Aspectos do ensino e aprendizagem da oralidade na escola

Autores

  • José Batista de Barros Universidade Federal de Pernambuco
  • Paula Roberta Paschoal Boulitreau Universidade Federal de Pernambuco
  • Adriana Letícia Torres da Rosa Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n2p69

Palavras-chave:

Oralidade, Inclusão social, Gêneros textuais, Ensino de língua portuguesa

Resumo

Objetivamos refletir sobre os aspectos relativos ao ensino-aprendizagem da oralidade na sala de aula, dirigindo o olhar para os gêneros textuais como organizadores das práticas sociais e discursivas. Realizamos uma pesquisa qualitativa, na qual aplicamos a entrevista narrativa com dois professores de escolas públicas de Pernambuco que ensinam língua portuguesa em diferentes realidades (uma municipal e uma federal). Os professores demonstram reconhecer que a participação significativa do indivíduo nas práticas sociais, a partir do uso da linguagem oral, reflete nos processos de inclusão; apontam como importante o trabalho com a diversidade de gêneros orais, e variedades linguísticas; e, sinalizam questões históricas quanto ao trabalho do livro didático com a oralidade, indicando as necessidades de se investir na pedagogia de ensino da “fala”. Concluímos que o estudante tem a possibilidade de ampliar seus conhecimentos quando a escola se apresenta como espaço de sistematização do saber construído sócio historicamente, numa perspectiva inclusiva.

Biografia do Autor

José Batista de Barros, Universidade Federal de Pernambuco

Professor do Colégio de Aplicação da UFPE

Doutorando em Ciências da Linguagem

Paula Roberta Paschoal Boulitreau, Universidade Federal de Pernambuco

Professora de Educação Física do Colégio de Aplicação da UFPE

Doutoranda em Ciências da Linguagem

Adriana Letícia Torres da Rosa, Universidade Federal de Pernambuco

Professora de Língua Portuguesa do Colégio de Aplicação da UFPE

Doutora em Letras

Referências

BAKHTIN, M. (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA, 2009.

BEZERRA, M. A. Ensino da língua portuguesa e contextos teórico-metodológicos. In.: Ângela Dionísio, Anna Rachel Machado e Maria Auxiliadora Bezerra (orgs.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

BRASIL. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. MEC, SEF, 1998.

MARCUSCHI, L. A. Oralidade e ensino de língua: uma questão pouco “falada”. In.: DIONÍSIO, A. P. & BEZERRA, M. A. (orgs.). O livro didático de português: múltiplos olhares. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In.: Ângela Dionísio, Anna Rachel Machado e Maria Auxiliadora Bezerra (orgs.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. pp. 19-36.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para escrita: atividades de retextualização. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. rev. e aprim. São Paulo: Hucitec, 2006.

SOUZA JUNIOR, Marcílio; MELO, Marcelo S. Tavares de; SANTIAGO, Maria Eliete. A análise de conteúdo como forma de tratamento dos dados numa pesquisa qualitativa em Educação Física escolar. Movimento, Porto Alegre, v.16, n.03, p.31-49, julho/setembro de 2010.

Downloads

Publicado

2020-12-10