A práxis da produção do espaço jurídico-político glocal pelos municípios do Consórcio Intermunicipal da Fronteira (CIF)

Autores

  • Idir Canzi Universidade Comunitária da Região de Chapeco

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-7055.2018v39n78p219

Palavras-chave:

Produção do Espaço Jurídico-Político, Municípios, Glocal, Consórcio Intermunicipal da Fronteira (CIF)

Resumo

O artigo analisa a práxis da produção do espaço jurídico-político glocal pelos municípios integrantes do Consórcio Intermunicipal da Fronteira (CIF), evidenciando a experiência da ordenação político-jurídica e administrativa de Dionísio Cerqueira (SC), Bom Jesus do Sul e Barracão (PR) e de Bernardo de Irigoyen, Argentina. Os municípios do CIF, ao produzirem o espaço social, político, econômico e cultural, a partir da práxis do local e de seu entorno, com atividades nas relações internacionais, criam uma juridicidade específica, relacional e própria dos espaços de representação glocalizada, caracterizada por um microssistema normativo consuetudinário comum entre os municípios, à margem do direito internacional oficial.

Biografia do Autor

Idir Canzi, Universidade Comunitária da Região de Chapeco

Doutor em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Direito pela UFSC- Universidade Federal de Santa Catarina. Especialista em Direito Processual Civil pela UNOESC- Campus Chapecó. Especialista em Filosofia Política pela UNIJUI - Universidade de Ijuí – RS. Graduado em Direito pela Unijuí – RS. Graduado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras Dom Bosco - Santa Rosa/RS. Docente titular da Universidade Comunitária da Região de Chapecó – UNOCHAPECÓ. Advogado militante na área do Direito público com Escritório de advocacia em Chapecó/SC. Email: Canzi@unochapeco.edu.br

Downloads

Publicado

2018-06-18

Edição

Seção

Artigos