Gênero na Educação Infantil: análise dos planejamentos e do PPP de um núcleo de educação infantil de Florianópolis

Autores

  • Elisabeth Schereiber Universidade Federal de Santa Catarina
  • Mareli Eliane Graupe UNIPLAC

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n35p117

Palavras-chave:

Gênero, Educação infantil, Planejamento, PPP

Resumo

Neste artigo abordam-se as relações de gênero no campo da Educação Infantil. Inicialmente, realiza-se um estudo de caráter qualitativo, mais especificamente, uma pesquisa documental e bibliográfica. Em seguida, analisam-se os planejamentos de seis grupos da pré-escola e o Projeto Político-Pedagógico (PPP) de um núcleo de educação infantil de Florianópolis para entender como a temática de gênero é contemplada nos documentos oficiais da instituição. Os dados desta pesquisa apontam que só sete planejamentos concebem a equidade de gênero, considerando-se o número total de 57 planejamentos analisados. Dessa forma, identifica-se que tanto no PPP quanto nos planejamentos há a necessidade de se reconhecer e visibilizar a figura feminina, já que nas propostas pedagógicas a figura masculina é trabalhada e segue como referência. Nesta pesquisa constata-se que, para contemplar uma educação voltada para a equidade de gênero, é importante romper com os preconceitos, os papéis de gênero, os estereótipos sexuais, as práticas discriminatórias e a heteronormatividade na educação. 

 

Biografia do Autor

Elisabeth Schereiber, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora de Educação Infantil na rede municipal de ensino de Florianópolis, com especialização em Gênero e Diversidade na Escola, pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Mareli Eliane Graupe, UNIPLAC

Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação na UNIPLAC/SC. Coordena o grupo de pesquisa Gênero, Educação e Cidadania na América Latina (GECAL/UNIPLAC). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2001), mestrado em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2004), doutorado em Educação e Cultura pela Universidade de Osnabrueck, Alemanha (2010), revalidação UFSM (2010). Pós-doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas, UFSC (2011), pós-doutorado em Antropologia Social , UFSC (2012). Tem experiência na área de educação, com ênfase em docência, atuando principalmente nos seguintes temas: gênero, diversidade, sexualidade, políticas públicas de gênero, equidade de gênero e educação, metodologia de pesquisa qualitativa e quantitativa. Pesquisadora do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS/UFSC) e do Instituto de Estudos de Gênero (IEG/UFSC).

Referências

REFERÊNCIAS

ARIÈS, P. O sentimento da Infância. In: ______. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1981.

AZEVEDO, F. et al. O Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932) e dos Educadores (1959). Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massangana, 2010.

BARBOSA, M. C. S. Práticas cotidianas na Educação Infantil: bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. Brasília, 2009. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/relat_seb_praticas_cotidianas.pdf>. Acesso: 30 out. 2016.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revistas Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, maio/ago. 2011.

BRASIL. Decreto n. 21.417, de 17 de maio de 1932. Regula as condições do trabalho das mulheres nos estabelecimentos industriais e comerciais. Brasília, 1932.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

______. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990.

______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

______. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília: MEC, 2013.

CAMPOS, C. J. G. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 57, n. 5, p. 611-614, set./out. 2004.

CAMPOS, M. M. A mulher, a criança e seus direitos. Cadernos de Pesquisa, FCC, v. 106, p. 117- 127, 1999.

CUNHA, A. E. Afeto e aprendizagem, relação de amorosidade e saber na prática pedagógica. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

FARIA, A. L. G. A contribuição dos parques infantis de Mário de Andrade para a construção de uma pedagogia da Educação Infantil. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, p. 60-91, dez. 1999.

FELIPE, J. Gênero e sexualidade nas pedagogias culturais: implicações para a Educação Infantil. In: 22a REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 1999, Caxambu, MG. Anais... Caxambu, 1999.

FINCO, D. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na Educação Infantil. Pro-Posições, Campinas, v. 14, n. 3, p. 89-101, set./dez. 2003.

______. Educação Infantil, Gênero e brincadeiras: das naturalidades às transgressões. In: 28ª REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 2005, Caxambu, MG. Anais... Caxambu, MG, 16-19 out. 2005.

______. Socialização de gênero na Educação Infantil. In: FAZENDO GÊNERO 8, Florianópolis, 2008.

______. Educação Infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças. Tese (Doutorado em Sociologia da Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FINCO, D.; VIANNA, C. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, v. 33, p. 265-283, jul./dez. 2009.

