Projeto didático de gênero e produção textual escrita: um estudo de caso a partir do trabalho com o gênero “carta de reclamação”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2020v21n2p209

Palavras-chave:

Produção textual, Carta de Reclamação, Projeto Didático de Gênero, Interacionismo Sociodiscursivo

Resumo

Este artigo analisa o desenvolvimento da produção textual de um aluno de 6º ano do Ensino Fundamental a partir da interação/intervenção docente realizada durante o desenvolvimento de um projeto didático de gênero voltado ao trabalho com o gênero “carta de reclamação”. Com base no marco teórico do Interacionismo Sociodiscursivo, investigamos traços do trabalho docente materializados na correção e na avaliação das produções textuais e seu(s) impacto(s) no desenvolvimento da (re)escrita discente. Os resultados obtidos sugerem que a grade de avaliação possui maior influência nas produções textuais que o trabalho de correção textual-interativa, isto é, as intervenções da professora nos textos.

Biografia do Autor

Caroline Gomes Motta, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Licenciada em Letras e Mestra em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS/Capes).

Anderson Carnin, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Doutor em Linguística Aplicada. Professor do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS).

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARBISAN, L. B. Uma proposta para o ensino da argumentação. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 42, n. 2, p. 111-138, 2007.

BARBOSA, J. P. Do professor suposto pelos PCNs ao professor real de Língua Portuguesa: são os PCNs praticáveis? In: ROJO. R. H. R. (Org.). A prática da linguagem em sala de aula: praticando os PCn’s. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2000. p. 149-181.

BARTHOLOMEU, I. C. S. Projeto didático de gênero: um estudo a partir do modelo didático de gênero e das capacidades de linguagem mobilizadas em trabalhos com cartas de reclamação. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). UFMG, Belo Horizonte, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2018.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília, DF, 1998.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. Campinas: Mercado de Letras, 2006.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: EDUC, 1999.

BRONCKART, J. P. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Campinas: Mercado de Letras, 2008.

DOLZ, J; GAGNON, R; DECÂNDIO, F. Produção escrita e dificuldades de aprendizagem. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2010.

GIERING, M. E. Orientações para o trabalho com argumentação escrita na escola numa perspectiva semiolinguística. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 39, nº 3, p. 215-225, 2003.

GUIMARÃES, A. M. M. Formação de professores: entre o acadêmico e o profissional. Palestra apresentada no 2º Encontro Procad/Casadinho UFMG-UNISINOS, Belo Horizonte, 2014.

GUIMARÃES, A. M. M.; CARNIN, A.; KERSCH, D. F. (Org.). Caminhos da construção: reflexões sobre projetos didáticos de gênero. Campinas: Mercado de Letras, 2015.

GUIMARÃES, A. M. M.; KERSCH, D. F. (Org.). Caminhos da construção: projetos didáticos de gênero na sala de aula de língua portuguesa. Campinas: Mercado de Letras, 2012.

GUIMARÃES, A. M. M.; KERSCH, D. F. (Org.). Caminhos da construção: projetos didáticos de gênero no domínio do argumentar. Campinas: Mercado de Letras, 2014.

JORDÃO, H. G.; NONATO, S. Forma escolar, trabalho docente e produção textual: novas configurações. Diálogo das Letras, Pau dos Ferros, v. 7, n. 3, p. 208 - 227, set./dez. 2018.

KLEIMAN, A. B. O processo de aculturação pela escrita: ensino da forma ou aprendizagem da função? In: KLEIMAN, A.B.; SIGNORINI, I. (Org.). O ensino e a formação do professor: alfabetização de jovens e adultos. Porto Alegre: Artmed, 2000. p. 223-243.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MALENTACHI, D. A.; MENEGASSI, R. J. A mediação do professor e a participação do aluno na produção de textos. In: Congresso Latino-Americano sobre Formação de Professores de Línguas (I CLAFPL), Anais... Universidade Federal de Santa Catarina: UFSC, 2006. p. 657-671.

MARQUES, R. G. Argumentar ou não argumentar no ensino fundamental, eis a questão! In: GUIMARÃES, A. M. M.; CARNIN, A.;

KERSCH, D. F. (Org.). Caminhos da construção: reflexões sobre projetos didáticos de gênero. Campinas: Mercado de Letras, 2015. p. 92-112.

PEREIRA, L. Á.; CARDOSO, I. (Coord.). Reflexão sobre a escrita: o ensino de diferentes géneros de textos. Aveiro: Editora da Universidade de Aveiro, 2013.

PEREIRA, M. L. S.; BEZERRA, B. O Processo de reescrita no ensino do gênero carta de reclamação. Revista Leia Escola, v. 18, p. 116-131, 2018.

REUTER, Y. Statut et usages de la notion de genre en didactique(s): retour sur quelques propositions. Pratiques, Paris, n. 157/158, p. 153-164, juin. 2013.

RIO GRANDE DO SUL. Referenciais curriculares do estado do Rio Grande do Sul: linguagens, códigos e suas tecnologias/Secretaria de Estado da Educação. Porto Alegre: SE/DP, 2009.

RUIZ, E. M. S. D. Como se corrige redação na escola. Tese (Doutorado em Linguística). UNICAMP, Campinas, 1998.

SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e Organização de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.

SUASSUNA, L. Avaliação e reescrita de textos escolares: a mediação do professor. In: ELIAS, V. M. (Org.). Ensino de língua portuguesa: oralidade, escrita, leitura. São Paulo: Contexto, 2011. p. 119-134.

TINOCO, G. A. Mundos de letramento de professores em formação no agreste rio-grandense. In: OLIVEIRA, M. S.; KLEIMAN, A. Letramentos múltiplos: agentes, práticas, representações. Natal: EDUFRN, 2008. p. 63-89.

Downloads

Publicado

2020-12-10