As brincadeiras entre crianças tupinambá de Olivença: tradições passadas por gerações

Gabriel Moreira Santos, Nathane Matos Almeida, Christiana Cabicieri Profice

Resumo


As brincadeiras e brinquedos foram e continuam a ser, dispositivos essenciais no processo de formação e preparação de agentes atuantes na ordenação social dos povos indígenas. Calcada em exemplos fornecidos pelos mais velhos, a epistemologia dos povos indígenas necessitava do ávido contato (muitas vezes proporcionado pelas brincadeiras) entre crianças de diferentes idades, adultos e anciãos. Nesta perspectiva, o presente estudo propõe a análise destes dispositivos no contexto da sociedade contemporânea do povo Tupinambá de Olivença (Sul da Bahia), buscando examinar em particular, o importante papel destas atividades lúdico-pedagógicas na transmissão de conhecimentos específicos acerca das relações sociais e com os espaços naturais, e a relevante função de manter e reformular tradições culturais deste grupo étnico. Do ponto de vista teórico e metodológico, fia-se em revisões bibliográficas, relatos de experiência e viagens a campo, onde os pesquisadores fizeram entrevistas e observações participativas em ambientes escolares da comunidade.


Palavras-chave


Brincadeiras; Brinquedos; Educação; Indígena; Meio-Ambiente

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Maria Regina Celestino de. Metamorfoses indígenas: identidade e cultura nas aldeias coloniais do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e Cultura. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1997.

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL (CNBB). Por uma Terra sem Males. Fraternidade e Povos Indígenas: Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2002. São Paulo: Salesiana, 2001.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CNE). “Parecer nº 03/99”, de 10/11/1999. Disponível em http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb03_99.pdf. Acesso em 06/09/2013.

FERNANDES, Florestan. "Notas sobre a educação na sociedade tupinambá". In: FERNANDES, F. A investigação etnológica no Brasil e outros ensaios. Petrópolis: Vozes, 1975, pp. 33-83.

LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil: da Baía ao Nordeste: estabelecimentos e assuntos locais. Lisboa: Portugália; Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1945. p. 216-226. (Tomo V. cap. X)

MARCIS, Teresinha. A “hecatombe de Olivença”: construção e reconstrução da identidade étnica - 1904. 2004. Dissertação de mestrado em História Social – Universidade Federal da Bahia, 2004.

MONTEIRO, John. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MONTEIRO, John. Tupis, Tapuias e historiadores: Estudos de história indígena e do indigenismo. Tese (Livre Docência). Campinas: UNICAMP, 2001.

THOMPSON, E. P. A formação da classe operária inglesa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogos Infantis: o jogo, a criança e a educação. 5 ed, Petrópoles, Rio de janeiro: Vozes, 1993.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2014n30p59

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.