolvimento Socioeconômico (PPGDS) e Direito (PPGD) dos cursos de Graduação em Psicologia e Direito da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC).

Referências

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. “Tempos e Espaços nos mundos rurais do Brasil”. Ruris, Campinas, v. 1, n. 1, p. 37-64, 2007. Disponível em https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/643/511. Acesso em 16/06/2019.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CARNEIRO, Maria José (Ed.). Ruralidades contemporâneas: modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad; FAPERJ, 2012.

CARNEIRO, Maria José. “O rural como categoria de pensamento”. Ruris, Campinas, v. 2, n. 1, p. 9-38, 2008.

CORDEIRO, Rosineide de Lourdes Meira. “Além das secas e das chuvas. O uso da nomeação da mulher trabalhadora rural no sertão central de Pernambuco”. In: WOORTMANN, Ellen Fensterseifer; HEREDIA, Beatriz; MENASHE, Renata (Orgs.). Margarida Alves. Coletânea sobre estudos rurais e gênero. Brasília: MDA/IICA, 2006. p. 216-244.

CORDEIRO, Rosineide de Lourdes Meira. Além das secas e das chuvas. O uso da nomeação da mulher trabalhadora rural no sertão central de Pernambuco. 2004. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

DARON, Vanderléia L. P. Educação, cultura popular e saúde: experiências de mulheres trabalhadoras rurais. 2003. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, Brasil.

DEERE, Carmen Diana. “Os direitos da mulher a terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 175-204, jan./abr. 2004.

FONSECA, Tania Mara Galli. Modos de trabalhar, modos de subjetivar. Tempos de reestruturação produtiva: um estudo de caso. Porto Alegre: EDUFRGS, 2002.

FONTOURA, Natália; ARAÚJO, Clara (Orgs.). Uso do tempo e gênero. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2016. Disponível em http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8034/1/Uso%20do%20tempo%20e%20g%C3%AAnero.pdf. Acesso em 23/03/2019.

FOUCAULT, Michel. “Governamentalidade”. In: FOUCAULT, Michel. Ditos & Escritos IV. Estratégia, saber e poder. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012. p. 275-298.

FOUCAULT, Michel. “Nietzsche, a genealogia e a história”. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1995. p. 15-38.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos Movimentos Sociais. Paradigmas Clássicos e Contemporâneos. 6. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

GRISA, Catia; SCHNEIDER, Sergio. “Três Gerações de Políticas Públicas para a Agricultura Familiar e Formas de Interação entre Sociedade e Estado no Brasil”. RESR, Piracicaba-SP, v. 52, Supl. 1, p. S125-S146, 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/resr/v52s1/a07v52s1.pdf. Acesso em 23/03/2019.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografia do desejo. Petrópolis: Vozes, 1999.

HARAWAY, Donna. “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 7-41, 1995.

IBGE. “Censo Agro 2017: população ocupada nos estabelecimentos agropecuários cai 8,8%”. Agência IBGE de Notícias, 2019b. Disponível em https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25789-censo-agro-2017-populacao-ocupada-nos-estabelecimentos-agropecuarios-cai-8-8. Acesso em 06/04/2020.

IBGE. “Censo Agropecuário 2017. Retratando a realidade do Brasil agrário”. Agência IBGE de Notícias, 2019a. Disponível em https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/d37d30efd337a9b66852d60148695df1.pdf. Acesso em 06/04/2020.

KARAM, Karen F. “A mulher na agricultura orgânica e em novas ruralidades”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 303-320, jan./abr. 2004.

KERGOAT, Danièle. “O cuidado e a imbricação das relações sociais”. In: ABREU, Alice Rangel de P.; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa (Orgs.). Gênero e trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 17-26.

LITTLE, Jo; PANELLI, Ruth. “Gender Research in Rural Geography”. Gender, Place and Culture, v. 10, n. 3, p. 281-289, 2003.

MACIAZEKI-GOMES, Rita de Cássia. Narrativas de si em movimento. Uma genealogia da ação política de mulheres trabalhadoras rurais do sul do Brasil. 2017. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade do Porto, Porto, Portugal.

MACIAZEKI-GOMES, Rita de Cássia; HERRERA ORTUÑO, Judit. “Devir Margarida: narrativas de si em experienciafetos”. Interface, Botucatu, v. 24, e190180, 2020. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/icse/v24/1807-5762-icse-24-e190180.pdf.

MACIAZEKI-GOMES, Rita de Cássia; NOGUEIRA, Conceição; TONELI, Maria Juracy Filgueiras. “Mulheres em contextos rurais: um mapeamento sobre gênero e ruralidade”. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 28, n. 1, p. 115-124, jan./abr. 2016.

MACIAZEKI-GOMES, Rita de Cássia; TONELI, Maria Juracy Filgueiras; NOGUEIRA, Conceição; GRAVE, Rita. “Ação política e produção de subjetividade: a herança de terra, trabalho e participação política na produção de um éthos agricultora”. Estudos de Psicologia, Natal, v. 24, n. 3, p. 305-316, 2019.

MACIAZEKI-GOMES, Rita de Cássia; VÁSQUEZ, Claudia Lazcano; NOGUEIRA, Conceição; TONELI, Maria Juracy Filgueiras. “Participação política e subjetividade - Narrativas de vida de trabalhadoras rurais do sul do Brasil”. PSICO, Porto Alegre, v. 47, n. 2, p. 148-158, 2016.

