Agência e autonomia feminina: aportes para estudos sociológicos em contextos de pobreza urbana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1806-9584-2021v29n368075

Palavras-chave:

Feminismo, Autonomia feminina, Pobreza, Agência, Interseccionalidades.

Resumo

O conhecimento sociológico produziu extensa tradição com base na dualidade entre a impossibilidade de agência e o voluntarismo da ação. Abordagens contemporâneas, com contribuições das feministas, têm formulado o problema da agência e da autonomia de modo a escapar dessa dualidade e oferecido constructos mais adequados às investigações sobre as experiências das mulheres. A partir da combinação da abordagem interseccional com a abordagem das capacidades, este trabalho organiza um aporte analítico capaz de compreender a agência e a autonomia em um pêndulo entre os constrangimentos e as escolhas. Esse empreendimento é realizado considerando-se o entrelaçamento entre gênero, classe e raça como sugestão para estudos em contextos de pobreza urbana, tendo em vista sua relevância para o debate sobre gênero, pobreza e desenvolvimento humano. Esta é uma pesquisa teórica sobre o tema proposto.

Referências

ARCHER, Margaret S. “Habitus, reflexividade e realismo”. Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 54, n. 1, p. 157-206, 2011.

ARCHER, Margaret S. “Realism and the problem of agency”. Alethia, v. 5, n. 1, p. 11-20, 2002.

ARCHER, Margaret S. “Realismo e o problema da agência”. Estudos de Sociologia, Recife, v. 2, n. 6, p. 51-75, 2000.

ARCHER, Margaret S. “Routine, reflexivity, and realism”. Sociological Theory, v. 28, n. 3, p. 272-303, 2010.

BADINTER, Elisabeth. Rumo equivocado: o feminismo e alguns destinos. Rio de Janeiro: Editora Record, 2005.

BATLIWALA, Srilatha; DHANRAJ, Deepa. “Gender Myths that Instrumentalise Women: A View from the Indian Frontline”. IDS Bulletin, v. 35, n. 4, p. 11-18, 2004.

BATLIWALA, Srilatha; DHANRAJ, Deepa. “Os mitos de gênero que instrumentalizam as mulheres: uma visão da ‘linha de frente’ indiana”. Revista Feminismos, Salvador, v. 1, n. 1, p.1-18, 2013.

BIROLI, Flávia. “Agentes imperfeitas: contribuições do feminismo para a análise da relação entre autonomia, preferências e democracia”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 9, p. 07-38, 2012.

BIROLI, Flávia. “Autonomia, preferências e assimetria de recursos”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 31, n. 90, p. 39-57, 2016.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

CARNEIRO, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2015.

COLLINS, Patricia Hill. “Aprendendo com a outsider whithin: a significação sociológica do pensamento feminista negro”. Revista Sociedade e Estado. Brasília, v. 31, n. 1, p. 99-127, jan./abr. 2016.

COLLINS, Patricia Hill. “Learning from the outsider within: The sociological significance of Black feminist thought”. Social Problems, v. 33, n. 6, p. s14-s32, 1986.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. London and New York: Routledge, 2002.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro. Tradução de Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo, 2019.

CORNWALL, Andréa; HARRISON, Elizabeth; WHITEHEAD, Ann. “Introdução: reposicionando feminismos em gênero e desenvolvimento”. Revista Feminismos, Salvador, v. 1, n. 1, p. 1-22, 2012.

CORNWALL, Andrea; HARRISON, Elizabeth; WHITEHEAD, Ann. “Introduction: Repositioning feminisms in gender and development”. IDS Bulletin, v. 35, n. 4, p. 1-10, 2004.

CRENSHAW, Kimberlé. “Documento para o Encontro de Especialistas em Aspectos da Discriminação Racial Relativos ao Gênero”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

DAVIS, Angela. Women, race, & class. New York: Vintage, 2011.

DIETZ, Mary G. “Context is all: Feminism and theories of citizenship”. Daedalus, v. 116, n. 4, p. 1-24, 1987.

DIETZ, Mary G. O contexto é o que conta: feminismo e teorias da cidadania. Debate Feminista. São Paulo: Cia. Melhoramentos, Edição Especial (Cidadania e Feminismo), p. 03-28, 1999.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

FRIEDAN, Betty. A mística feminina. Petrópolis: Vozes, 1971.

