Concepções de alfabetização nas DCNs e na BNCC: duas linhas paralelas ou convergentes?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8420.2021e71342

Palavras-chave:

Alfabetização, DCNs, BNCC

Resumo

As mudanças que o contexto educacional vem passando historicamente aparecem na sociedade contemporânea, sobretudo, no dilema da transição dos documentos norteadores da Educação Básica e em suas concepções de ensino, de sujeito e de alfabetização. Assim, este estudo objetivou fazer uma reflexão teórica e comparativa das concepções de alfabetização no documento Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica - DCNs (BRASIL, 2013) com o que se pode encontrar no documento que entrou em vigor em 2019, a Base Nacional Comum Curricular – BNCC (BRASIL, 2019a). Para tanto, buscou-se subsídios teóricos em pesquisadores consagrados da educação, como Duarte (2001), Mortatti (2006, 2007, 2010), Sebra e Dias (2011), entre outros autores, que têm estudado os métodos de alfabetização e sua hibridização na então chamada sociedade do conhecimento.

Biografia do Autor

Eloise Andréia Dos Santos, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora efetiva da rede estadual do Paraná há dez anos, graduada em Letras Português na UNICENTRO, Guarapuava, PR (2006); especialista em Literatura e Contemporaneidade, UNICENTRO (2008) e mestranda no PROFLETRAS, UFSC/CCE, Florianópolis, SC, (2019).

Ellen Lisbôa Moreira Ribeiro, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Professoraefetivada rede municipal de Biguaçu-SC, graduada em Letras Português na UVA, Rio de
Janeiro, RJ (2006); especialista em Revisão de Texto, AVM (2016) e mestranda no PROFLETRAS,
UFSC/CCE, Florianópolis, SC, (2019).

Referências

ARAUJO, R. M. L. As referências da pedagogia das competências. Perspectiva, v.22, n.02, p.497-524, jul./dez. 2004. Disponível em m:< https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/9664/8885>. Acesso em: 24 jul. 2019.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

BARBOSA, M. V.; MULLER, Stela; MELLO, Suely Amaral. (org.) Teoria histórico-cultural: questões fundamentais para a educação escolar. Oficina Universitária. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2016.

BITTAR, M.; FERREIRA JR., A. A educação na perspectiva marxista: uma abordagem baseada em Marx e Gramsci. Interface (Botucatu), vol.12, n.26, Botucatu July/Sept. 2008. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832008000300014>. Acesso em 24 jul. 2019.

BORDIGNON, L. H. C.; PAIM, M. M. W. História e políticas públicas de alfabetização e letramento no Brasil: breves apontamentos com enfoque para o plano nacional de educação. Diálogos em Educação, Rio Grande do Sul: FURG, v. 24, n. 1. 2015. Disponível em: < https://periodicos.furg.br/momento/article/view/5038>. Acesso em: 27 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Diretoria de Currículos e Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica Educação Integral. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Diretoria de Currículos e Educação Integral. Brasília: MEC, 2019.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: nº 9394/96. Brasília: 1996.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Estabelece o Plano Nacional de Educação. Brasília, 10 jan. 2001.Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm>. Acesso em: 31 jun. 2019.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília: 25 jun. 2014. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2014/lei-13005-25-junho-2014-778970-publicacaooriginal-144468-pl.html>. Acesso em: 31 jul. 2015.

BRASIL. Resolução nº 7, de 14 de dezembro de 2010. Diretrizes Curriculares para o Ensino de 9 (nove) anos. Resolução CNE/CEB. Diário oficial da União, Brasília, 15 de dezembro de 2010.

CASTILHO, R. Direitos humanos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

DERISSO, J. L. Construtivismo, pós-modernidade e decadência ideológica. In: MARTINS, L. M.; DUARTE, N. (orgs.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas necessárias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

DUARTE, N.; Martins, L. M. As contribuições de Aleksei Nikolaevich Leontiev para o entendimento da relação entre educação e cultura em tempos de relativismo pós-moderno. EDUCAÇÃO E CULTURA: lições históricas do universo pantaneiro, 2013.

DUARTE, N. Vygotski e o “aprender a aprender”: crítica as apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vygotskiniana. 3. ed. Campinhas: Autores Associados, 2001.

FREIRE, P.; MACEDO, D. Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1994.

GONÇALVES, F. C. Alfabetização sob o olhar dos alfabetizadores: um estudo sobre essencialidades, valorações, fundamentos e ações no ensino da escrita na escola. 2011. 281f. Dissertação (Mestrado em Linguística) UFSC, Florianópolis. 2011

GONTIJO, C. M. M. O processo de apropriação da linguagem escrita em crianças na fase inicial de alfabetização escolar. 2001. 291 f. Tese (Doutorado em Educação) UNICAMP, Campinas, 2001.

GONTIJO, C. M. M. O processo de alfabetização: novas contribuições. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

LEONTIEV, A. N. Atividade, consciência y personalidad. Buenos Aires: Ciências Del Hombre, 1983.

LURIA, A. R. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VYGOTSKY, L. S. et al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone/EDUSP, 1988.

MACIEL, L. C.; LUCIO, F. I. P. (org.) Alfabetização e letramento na sala de aula. 2. ed. Belo Horizonte. Autêntica Editora: Ceale, 2009.

MARTINS, L. M. O desenvolvimento do psiquismo e a educação escolar: contribuições à luz da psicologia histórico cultural e da pedagogia histórico-crítica. Campinas: Autores Associados, 2013.

MORTATTI, M. R. L. Alfabetização no Brasil: conjecturas sobre as relações entre políticas públicas e seus sujeitos privados. Revista Brasileira de Educação, v. 15 n. 44 maio/ago. 2010, p. 329-410.

MORTATTI, M. R. L.. Histórias dos métodos de alfabetização no Brasil. Conferência proferida durante o Seminário “Alfabetização e Letramento em debate”, promovido pelo Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, realizado em Brasília, em 27/04/2006.

MORTATTI, M. R. L. Letrar é preciso, alfabetizar não basta...mais? In: SCHOLZE, L.; ROSING, T.M.K. (Org.). Teorias e práticas de letramento. Brasília: INEP; Passo Fundo; EdUOF, 2007.

OLIVEIRA, M. M. C. Concepções e fundamentos do Pacto Nacional pela Alfabetização na idade certa e seus desdobramentos na formação de alfabetizadores na perspectiva de uma alfabetização emancipatória em Xaxim/SC. Dissertação (Mestrado em Educação) Francisco Beltrão: Universidade Estadual do oeste do Paraná, 2016.

PERRENOUD, P. Construir competências desde a escola. Trad. Bruno Charles Magne. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

ROCHA, L. A.; RIBEIRO, L. M. S. Ensino fundamental de nove anos: um foco na alfabetização. Seminário Gepráxis, Vitória da Conquista – Bahia – Brasil, v. 6, n. 6, p 2404-2420, 2017.

SEBRA, A. G. S.; DIAS, N. M. Métodos de alfabetização: Delimitação de procedimentos e considerações para uma prática eficaz. Ver. Psicopedagogia, 2011, p. 306-20.

TFOUNI, L. V. Letramento e alfabetização. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. 1. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

VYGOTSKI, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas. v. III. Madrid: Visor, 2000.

Downloads

Publicado

2021-05-21