Infância, experiência e performatividade: primeiras aproximações

Sandro Vinicius Sales dos Santos, Isabel de Oliveira e Silva

Resumo


O presente trabalho apresenta e discute alguns resultados parciais de uma pesquisa de mestrado em andamento que objetiva analisar as experiências vivenciadas por crianças de quatro anos no interior de uma instituição pública de educação infantil. O estudo de caráter interpretativo busca suas bases teóricas na sociologia da infância e nas pedagogias da infância e da educação infantil. Do ponto de vista metodológico, a pesquisa se fundamenta em um estudo de caso (ANDRÉ, 1991; SARMENTO, 2003) assumindo uma lógica de investigação etnográfica (CASTANHEIRA, 2004; GREEN, DIXON, ZAHALIRICK, 2005), tendo como principais instrumentos de coleta de dados, a observação participante, fotografias e desenhos articulados com a oralidade; entrevista com crianças e adultos, dentre outros. Discute ainda a noção de experiência infantil como a possibilidade de análise das formas de sociabilidade das crianças.

 


Palavras-chave


infância; crianças; educação infantil; experiência infantil; ponto de vista das crianças

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli. Diferentes tipos de pesquisa qualitativa. In: ANDRÉ, Marli. ETNOGRAFIA DA PRÁTICA ESCOLAR. – campinas: Papirus, 2011- 18ª edição (série Prática Pedagogica) p.– p. 27 – 34.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. (Tradução de Sérgio Paulo Rouanet). São Paulo: Brasiliense, 2011. v. I: Magia e técnica: arte e política. 14ª reimpressão. 253 p.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. Tradução de Marcus Vinicius Mazzari. São Paulo: Summus, (coleção novas buscas em educação v. 17) 1984. 117 p.

CORSARO, Willian Arnold. A Reprodução Interpretativa no Brincar ao “Faz de Conta” das Crianças. In: Educação Sociedade & Culturas, Porto, n. 17 , 2002; p.113-134.

CORSARO, Willian Arnold. Reprodução Interpretativa e Cultura de Pares. In: MÜLLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maira Almeida (Orgs.). TEORIA E PRÁTICA NA PESQUISA COM CRIANÇAS: Diálogos com Willian Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009; (p.p. 31-50).

CORSARO, Willian Arnold. Sociologia da Infância. São Paulo: Artmed, 2011. 384 p.

DEWEY, John. EXPERIÊNCIA E EDUCAÇÃO. (Tradução de Renata Gaspar) – Petrópolis: Vozes (Coleção textos fundantes da educação) 165 p.

FARIA, Ana Lúcia G. de. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. In: Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, 2006. p. – p.279-287.

GAGNEBIM, 1994; Walter Benjamin ou a história aberta (prefácio). In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. (Tradução de Sérgio Paulo Rouanet). São Paulo: Brasiliense, 2011. v. I: Magia e técnica: arte e política. 14ª reimpressão. 253 p.

GOUVEA, Maria Cristina Soares de. Criança e a linguagem: entre palavras e coisas. In: Corrêa, H.; Martins, A.; Paiva, A.; Paulino, G. e Versiani, Z. (Orgs). Literatura: saberes em movimento. Belo Horizonte: Autêntica; 2007. p. – p. 111-136.

GOUVÊA, Maria Cristina Soares de. Infantia: ente a anterioridade e a alteridade. In: EDUCAÇÃO E REALIDADE. Porto Alegre, v. 36, n. 2, maio/ago. 2011. p. 547-567.

GREEN, Judith L.; DIXON, Carol. N.; ZAHARLICK, Amy. A Etnografia como uma Lógica de Investigação. (Trad. Adail Sebastião Rodrigues-Júnior e Maria Lúcia Castanheira. Rev. Marcos Bagno). In: Educação em Revista, , 2005. V. 42, p. – p. 13-79.

KRAMER, S. Leitura e escrita como experiência: seu papel na formação de sujeitos sociais. Presença Pedagógica. Belo Horizonte, 2000 v.6, n.31, p. – p. 17-27.

LAROSSA, Jorge. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. In: Revista Brasileira de Educação, nº 19. p. – p. 20-28.

MACHADO, Marina Marcondes. A criança é performer. In: Revista Educação & Realidade 35(2): Maio/agosto 2010. p. – p. 115-138.

MACHADO, Marina Marcondes. O IMAGINÁRIO INFANTIL COMO TRABALHO-EM-PROCESSO. In: CHILDHOOD & PHILOSOPHY, Rio de janeiro, v.6, n. 12, jul./dez. 2010 p. 281 – 295.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). PESQUISA SOCIAL: Teoria, Método e Criatividade – Petrópolis: Vozes, 1994. 80 p.

NEVES, Vanessa Ferraz de A. Gênero, sexualidade e Educação Infantil: conversando com mulheres, meninas e meninos. In: Paidéia, nº 4, Belo Horizonte, jan./jun. 2008, pp.147-163.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. Por que ouvir crianças? Algumas questões para um debate científico multidisciplinar. In: CRUZ, Silvia Helena Vieira (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2008. p. – p. 43-51.

SARMENTO, Manuel Jacinto. O Estudo de caso etnográfico em educação. In: ZAGO, N. et al. Itinerários de pesquisa: perspectivas qualitativas em sociologia da educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. – p. 137-179.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogação a partir da sociologia da infância. In: Educação e Sociedade. Campinas, vol.26,nº 91, 2005. p. – p. 361-378.

SARMENTO, Manuel Jacinto; PINTO, Manuel. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. In: CERIZARA, Ana Beatriz; SARMENTO, Manuel Jacinto. As crianças, contextos e identidades. Braga: Portugal. Universidade do Minho – Centro de Estudos da Criança. Ed. Bezerra, 1997. p. – p. 9 – 30.

SILVA, Isabel de Oliveira e; VIEIRA, Lívia Maria Fraga. EDUCAÇÃO INFANTIL NO BRASIL: direitos, finalidades e a questão dos profissionais – Belo Horizonte: FAE/UFMG, 2008. 46 p.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2014n30p31

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.