O silêncio: tradução ideal - da tradução total à tradução impossível

Vanete Dutra Santana

Resumo


Neste artigo, procuramos demonstrar, por meio da análise da crítica do narrador do conto “Menard, autor del Quijote”, de Jorge Luis Borges, a impossibilidade de se atingir total equivalência de sentidos no processo tradutório. Como apoio para comprovação de nossa teoria, utilizamos a tradução do primeiro artigo da Declaração de Independência dos Estados Unidos da América do inglês para o newspeak, a língua oficial de um estado totalitário fictício criado por George Orwell em seu romance 1984. Como metodologia, utilizamos a análise do discurso, uma vez que, ao conceber o texto em sua discursividade, ela põe em relevo como o texto significa, ao invés de instigar o analista a buscar algum significado essencial no interior do texto. Assim, podemos trabalhar com os efeitos de sentido gerados pelo texto. O que há em comum nas diferentes traduções apresentadas para o conto de Miguel de Cervantes e para o artigo da Declaração é o fato de que, a despeito de apresentarem direções opostas, ao buscarem o mesmo objetivo – traduções totalmente equivalentes –, revelam a impossibilidade da tradução.


Palavras-chave


Tradução e interpretação; Tradução e fidelidade; Análise de discurso; Essencialismo; Desconstrução

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2008v1n21p109



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.