NOGUEIRA, Conceição. Um novo olhar sobre as relações de género. Feminismo e perspectivas críticas na psicologia social. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001.

PAULILO, Maria Ignez Silveira. “Movimento das mulheres agricultoras e os muitos sentidos da igualdade de gênero”. In: FERNANDES, Bernardo Mançano; MEDEIROS, Leonilde Servolo; PAULILO, Maria Ignez (Orgs.). Lutas camponesas contemporâneas: condições, dilemas e conquistas: a diversidade das formas das lutas no campo. 2. ed. São Paulo: EDUNESP; Brasília: NEAD, 2009. p. 179-202.

PAULILO, Maria Ignez Silveira. “Movimento de mulheres agricultoras: terra e matrimônio”. Cadernos de Pesquisa, Florianópolis, v. 21, p. 1-17, 2000.

PAULILO, Maria Ignez Silveira. “O peso do trabalho leve”. Ciência Hoje, v. 28, p. 1-7, 1987. Disponível em http://naf.ufsc.br/files/2010/09/OPesodoTrabalhoLeve.pdf. Acesso em 23/03/2019.

PAULILO, Maria Ignez Silveira. “Trabalho familiar: uma categoria esquecida de análise”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 1, p. 229-252, jan./abr. 2004.

PAULILO, Maria Ignez Silveira; SILVA, Cristiani Bereta da. “A luta das mulheres agricultoras: entrevista com Dona Adélia Schmitz”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 399-417, maio/ago. 2007.

PRADO, Marco Aurélio Máximo; CAMPICI, Carmella de Paula Ferreira; PIMENTA, Sara Deolinda. “Identidade coletiva e política na trajetória de organização das trabalhadoras rurais de Minas Gerais: para uma psicologia política das ações coletivas”. Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 10, n. 16, p. 298-317, 2004.

SALES, Celecina de Maria Veras. “Mulheres rurais: tecendo novas relações e reconhecendo direitos”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 15, n. 2, p. 437-443, maio/ago. 2007.

SALVARO, Giovana Ilka Jacinto. Entre a igualdade e a diferença: mulheres camponesas em lutas de gênero. 2010. Tese (Doutorado) - Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil.

SALVARO, Giovana Ilka Jacinto; LAGO, Mara Coelho de Souza; WOLFF, Cristina Scheibe. “Mulheres agricultoras e mulheres camponesas: lutas de gênero, identidades políticas e subjetividades”. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 25, n. 1, p. 79-89, 2013.

SALVARO, Giovana Ilka Jacinto; LAGO, Mara Coelho de Souza; WOLFF, Cristina Scheibe. “Limites e possibilidades da militância política em um movimento social rural de mulheres”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 1, p. 51-70, jan./abr. 2014.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço. Técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. 5. reimpr. São Paulo: EDUSP, 2009.

SCHAAF, Alie Van Der. “Jeito de mulher rural: a busca de direitos sociais e da igualdade de gênero no Rio Grande do Sul”. Sociologias, Porto Alegre, v. 10, n. 5, p. 412-442, 2003.

SCHNEIDER, Sérgio. “A Presença e as Potencialidades da Agricultura Familiar na América Latina e no Caribe”. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 21, n. 3, p. 11-43, set./dez. 2016.

SCHNEIDER, Sérgio. “Reflexões sobre diversidade e diversificação: Agricultura, formas familiares e desenvolvimento rural”. Ruris, Campinas, v. 4, n. 1, p. 85-131, 2010.

SCHNEIDER, Sérgio. “Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 99-121, 2003.

SCOTT, Joan. “A invisibilidade da experiência”. Projeto História, São Paulo, v. 16, p. 297-325, 1998.

SCOTT, Joan. “O enigma da igualdade”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2005.

TARDIN, José Maria. “Cultura Camponesa”. In: CALDART, Roseli Salete et al. (Orgs.). Dicionário da Educação do campo. Rio de Janeiro; São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Expressão Popular, 2012. p. 180-192.

VIEIRA FILHO, José E. R.; SILVEIRA, José Maria F. J. “Mudança tecnológica na agricultura: uma revisão crítica da literatura e o papel das economias de aprendizado”. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 50, n. 4, p. 721-742, 2012.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. “A valorização da agricultura familiar e a reivindicação da ruralidade no Brasil”. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 2, p. 29-37, 2000.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. “Prefácio”. In: CARNEIRO, Maria José (Ed.). Ruralidades contemporâneas: modos de viver e pensar o rural na sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Mauad; FAPERJ, 2012. p. 23-50.

WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. “Raízes históricas do campesinato brasileiro”. In: WANDERLEY, Maria de Nazareth Baudel. Mundo rural como um espaço de vida. Porto Alegre: EDUFRGS, 2009. p. 155-183.

WEBER, Max. A estética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Martin Claret, 2002.

WOORTMANN, Ellen Fensterseifer. “Identidades e memórias entre teutobrasileiros: os dois lados do Atlântico”. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 6, n. 14, p. 205-238, 2000.

Publicado

2021-07-21

Edição

Seção

Artigos