Paratextos de traduções literárias e de traduções especializadas: estudo comparativo de prefácios e introduções

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7968.2020v40n2p38

Palavras-chave:

Paratextos, Prefácios, Tradução literária, Tradução especializada

Resumo

Na área acadêmica dos Estudos de Tradução, cada vez mais pesquisadores têm recorrido à análise de material paratextual como parte integrante de suas metodologias de pesquisa, o que tem levado a uma reflexão teórica sobre a função desse tipo de texto em traduções publicadas. Todavia, a maior parte dessas pesquisas assenta em traduções de textos literários e, por isso, pouco se sabe sobre as funções e características dos paratextos nas traduções de textos especializados. Neste trabalho, comparamos vinte e seis paratextos (introduções e prefácios) presentes em quinze traduções de Hamlet publicadas no Brasil nas últimas seis décadas com vinte e quatro paratextos extraídos de cerca de duzentos livros acadêmicos traduzidos (sobre medicina, engenharia, biologia, física, etc.) e publicados também nesse intervalo temporal. Os resultados da comparação permitem traçar semelhanças e diferenças entre os assuntos discutidos nos paratextos presentes nos dois tipos de tradução (literária e especializada).

Biografia do Autor

Janine Pimentel, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro,

Janine Pimentel licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas (Estudos Ingleses e Alemães) pela Universidade Nova de Lisboa em 2003. É mestre em Linguística com especialização em Lexicografia e Terminologia pela mesma universidade. Desde o mestrado que se interessa pela elaboração de recursos linguísticos para a tradução. É PhD em Estudos da Tradução pela Universidade de Montreal desde 2012, onde lecionou na graduação e na pós-graduação primeiro como assistente e depois como professora convidada. Em 2014, fez pesquisa de pós-doutorado na PUC-Rio. Atualmente, é Professora Adjunta no Departamento de Anglo-Germânicas da Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde leciona tradução, e no Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da mesma faculdade, onde leciona teorias da tradução e linguística de corpus. Os seus interesses de pesquisa inserem-se nos Estudos de Tradução com ênfase na tradução especializada. É líder do grupo de pesquisa NET - Núcleo de Estudos da Tradução da UFRJ, cadastrado no CNPq.

Pedro Vieira, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Niterói, Rio de Janeiro

Graduado em Letras Português-Inglês pela Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Mestre em Linguística Aplicada pela mesma instituição. Possui experiência em ensino de Língua Portuguesa e Língua Inglesa e em tradução e revisão de textos no par Português-Inglês. Seus interesses de pesquisa envolvem os estudos de tradução e recepção literária. Deseja se desenvolver academicamente nesta área e exercer profissionalmente o ofício de tradutor. Atua como Professor Substituto de Língua Inglesa desde agosto de 2018, com ênfase em prática escrita em inglês para fins acadêmicos, na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Batchelor, Kathryn. Translation and Paratexts. New York: Routledge, 2018.

Belle, Marie-Alice; Hosington, Brenda. (Eds.) Thresholds of Translation Paratexts, Print, and Cultural Exchange in Early Modern Britain (1473-1660). Basingstoke: Palgrave MacMillan, 2018.

Dimitriu, Rodica. “‘Translators’ prefaces as documentary sources for translation studies.” Perspectives: Studies in Translatology. 17.3 (2009): 193-206.

Ferreira, Rodrigo. Análise das notas de tradução em edições brasileiras da Bhagavad-Gita. Dissertação de Mestrado em Estudos da Tradução. Universidade Federal de Santa Catarina. 2006. Repositório Institucional da UFSC. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/89279. Acesso em: 23/01/2020.

Genette, Gérard. Seuils. Paris: Seuil, 1987.

Gil-Bardají, Anna; Orero, Pilar; Rovira-Esteva, Sara. (Eds). Translation Peripheries: Paratextual Elements in Translation. Bern: Peter Lang, 2012.

Hermans, Theo. Translation in Systems. Descriptive and System-Oriented. Approaches Explained. Manchester: St. Jerome Publishing, 1999.

