Circulação e vivência nas cidades: ser mulher, ser fl âneuse

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n167152

Palavras-chave:

mulheres, cidades, flâneuse, etnografia, circulação urbana

Resumo

Neste artigo, propomos uma reflexão sobre a circulação das mulheres nas cidades, entendendo que os caminhos e as experiências nas diversas cidades grandes do mundo se diferem, levando em consideração as questões de raça e classe inseridas ao pesquisarmos essas mulheres. Encontramos o conceito da flâneuse, mulher que percorre caminhos pela cidade ao mesmo tempo em que reflete e cria durante esses trajetos, buscando de que maneira se dá a relação da mulher com as ruas da cidade e como, nessa relação, surgem mecanismos de resistência, ao trazê-lo para o âmbito da região metropolitana do Rio de Janeiro e suas especificidades.

Biografia do Autor

Luisa Antonitsch Mansilha Mello, Serviço Social do Comércio

Produtora cultural, crítica de cinema e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC), Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Ana Paula Pereira da Gama Alves Ribeiro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Antropóloga, doutora em Saúde Coletiva. Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Baixada Fluminense e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas (PPGECC), Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais - coord. Djamila Ribeiro)

BAUDELAIRE, Charles. “O pintor da vida moderna”. In: BAUDELAIRE, Charles. Sobre a modernidade. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

BENJAMIN, Walter. Passagens. Belo Horizonte: EDUFMG, 2006.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

CRENSHAW, Kimberlé. “Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics”. University of Chicago Legal Forum, p. 139-167, 1989.

D’INCAO, Maria Ângela. “Mulher e família burguesa”. In: DEL PRIORE, Mary (Org.); BASSANEZI, Carla (Coord. de textos). História das mulheres no Brasil. 10. ed. São Paulo: Contexto, 1997.

INSTITUTO DE SEGURANÇA PÚBLICA (ISP). Dados. DOSSIÊ Mulher 2017. Instituto de Segurança Pública, 2017. Disponível em http://arquivos.proderj.rj.gov.br/isp_imagens/Uploads/DossieMulher2017.pdf. Acesso em 28/04/2020.

ELKIN, Lauren. Flâneuse: women walk the city in Paris, New York, Tokyo, Venice, and London. New York: Farrar; Strausand Giroux, 2016.

ESTÉS, Clarissa Pinkola. Mulheres que correm com os lobos: mitos e histórias do arquétipo da mulher selvagem. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

FERREIRA, Gabriela Rizo. Deslocamentos e costuras com as mulheres da Baixada Fluminense: uma viagem à terra de muitas águas. 2018. Dissertação (Mestrado em Cultura e Territorialidades) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

PRADO, Amanda. “Elas não se sentem livres”. Gênero e Número, 2017. Disponível em http://www.generonumero.media/elas-nao-se-sentem-livres/. Acesso em 28/04/2020.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de (Org.). Explosão feminista: Arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Salvador: EDUFBA, 2012.

KRACAUER, Siegfried. Jacques Offenbach and the Paris of his time. London: Constable, 1981.

MELLO, Luísa A. M. Mulheres, práticas de resistência cultural e ocupação simbólica: as flâneuses da Baixada. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação, Cultura e Comunicação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

MONNET, Nadja. “Flanâncias femininas e etnografia”. Redobra, ano 5, n. 11, p. 218-234, 2014.

PEREC, George. Species of spaces. London: Penguin, 2008.

POLLOCK, Griselda. Vision and difference: femininity and the histories of art. London: Routledge, 1988.

RIO, João do. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Organização Simões, 1951.

ROBIN, Régine. Mégapolis: les derniers pas du flâneur. Paris: Stock, 2009. 397p.

ROLNIK, Raquel. “Territórios negros nas cidades brasileiras: etnicidade e cidade em São Paulo e no Rio de Janeiro”. Estudos Afro-Asiáticos, Rio de Janeiro, n. 17, p. 29-41, set. 1989.

SCHUMAHER, Schuma; BRAZIL, Érico V. Mulheres negras no Brasil. Sã o Paulo: Senac, 2007.

SISTEMA FIRJAN. Disponível em https://www.firjan.com.br/o-sistema-firjan/mapa-do-desenvolvimento. Acesso em 28/04/2020.

SOIHET, Rachel. “Mulheres pobres e violência no Brasil urbano”. In: DEL PRIORE, Mary (Org.); BASSANEZI, Carla (Coord. de textos). História das mulheres no Brasil. 10. ed. São Paulo: Contexto, 1997.

SOLNIT, Rebecca. A história do caminhar. São Paulo: Martins Fontes, 2016a.

SOLNIT, Rebecca. “City of Women”. The New Yorker, 2016b. Disponível em https://www.newyorker.com/books/page-turner/city-of-women. Acesso em 28/04/2020.

WILSON, Elizabeth. “O flâneur invisível”. ArtCultura, Uberlândia, v. 15, n. 27, p. 43-63, jul.-dez. 2013.

WILSON, Elizabeth. The sphinx in the city: urban life, the control of disorder, and women. Berkeley and Los Angeles: University of California Press, 1992.

WOLFF, Janet. “The invisible flâneuse: women and the literature of modernity”. Theory, Culture & Society, v. 2, n. 3, p. 37-46, nov. 1985.

Publicado

2021-07-21

Edição

Seção

Artigos