Direitos e interdisciplinaridade no campo de trabalho da assistência social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-7055.2022.e57561

Palavras-chave:

Direitos, Interdisciplinaridade, Assistência social

Resumo

O artigo é resultado das discussões, em espaços de produção de conhecimento, sobre duas pesquisas que têm em comum as temáticas da interdisciplinaridade, dos direitos humanos e da assistência. Uma delas foi realizada com trabalhadores no campo da assistência jurídica e a outra com usuários da assistência social. Ambas utilizaram a pesquisa intervenção como estratégica metodológica. A partir das discussões entre os dois campos foi possível ver que o trabalho interdisciplinar é ferramenta importante na defesa de direitos no âmbito da assistência social e que a suspensão das fronteiras disciplinares, a abertura para a alteridade, a reflexão sobre as próprias práticas e a educação permanente são fundamentais neste processo.

Biografia do Autor

Lúcia Regina Ruduit Dias, Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre

Professora de psicologia jurídica do curso de Direito da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre. Doutora pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de Santa Catarina, mestre pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Anna Luiza Trein, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Trabalhadora da rede de saúde. Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Referências

AQUINO, Julio Groppa; MUSSI, Mônica Cristina. As vicissitudes da formação docente em serviço: a proposta reflexiva em debate. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n.2, p. 211-227, jul./dez. 2001.

BARROS, Regina Benevides de. Grupo: a afirmação de um simulacro. 3. ed. Porto Alegre: Sulina/Editora da UFRGS, 2009.

BOBBIO, Norberto. Sobre os fundamentos dos direitos do homem. In: BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BRASIL. Conselho Nacional de Assistência Social. Resolução n° 130, de 15 de julho de 2005. Resolve aprovar a NOB-SUAS e apresenta recomendações referentes a ela. Disponível em: http://www.mds.gov.br/suas/menu_superior/legislacao-1/nob/nob-versao_final.zip/view. Acesso em: 08 ago. 2010.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Política Nacional de Assistência Social. Brasília, novembro 2004.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Secretaria Nacional de Assistência Social. Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS – NOB-RH/SUAS. Brasília, dezembro de 2006. Disponível vem: http://www.mds.gov.br/assistenciasocial/gestaodotrabalho. Acesso em: 14 jan. 2013.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 8.742, de 07 de dezembro de 1993. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8742.htm. Acesso em: 08 ago. 2010.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação. 20. Ed. São Paulo: Cultrix, 1997.

CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS (CREPOP). Referência técnica para atuação do(a) Psicólogo(a) no CRAS/SUAS. Conselho Federal de Psicologia (CFP). Brasília, CFP, 2007. (re-impressão 2008). Disponível em: http://crepop.pol.org.br/novo/wp-content/uploads/2010/11/referenciascras.pdf. Acesso em: 14 jan. 2013.

CONSELHO FEDERAL DE SERVIÇO SOCIAL. Parâmetros para atuação de assistentes sociais na política de assistência social. Disponível em: http://www.cfess.org.br/arquivos/Cartilha_CFESS_Finalgrafica.pdf. Acesso em: 14 jan. 2013.

CORREA, Darcísio. Estado, cidadania e espaço público: as contradições da trajetória humana. Ijuí: Ed. Unijuí, 2010.

COUTO, Berenice Rojas. O direito social e a assistência social na sociedade brasileira. 3 ed., São Paulo: Cortez, 2008.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

DIAS, Lúcia Regina Ruduit. A assessoria jurídica universitária em direitos de gênero como uma estética da amizade. Dissertação de mestrado – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

ESCÓSSIA, Liliana da. O coletivo como plano de criação na saúde pública. Interface: comunicação, saúde, educação. Sergipe, v. 13, supl. I, p. 689-94, 2009.

ESCÓSSIA, Liliana da; KASTRUP, Virgínia. O conceito de coletivo como superação da dicotomia indivíduo-sociedade. Psicologia em estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 295-304, mai/ago. 2005.

FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra: etnografia de relações de gênero e violência em grupos populares. 2ª. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004.

FOUCAULT, Michel. Estratégia, Poder-Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT. A ordem do discurso. 15. ed. São Paulo: Edições Loyola. 2007.

FOUCAULT. Política e ética: uma entrevista (1984) In: Ditos e escritos V: ética, sexualidade, política. 2. Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006, p. 218-233.

FOUCAULT. Sobre a genealogia da ética: uma revisão do trabalho. In: DREYFUS, H. e RABINOW, P. Michel Foucault, uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995, p. 253-278.

FOUCAULT. El sujeto y el poder. Disponível em: http://www.campogrupal.com/poder.html. Acesso em 30/06/2009a.

FOUCAULT. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 36. ed. Petrópolis: Vozes, 2009b.

LEI DO PAS. Câmara Municipal de São Leopoldo. Disponível em: http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/645025/lei-5719-05-sao-leopoldo-rs. Acesso em: 14 jan. 2013.

MORIN, Edgar. Epistemologia da complexidade. In: SCHNITMAN, Dora Fried. Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996a, p. 274-287.

MORIN, Edgar. A noção de sujeito. In: SCHNITMAN, Dora Fried. Novos paradigmas, cultura e subjetividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996b, p. 45-55.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Reconhecer para libertar – os caminhos do cosmopolitismo multicultural. São Paulo: Civilização Brasileira, 2003.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 15 ed., Porto: Edições Afrontamento, 2007.

TREIN, Anna Luiza. “O que estamos fazendo aqui?” Sobre o pesquisar e a autonomia nos jogos de visibilidade do SUAS. 2012. 138 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e Institucional). Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, 2012.

VAITSMAN, Geni; ANDRADE, Gabriela Rieveres Borges de; FARIAS, Luis Otávio. Proteção social no Brasil: o que mudou na assistência social após a Constituição de 1988. Ciência & Saúde Coletiva, 14(3):731-741, 2009.

VEYNE, Paul Marie. Foucault revoluciona a história. In: VAITSMAN, Geni; ANDRADE, Gabriela Rieveres Borges de; FARIAS, Luis Otávio. Como se escreve a história. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1998, p. 239-285.

Downloads

Publicado

2022-11-09

Como Citar

DIAS, Lúcia Regina Ruduit; TREIN, Anna Luiza. Direitos e interdisciplinaridade no campo de trabalho da assistência social . Seqüência Estudos Jurídicos e Políticos, Florianópolis, v. 43, n. 91, p. 1–27, 2022. DOI: 10.5007/2177-7055.2022.e57561. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/57561. Acesso em: 17 jun. 2024.