Fluxos migratórios de mulheres para o trabalho reprodutivo: a globalização da assistência

Autores

  • Teresa Kleba Lisboa

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0104-026X2007000300017

Palavras-chave:

migração feminina, globalização da assistência, eqüidade de gênero, políticas públicas para mulheres.

Resumo

A partir de uma experiência vivenciada como integrante do grupo que trabalhou a temática da migração de mulheres na Internationale Frauen Universität (IFU) em 2000, apresento neste artigo uma discussão sobre os fluxos migratórios de mulheres que deixam os países periféricos movendo-se em direção aos países de Primeiro Mundo para trabalhar como empregadas domésticas. Ocorre nesse processo uma verdadeira globalização da assistência, formando-se inclusive cadeias entre mulheres de diferentes nações, classes e etnias. As principais causas das migrações estão ligadas à luta pela sobrevivência, oportunidade de trabalho e estudo e conquista da independência em relação à opressão e à violência. Como proposta final, sugiro que, para conter os fluxos migratórios, são necessárias políticas públicas que venham ao encontro das necessidades básicas das mulheres em seus países de origem.

Downloads

Publicado

2007-09-11

Edição

Seção

Seção Temática