Mapeamento de atributos da criatividade em atividades brincantes para crianças de cinco a sete anos.

Maria Lúcia Vinha, João Josué Silva Filho, Juliana Lemos Pires Lanças

Resumo


O principal objetivo deste estudo foi mapear atributos da criatividade manifestados por crianças de cinco a sete anos em atividades brincantes realizadas no Programa de Erradicação do Trabalho Infantil da cidade de Jacarezinho, estado do Paraná. O estudo teve por base as pesquisas, bibliográfica e de campo, incluindo o Planejamento e a Execução das Atividades Brincantes; a Observação Participante; o Debate com as Professoras, Equipe Pedagógica e Direção do PETI; e os Registros em Diário de Campo.  As atividades foram planejadas e aplicadas para um grupo de vinte e cinco crianças de ambos os sexos no período de março a julho de 2011, totalizando trinta encontros de uma hora, cada, em duas vezes na semana. Para efeitos de sistematização, as atividades brincantes propostas e desenvolvidas foram divididas em oito Grupos. São eles: 1) Brincadeiras Cantadas, acompanhadas de Coreografias; 2) Jogos; 3) Atividades Rítmicas; 4) Imitações; 5) Composições Plásticas; 6) Ginástica; 7) Brincadeiras Antigas; 8) Contando Histórias. Nessas atividades foram destacados, atributos de criatividade, tais como: a formação de ideias ou hipóteses, o teste de hipóteses, e a comunicação dos resultados; a capacidade de ver e entender as coisas, a originalidade, a complexidade, a surpresa, a imprevisibilidade, a curiosidade, a inventividade, a imaginação, a descoberta, a exploração, a experimentação, a criação de algo novo. Também foram destacadas, características de ludicidade nas atividades desenvolvidas tais como, a situação imaginária, a imitação e as regras. Concluiu-se que as atividades brincantes são fundamentais para o desenvolvimento dessas crianças no sentido de possibilitar a ampliação da experiência pessoal. Além disso, conclui-se que a teoria de Vigotski, principalmente no que se refere à formação de conceitos, de mediação e de zona de desenvolvimento imediato, constituem-se em importantes fundamentos para abordar a relação entre criatividade e atividades brincantes.

 



Palavras-chave


Educação; criatividade; atividaes lúdicas;desenvolvimento humano. /crativity; fun activities; Human Development

Texto completo:

PDF

Referências


BARTLETT, F. Thinking. New York: Basic Books, 1958.

BERLYNE, D.E. Aesthetics and Psychobiology. New York: Appleton-Century-Crofts, 1971.

CERISARA, Ana Beatriz. De como o Papai do Céu, o Coelhinho da Páscoa, os Anjos e o Papai Noel foram viver juntos no céu! In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida. (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage Learning, 2010.

CORSARO, Willian. Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educação e Sociedade. Campinas, v. 26, n. 91, 2005.

FERREIRA, Maria Manuela Martinho. “- A gente aqui o que gosta mais é de brincar com os outros meninos!” – as crianças como atores sociais e a (re) organização social do grupo de pares no cotidiano de um Jardim de Infância. Dissertação de doutoramento em Ciências da Educação, Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação. 2002.

GUILFORD, Joy Paul. Factors That Aid and Hinder Creativity. In: GOWAN, John Curtis; DEMOS, George D.; TORRANCE, Ellis Paul et alii. Creativity: Its Educational Implications. USA: John Wiley & Sons, 1967.

MARTINDALE, Colin. Como podemos medir a criatividade de uma sociedade? In: BODEN, Margaret A. (Org.). Dimensões da criatividade. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda., 1999. p. 166-201.

PARRAT-DAYAN, Silvia. Gênio e Criatividade. In: VASCONCELOS, Mário Sérgio. (Org.). Criatividade: Psicologia, Educação e Conhecimento do novo. São Paulo: Moderna, 2001. p. 113-124.

RIBOT, Théodule Armand. Essai sur l’imagination créatice. Paris: F. Alcan, 1900.

SARMENTO, Manuel. Gerações e alteridade: interrogações a partir da Sociologia da Infância. Educação & Sociedade. (Dossiê Temático Sociologia da Infância: pesquisas com crianças). CEDES- Brasil, v. 26, n.91, p.361-273, 2005.

TORRANCE, Ellis Paul. Why Fly?: A Philosophy of Creativity. New Jersey, EUA: Ablex Publishing Corporation, 1995.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. Imaginação e criação na infância: ensaio psicológico. Apresentação e comentários de Ana Luiza Smolka. Tradução de Zoia Prestes. São Paulo: Ática, 2009.

VIGOTSKI, Lev Semenovich. A construção do pensamento e da linguagem. Tradução de Paulo Bezerra. 2. ed. 2. tiragem. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2014n29p84

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.