Da sociedade de sociedades à insularidade do estado entre medievo e idade moderna

Autores

  • Paolo Grossi Universidade de Florença

DOI:

https://doi.org/10.5007/%25x

Palavras-chave:

História do direito, Idade Mé- dia, Modernidade, poder político, “sociedade de sociedades”, insularidade do Estado.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo explorar as descontinuidades entre os universos medieval e moderno, enfocando, para tanto, as diferentes formas de a dimensão jurídica relacionar-se com a dimensão política e social, que, sobre bases antropológicas profundamente distintas (primeiro comunitária e, depois, individualista), identificam a contraposição entre a “sociedade de sociedades” de origem medieval, e a insularidade do Estado, caracteristicamente moderna.

Biografia do Autor

Paolo Grossi, Universidade de Florença

Paolo Grossi (Florença, 1933) é professor catedrático de História do direito medieval e moderno na Universidade de Florença, Itália.

Recebeu o título doutor honoris causa em Direito pelas Universidades de Frankfurt am Main (1989), Stockholm (1990), Autónoma de Barcelona (1991), Autónoma de Madrid (1994),Sevilla (1998), Bologna (2005), Nápoles (2007), Federal do Rio Grande do Sul (2009). É Professor honorário na Facultad de Derecho de la Pontificia Universidad Católica del Peru. É membro da Accademia Nazionale dei Lincei.

Em 1972 fundou a revista 'Quaderni fiorentini per la storia del pensiero giuridico moderno' e o 'Centro Studi sulla storia del pensiero giuridico', do qual a revista é expressão.

A sua produção é marcada pela influência de nomes como Santi Romano, Giuseppe Capograssi, Francesco Calasso e Marc Bloch.

Em 17 de fevereiro de 2009 foi nomeado Ministro da Corte Constitucional da República Italiana através de decreto assinado pelo Presidente da República Italiana, Giorgio Napolitano.

Downloads

Publicado

2007-01-01

Edição

Seção

Artigos