Koş, Arzu. “Analysis of the paratexts of Simone de Beauvoir’s works in Turkish.” In: Pym, Anthony; Perekrestenko, Alexander. (Eds). Translation Research Projects 1. Tarragona: Intercultural Studies Group. Tarragona: Intercultural Studies Group, 2008, p. 59-68.

Martins, Marcia. “A voz dos tradutores shakespearianos em seus paratextos”. TradTerm. 26 (2015): 87-120. Portal de Revistas da USP.

Mittman, Solange. Notas do Tradutor e Processo Tradutório. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003.

Pellatt, Valerie (Ed.). Text, Extratext, Metatext and Paratext in Translation. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 2013.

Sardin, Pascale. “De la note du traducteur comme commentaire: entre texte, paratexte et pretexte.” Palimpsestes 20 (2007): 121-136.

Schepper, Susanna. Foreign Books for English Readers – Published Translations of Navigation Manuals and their Audience in the English Renaissance, 1500-1640. Doctoral thesis – University of Warwick, Centre for the Study of the Renaissance, 2012.

Tahir-Gürçaglar, Şehnaz. “What texts don’t tell: the uses of paratexts in translation research” In: Hermans, Theo (Ed.) Crosscultural Transgressions. Research Models in Translation Studies II: Historical and Ideological Issues, Manchester: St. Jerome, 2002, p. 44-60.

Tahir-Gürçaglar, Şehnaz. “Paratexts.” In: Gambier, Yves; Doorslaer, Luc van. (Eds.) Handbook of Translation Studies, volume 2, Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2011, p. 113-116.

Toledano Buendía, Carmen. “Listening to the voice of the translator: A description of translator’s notes as paratextual elements.” The International Journal for Translation and Interpreting Research 5.2 (2013): 149-162.

Toury, Gideon. Descriptive Translation Studies and beyond. Amsterdam/ Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 1995.

Vieira, Pedro. As traduções de Hamlet no Brasil: um estudo diacrônico dos paratextos. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.

Vieira, Pedro e Pimentel, Janine. “Traduções de Hamlet no Brasil: um estudo diacrônico dos paratextos.” Tradução em Revista 25 (2018): 171-193.

Yuste Frías, José. “Au seuil de la traduction : la paratraduction.” In: Naaijkens, T. (Ed.) Event or Incident. Événement ou Incident. On the Role of Translation in the Dynamics of Cultural Exchange. Du rôle des traductions dans les processus d’échanges culturels. Bern: Peter Lang, 2010, p. 287-316.

Yuste Frías, José. “Paratextual Elements in Translation: paratranslating titles in children’s literatura.” In: Gil-Bardají, Anna; Orero, Pilar; Rovira-Esteva, Sara. (Eds) Translation Peripheries: Paratextual Elements in Translation, 2012, p. 117134.

Yuste Frías, José. “Paratextualidade e tradução: a paratradução da literatura infantil e juvenil.” Cadernos de Tradução 34 (2014): 9-60. Disponível em: https:// periodicos.ufsc.br/index.php/traducao/article/view/2175-7968.2014v2n34p9/0. Acesso em: 23/01/2020.

Corpus literário

Shakespeare, William (a). A Tragédia de Hamleto, Príncipe da Dinamarca. Tradução de Tristão da Cunha. Rio de Janeiro: Schmidt, 1933.

Shakespeare, William (b). Tragédias de Shakespeare: Romeu e Julieta, Hamlet e Macbeth. Tradução de Oliveira Ribeiro Neto. São Paulo: Martins Editora, 1960.

Shakespeare, William (c). A Tragédia de Hamlet, Príncipe da Dinamarca. Tradução de Péricles Eugênio da Silva Ramos. São Paulo: Livraria José Olympio Editora, 1955.

Shakespeare, William (d). Cimbelino, Péricles e Hamleto. Tradução de Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Melhoramentos, 1956.

Shakespeare, William (e). Hamlet e Macbeth. Tradução de Hamlet por Anna Amélia Carneiro de Mendonça; tradução de Macbeth por Bárbara Heliodora. 2nd ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, [1968] 1995.

Shakespeare, William (f). Obra Completa. Nova versão anotada de F. Carlos de Almeida Cunha Medeiros e Oscar Mendes. Vol. 1. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, [1969] 1988.