FLORIANÓPOLIS. Prefeitura Municipal de Florianópolis. Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes Educacionais Pedagógicas para a Educação Infantil. Florianópolis, SC: Prelo Gráfica & Editora Ltda., 2010.

______. Currículo da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Florianópolis, SC, 2015a. v. III.

______. Diretrizes Curriculares para a Educação Básica da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Florianópolis, SC, 2015b.

______. Projeto Político-Pedagógico NEI Campeche. Florianópolis, 2016.

FRANCO, P. V.; CERVERA, J. P. Manual para o uso não sexista da linguagem. Observatório de Gênero, 2006. Disponível em: <http://www.observatoriodegenero.gov.br/menu/publicacoes/outros-artigos-e-publicacoes/manual-para-o-uso-nao-sexista-da-linguagem>. Acesso em: 27 out. 2016.

GROSSI, M. P. Identidade de gênero e sexualidade. Estudos de Gênero, Goiânia, v. 9, p. 29-46, 2000. Cadernos de Área 9.

GUIZZO, B. S.; FELIPE, J. Legislação e políticas públicas para a Educação Infantil: articulações com a formação docente. RBPAE, v. 28, n. 3, p. 629-643, set./dez. 2012.

KISHIMOTO, T. M. À pré-escola em São Paulo (1877 a 1940). São Paulo: Loyola, 1988.

______; SANTOS, M. W. dos. A Educação Infantil em São Paulo entre 1920 e 1940: um estudo de caso sobre a professora Alice Meirelles Reis. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.

KRAMER, S. O papel social da Educação Infantil. Brasília, 1996. Disponível em: <http://www.dc.itamaraty.gov.br/imagens-e-textos/revista-textos-do-brasil/portugues/revista7-mat8.pdf>. Acesso em: 19 nov. 2016.

______; LEITE, M. I. (Org.). Infância: os desafios da pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1996.

LOURO, G. L. Produzindo sujeitos masculinos e cristãos. In: VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Crítica pós-estruturalista e educação. Porto Alegre: Sulina, 1995. p. 83-107.

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

______; FELIPE, J.; GOELLNE, S. V. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MARIANO, A. B. P. As mudanças no modelo familiar tradicional e o afeto como pilar de sustentação destas novas entidades familiares. UniBrasil, 2009. Disponível em: <http://www.unibrasil.com.br/arquivos/direito/20092/ana-beatriz-parana-mariano.pdf>. Acesso em: 27 out. 2016.

MONN, C. Entre memória e história: estudos sobre a infância em Walter Benjamin. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

NASCIMENTO, M. L. O processo constituinte de 1987/1988 e a participação da sociedade na elaboração do texto constitucional: uma conquista de direitos fundamentais. Conteúdo Jurídico, 2013. Disponível em: <http://www.conteudojuridico.com.br/artigo,o-processo-constituinte-de-19871988-e-a-participacao-da-sociedade-na-elaboracao-do-texto-constitucional-uma-co,45381.html#_ftn2>. Acesso em: 16 out. 2016.

NUNES, C.; SILVA, E. A educação sexual da criança: polêmicas do nosso tempo. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

PIOVESAN, F. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 8. ed. rev. amp. e atual. São Paulo: Saraiva, 2007.

PORTILHO, E. M. L.; TOSATTO, C. C. A criança e o brincar como experiência cultural. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 43, p. 737-758, set./dez. 2014.

RUA, M. das G. As políticas públicas e a juventude dos anos 90. In: CNPD, 1998, Brasília. v. 2. p. 731-752.

SABAT, R. Pedagogia cultural, gênero e sexualidade. Revista Estudos Feministas, ano 25, n. 2, p. 9-21, 2001.

SANTA CATARINA. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Educação. Proposta Curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. Santa Catarina, 2014.

SANTOS, S. V. S. dos. Walter Benjamin e a experiência infantil: contribuições para a Educação Infantil. Pro-Posições, v. 26, n. 2, p. 223-239, maio/ago. 2015.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 31. ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

SCOTT, J. W. Preface a gender and politics of history. Cadernos Pagu, Campinas, v. 3, p. 11-27, 1994.

SOUZA, C. Introdução a políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006.

VASCONCELLOS, C. S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 5. ed. São Paulo: Libertad, 2004.

VIEIRA, S. da R. Uma reflexão acerca do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. In: VII SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS: HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL, 2006, Campinas. v. 1. p. 1-14.

WETTER, W.; PAZ, C. D. Gênero, raça e sexualidade, nas políticas educacionais: avanços e desafios. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO E II CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25., 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: ANPAE, 2011.

Downloads

Publicado

2017-05-29