FRIEDAN, Betty. The feminine mystique. New York: WW Norton & Company, 2010.

GIDDENS, Anthony. A constituição da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

GIDDENS, Anthony. The constitution of society: Outline of the theory of structuration. Cambridge: Polity Press, 1984.

hooks, bell. “Mulheres negras: moldando a teoria feminista”. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 16, p. 193-210, 2015.

hooks, bell. Feminist theory: From margin to center. London: Pluto Press, 2000.

JELIN, Elizabeth. Pan y afectos. La transformación de las familias. Buenos Aires: Fondo de Cultura Econômica de Argentina, 2004.

LAHIRE, Bernard. Retratos sociológicos: disposições e variações individuais. Tradução: Patrícia Chittoni Ramos Reuillard e Didier Martin. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MACHADO, Lia Zanotta. “Campo Intelectual e Feminismo: alteridade e subjetividade nos estudos de gênero”. Série Antropologia, Brasília, p. 1-28, 1994.

MARIANO, Silvana Aparecida; CARLOTO, Cássia Maria. “Gênero e combate à pobreza: Programa Bolsa Família”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 17, n. 3, p. 901-908, 2009.

MARIANO, Silvana; MACÊDO, Márcia. “Desigualdades e interseccionalidades: deslindando a complexa trama das hierarquias e agenciamentos”. Mediações-Revista de Ciências Sociais, Londrina, v. 20, n. 2, p. 11-26, 2015.

MARIANO, Silvana; SOUZA, Márcio Ferreira. “Autonomia feminina e concepções de direito entre mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família”. Revista Em Pauta: teoria social e realidade contemporânea, v. 17, n. 44, p. 165-180, 2019.

MARIANO, Silvana; SOUZA, Márcio Ferreira. “Conciliação e tensões entre trabalho e família para mulheres titulares do Programa Bolsa Família”. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 18, p. 147-177, 2015.

MORAES, Maria Lygia Quartim de. “Marxismo e feminismo: afinidades e diferenças”. Crítica Marxista, Campinas, n. 11, p. 89-97, 2000.

MOSER, Caroline; MOSER, Annalise. “Gender mainstreaming since Beijing: a review of success and limitations in international institutions”. Gender & Development, Oxford, v. 13, n. 2, p. 11-22, 2005.

NUSSBAUM, Martha C. Women and human development: The capabilities approach. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

NUSSBAUM, Martha. Las mujeres y el desarrollo humano. Barcelona: Herder Editorial, 2002.

RAWLS, John. A theory of justice. Cambridge, MA: Harvard University Press, 2020.

RAWLS, John. Uma teoria da justiça. 3 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

SAFFIOTI, Heleieth I. B. “Quem tem medo dos esquemas patriarcais de pensamento?”. Crítica Marxista, Campinas, n. 11, p. 71-75, 2000.

SARTI, Cynthia. “O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, n. 2, p. 35-50, maio-agosto 2004.

SCOTT, Joan W. “A invisibilidade da experiência”. Projeto História, São Paulo, n. 16, p. 297-325, 1998.

SCOTT, Joan W. “Gênero: uma categoria útil de análise histórica”. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 5 -22, 1990.

SCOTT, Joan W. “The evidence of experience”. Critical inquiry, v. 17, n. 4, p. 773-797, 1991.

SCOTT, Joan Wallach. “Gender: A Useful Category of Historical Analysis”. In: SCOTT, Joan Wallach. Gender and the Politics of History. New York Chichester, West Sussex: Columbia University Press, 1988. p. 28-50.

SEN, Amartya Kumar. Desigualdade reexaminada. Tradução e apresentação: Ricardo Doninelli Mendes. 3 ed. Rio de Janeiro: Record, 2012.

SEN, Amartya. Inequality reexamined. Oxford: Oxford University Press, 1992.

SOARES, Vera. “Mulher, autonomia e trabalho”. In: DI SABBATO, Alberto et al (Org.). Autonomia econômica e empoderamento da mulher. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2011. p. 281-301.

SORJ, Bila; FONTES, Adriana; MACHADO, Danielle Carusi. “Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 573-594, 2007.

TRAD, Leny A. Bomfim. Família contemporânea e saúde: significados, práticas e políticas públicas. São Paulo: SciELO-Editora; FIOCRUZ, 2010.

Publicado

2021-12-10

Edição

Seção

Artigos