O caráter performático da linguagem judicial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2177-7055.2022.e64937

Palavras-chave:

Decisão judicial, Narratividade, Performatividade da linguagem, Sedução

Resumo

O estudo que segue, inserido no campo de pesquisa atinente às teorias da decisão judicial, busca refletir, a partir de breve revisão bibliográfica, sobre a potência performática da linguagem judicial a partir das narrativas produzidas na jurisdição. Para tanto, recuperam-se preceitos da filosofia sofista como a persuasão e a retórica, que vão associados aos aspectos narrativos da decisão judicial. O objetivo da pesquisa é demonstrar, pela via da interdisciplinaridade, a fragilidade das teorias da decisão judicial que sustentam a hipótese de que é possível encontrar respostas normativamente corretas nas decisões judiciais.

 

Biografia do Autor

Paulo Ferrareze Filho, Universidade de São Paulo (USP)

Doutor em Filosofia do Direito (UFSC). Mestre em Hermenêutica Jurídica (UNISINOS). Professor de Psicologia Jurídica na UNIAVAN.

Referências

ABRÃO, Bernadette Siqueira. História da Filosofia. 6. ed. São Paulo: Nova Cultural, 2004.

BENJAMIN, Walter. O Narrador – Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Tradução Sergio Paulo Rouanet. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

BOFF, Leonardo. Prefácio. In: EYMERICH, Nicolau. Manual dos Inquisidores. 12. ed. São Paulo: Editora Rosa dos Ventos, 1998.

CALVINO, Ítalo. Assunto encerrado: Discursos sobre literatura e sociedade. Tradução Roberta Barni. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

CALVO GONZÁLEZ, José. A controvérsia fática: contribuição ao estudo da quaestio facti a partir de um enfoque narrativista do Direito. In: TRINDADE, André Karam; GUBERT, Roberta; COPETTI NETO, Alfredo (Org.). Direito e Literatura: discurso, imaginário e normatividade. Porto Alegre: Núria Fabris Ed., 2010.

CALVO GONZÁLEZ. Derecho y Literatura. Intersecciones instrumental, estructural e institucional. In: CALVO GONZÁLEZ, José. Implicación Derecho Literatura: contribuciones a una Teoría literaria del Derecho. Granada: Editorial Comares, 2008.

CALVO GONZÁLEZ. El discurso de los Hechos: narrativismo en la interpretación operativa. 2 ed. Madrid: Editorial Tecnos, 1998.

CALVO GONZÁLEZ. La Justicia como relato. Málaga: Editorial Ágora, 2002.

CASSIN, Barbara. O efeito sofístico. Tradução Ana Lúcia de Oliveira, Maria Cristina Franco e Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2005.

CONFIRA os casos de maior repercussão de Lia Pires. Zero Hora, Porto Alegre, p. 34, 26 dez. 2010. Disponível em: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2010/12/confira-os-casos-de-maior-repercussao-de-lia-pires-3153841.html#showNoticia=WEFfSSNTQCs4MDYxMjA2NjA5OTY1MDk2OTYwM19+MzA4NzQxODE1MjMyNDY2NTI2NlF0fTYyMTI2MjU3NDc3MzE4MDgyNTZkY215XGJleVJRQDh3e05GbWo=. Acesso em: 23 jun. 2016.

DINUCCI, Aldo Lopes. Análise e tradução do Epitáfio de Górgias de Leontinos. Revista Olhar, São Carlos, a. 10/11. n. 17,18,19, dez. 2008.

FLAIG, Mario. A Arte da Retórica. Programa Direito e Literatura, abr. 2014. Mediador: Lenio Luiz Streck. TV Justiça, 2013.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução Roberto Machado. 24. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

GIANNETTI, Eduardo. Trópicos Utópicos: uma perspectiva brasileira da crise civilizatória. 1.. ed. São Paulo: Cia das Letras, 2016.

GUTHRIE, W. C. K. Os Sofistas. Tradução João Rezende Costa. São Paulo: Paulus, 1995.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2008.

KIERKEGAARD, Soren. O Diário de um Sedutor. São Paulo: Editora Martin Claret, 2012.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes. O foco narrativo (ou A polêmica em torno da ilusão). 7. ed. São Paulo: Editora Ática, 1994.

LIICEANU, Gabriel. Da sedução. Tradução Elpídio Mário Dantas Fonseca. Campinas, SP: Vide Editorial, 2014.

MACHADO, Roberto. Deleuze, a arte e a filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

MANZI, José Ernesto. Sustentação oral nos tribunais: algumas reflexes e dicas de A a Z. Disponível em: http://www.trt12.jus.br/portal/areas/ascom/extranet/invigilando/2012/130412.jsp. Acesso em: 16 jun. 2016.

MEYER, Michel. Questões de retórica, linguagem, razão e sedução. Lisboa: Edições 70, 2007.

PLATÃO. A República. Tradução de Enrico Corvisieri. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

PLATÃO. Diálogos: O Banquete, Fédon, Sofista, Político. Seleção de textos de José Américo Motta Pessanha; tradução e notas de José Cavalcante de Souza, Jorge Paleikat e João Cruz Costa. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991.

RIO GRANDE DO NORTE. Patu/RN (Processo n.º 0100222-69.2014.8.20.0125), em que o juiz Valdir Flávio Lobo Maia, valendo-se de um critério da Unesco, ou seja, não jurídico, determinou emenda à petição inicial que tinha mais de 49 páginas. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2014-abr-20/eduardo-moraes-juiz-exige-advogado-peticao-atua-censor. Acesso em: 23 fev. 2017.

RIO GRANDE DO SUL. Justiça do Trabalho do TRT da 4.ª Região. Sentença oriunda da 4.ª Vara do Trabalho de Canoas/RS. Reclamatória Trabalhista n.º 00202012-20.2016.5.04.0204.

RODRIGUEZ, José Rodrigo. Como decidem as cortes?: para uma crítica do direito (brasileiro). Rio de Janeiro: Editora FGV, 2013.

ROSA, Alexandre Morais da. Guia Compacto do Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. 3. ed. Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

TOSCANO JÚNIOR, Rosivaldo; STRECK, Lenio. Vontade de Poder versus Normatividade: O quê o Nazismo nos ensina? Revista Prima Facie, João Pessoa, v. 13, n. 24, 2014.

WARAT, Luis Alberto. A rua grita Dionísio: cartografia, surrealismo e direitos humanos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.

Downloads

Publicado

2022-11-09

Como Citar

FILHO, Paulo Ferrareze. O caráter performático da linguagem judicial . Seqüência Estudos Jurídicos e Políticos, Florianópolis, v. 43, n. 91, p. 1–24, 2022. DOI: 10.5007/2177-7055.2022.e64937. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/sequencia/article/view/64937. Acesso em: 25 jun. 2024.