Traduzindo literatura da diáspora africana para a língua portuguesa do Brasil: o particular, o pós-colonial e o global

Maria Aparecida Salgueiro

Resumo


O presente artigo apresenta breve síntese reflexiva sobre aspecto relevante entre os rumos recentes tomados pelos Estudos de Tradução em sua íntima relação com os Estudos Literários. Partindo de estudos das últimas décadas, que têm mostrado que a tradução não é apenas um processo interlingual, mas fundamentalmente, uma atividade intercultural, procura levantar elementos para a compreensão de como a negritude – ou “o sujeito negro” – se traduz em diferentes contextos e espaços geográficos. Nos espaços lusofônicos a questão é eivada de nuances coloniais e pós-coloniais. Centrando-nos no português do Brasil, buscamos respostas para perguntas como “Quais as implicações de se traduzir literatura afro-americana contemporânea do inglês, com suas formas específicas de questionar identidade, para o português do Brasil?” (ou vice-versa), ou ainda, “Quais são os pressupostos sobre a Literatura Afro-descendente no Brasil e nos Estados Unidos?” Tendo claro que tais questões são bem mais amplas e profundas do que parecem, surgem novas perguntas e reflexão sobre a construção de identidades em diferentes espaços geográficos. Aspectos relacionados à tradução para a língua portuguesa do Brasil de obras afro-americanas (e vice-versa), assim como os contextos político e cultural que delineiam a seleção, tradução e recepção da literatura traduzida serão centrais na discussão.


Palavras-chave


Literatura; Diáspora Africana; Tradução Intercultural

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7968.2014v3nespp262



Cadernos de Tradução, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 2175-7968.