Shakespeare, William (g). Hamlet. Tradução, introdução e notas de Geraldo de Carvalho Silos. Rio de Janeiro: Editora JB, 1984.

Shakespeare, William (h). Hamlet. Tradução de Millôr Fernandes. Porto Alegre: LP&M, [1988] 2012.

Shakespeare, William (i). Hamlet, Príncipe da Dinamarca. Tradução de Mario Fondelli. Rio de Janeiro: Newton Compton Brasil, 1996.

Shakespeare, William (j). Hamlet. Tradução interlinear e notas de Elvio Funck. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

Shakespeare, William (k). O primeiro Hamlet: In-quarto de 1603. Organização e tradução de José Roberto O’Shea. São Paulo: Hedra, 2010.

Shakespeare, William (l). Hamlet, príncipe da Dinamarca. Tradução, introdução e notas de Lawrence Flores Pereira. 1st ed. São Paulo: Penguin Classics/ Companhia das Letras, 2015.

Corpus especializado

AAVV, MARC 21, Formato condensado para Dados Bibliográficos. Tradução de Margarida Ferreira. 2ª edição. Marília: UNESP, 2000.

Bastiat, Frederic. A lei. Tradução de Ronaldo da Silva Legey. 3ª edição. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1991.

Bauer, Martin; Gaskell, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Editora Vozes, 2004.

Campbell, William; Frisse, Mark. Manual de terapêutica clínica. Tradução de Jayme Neves. 24a edição. Rio de Janeiro: Medsi - Editora médica, 1985.

Campbell, Donald; Stanley, Julian. Delineamentos experimentais e quaseexperimentais de pesquisa. Tradução de Renato Alberto T. Di Dio. São Paulo: EPU/EDUSP, 1980.

Canale, Terry. Cirurgia ortopédica de Campbell, tradução de Nelson Gomes de Oliveira, Barueri: Manole, 2006.

Ewing, Galen. Métodos instrumentais de Análise Química. Tradução de Aurora Giora Albanese e Joaquim Campos. São Paulo: Edgard Blücher/Editora da Universidade de São Paulo, 1969.

Freitag, Jeffrey e Miller, Leslie (Eds). Manual de terapêutica clínica. Tradução de Antônio Candido de Melo e Carvalho. 23a edição. São Paulo: Jeito de Ler, 1982.

Goleman, Daniel. Inteligência emocional: a teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente. tradução de Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

Hockenberry, Marilyn; Wilson, David. Wong, fundamentos da enfermagem pediátrica. Tradução de Maria Inês Corrêa Nascimento. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

Holman, Jack. Transferência de Calor. Tradução de Luiz Fernando Milanez. São Paulo: McGraw-Hill Brasil, 1983.

Hume-Rothery, William. Estrutura das ligas de ferro. Tradução de Renato Vieira, Jorge Finardi, Ivan Falleiros, Adolar Pieske e Jorge Cintra. São Paulo: EPU/EDUSP, 1969.

Kearey, Philip; Brooks, Michael; Hill, Ian. Geofísica da Exploração. Tradução de Maria Cristina Coelho. São Paulo: Oficina de Textos, 2009.

Kreith, Frank. Princípios da transmissão de calor. Tradução de Eitaro Yamane, Otavio de Matos Silvares e Virgílio Rodrigues. São Paulo: Edgard Blücher/ Editora da Universidade de São Paulo, 1977.

Mysak, Edward. Patologia dos sistemas da fala. Tradução de Edmée Brandi e May Camara Moreira de Sousa. São Paulo: Roca, 1989.

Nelson, David; Cox, Michael. Lehninger Princípios da bioquímica. Tradução de Fabiana Horn. Porto Alegre: Artmed, 2011.

Ricklefs, Robert. A Economia da Natureza: um livro-texto em ecologia básica. Tradução de Cecília Bueno e Pedro de Lima e Silva. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.

Shreve, Norris e Brink, Joseph. Indústrias de processos químicos. Tradução de Horácio Macedo. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1980.

Weil, Nyle e Brady, Ray. Elementos da natureza e propriedades dos solos. Tradução de Igor Lepsch. Porto Alegre: Bookman, 2013.

Downloads

Publicado

2020-05-19