Gênero na Educação Infantil: análise dos planejamentos e do PPP de um núcleo de educação infantil de Florianópolis

Elisabeth Schereiber, Mareli Eliane Graupe

Resumo


Neste artigo abordam-se as relações de gênero no campo da Educação Infantil. Inicialmente, realiza-se um estudo de caráter qualitativo, mais especificamente, uma pesquisa documental e bibliográfica. Em seguida, analisam-se os planejamentos de seis grupos da pré-escola e o Projeto Político-Pedagógico (PPP) de um núcleo de educação infantil de Florianópolis para entender como a temática de gênero é contemplada nos documentos oficiais da instituição. Os dados desta pesquisa apontam que só sete planejamentos concebem a equidade de gênero, considerando-se o número total de 57 planejamentos analisados. Dessa forma, identifica-se que tanto no PPP quanto nos planejamentos há a necessidade de se reconhecer e visibilizar a figura feminina, já que nas propostas pedagógicas a figura masculina é trabalhada e segue como referência. Nesta pesquisa constata-se que, para contemplar uma educação voltada para a equidade de gênero, é importante romper com os preconceitos, os papéis de gênero, os estereótipos sexuais, as práticas discriminatórias e a heteronormatividade na educação. 

 


Palavras-chave


Gênero; Educação infantil; Planejamento; PPP

Texto completo:

PDF/A

Referências


REFERÊNCIAS

ARIÈS, P. O sentimento da Infância. In: ______. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1981.

AZEVEDO, F. et al. O Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932) e dos Educadores (1959). Recife: Fundação Joaquim Nabuco; Editora Massangana, 2010.

BARBOSA, M. C. S. Práticas cotidianas na Educação Infantil: bases para a reflexão sobre as orientações curriculares. Brasília, 2009. Disponível em: . Acesso: 30 out. 2016.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revistas Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 549-559, maio/ago. 2011.

BRASIL. Decreto n. 21.417, de 17 de maio de 1932. Regula as condições do trabalho das mulheres nos estabelecimentos industriais e comerciais. Brasília, 1932.

______. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

______. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre a proteção integral à criança e ao adolescente. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, 1990.

______. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

______. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1997.

______. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

______. Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Brasília: MEC, 2013.

CAMPOS, C. J. G. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 57, n. 5, p. 611-614, set./out. 2004.

CAMPOS, M. M. A mulher, a criança e seus direitos. Cadernos de Pesquisa, FCC, v. 106, p. 117- 127, 1999.

CUNHA, A. E. Afeto e aprendizagem, relação de amorosidade e saber na prática pedagógica. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

FARIA, A. L. G. A contribuição dos parques infantis de Mário de Andrade para a construção de uma pedagogia da Educação Infantil. Revista Educação & Sociedade, Campinas, v. 20, p. 60-91, dez. 1999.

FELIPE, J. Gênero e sexualidade nas pedagogias culturais: implicações para a Educação Infantil. In: 22a REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 1999, Caxambu, MG. Anais... Caxambu, 1999.

FINCO, D. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na Educação Infantil. Pro-Posições, Campinas, v. 14, n. 3, p. 89-101, set./dez. 2003.

______. Educação Infantil, Gênero e brincadeiras: das naturalidades às transgressões. In: 28ª REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 2005, Caxambu, MG. Anais... Caxambu, MG, 16-19 out. 2005.

______. Socialização de gênero na Educação Infantil. In: FAZENDO GÊNERO 8, Florianópolis, 2008.

______. Educação Infantil, espaços de confronto e convívio com as diferenças. Tese (Doutorado em Sociologia da Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FINCO, D.; VIANNA, C. Meninas e meninos na Educação Infantil: uma questão de gênero e poder. Cadernos Pagu, v. 33, p. 265-283, jul./dez. 2009.

FLORIANÓPOLIS. Prefeitura Municipal de Florianópolis. Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes Educacionais Pedagógicas para a Educação Infantil. Florianópolis, SC: Prelo Gráfica & Editora Ltda., 2010.

______. Currículo da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Florianópolis, SC, 2015a. v. III.

______. Diretrizes Curriculares para a Educação Básica da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Florianópolis, SC, 2015b.

______. Projeto Político-Pedagógico NEI Campeche. Florianópolis, 2016.

FRANCO, P. V.; CERVERA, J. P. Manual para o uso não sexista da linguagem. Observatório de Gênero, 2006. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.

GROSSI, M. P. Identidade de gênero e sexualidade. Estudos de Gênero, Goiânia, v. 9, p. 29-46, 2000. Cadernos de Área 9.

GUIZZO, B. S.; FELIPE, J. Legislação e políticas públicas para a Educação Infantil: articulações com a formação docente. RBPAE, v. 28, n. 3, p. 629-643, set./dez. 2012.

KISHIMOTO, T. M. À pré-escola em São Paulo (1877 a 1940). São Paulo: Loyola, 1988.

______; SANTOS, M. W. dos. A Educação Infantil em São Paulo entre 1920 e 1940: um estudo de caso sobre a professora Alice Meirelles Reis. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2009.

KRAMER, S. O papel social da Educação Infantil. Brasília, 1996. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.

______; LEITE, M. I. (Org.). Infância: os desafios da pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1996.

LOURO, G. L. Produzindo sujeitos masculinos e cristãos. In: VEIGA-NETO, Alfredo (Org.). Crítica pós-estruturalista e educação. Porto Alegre: Sulina, 1995. p. 83-107.

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

______; FELIPE, J.; GOELLNE, S. V. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

MARIANO, A. B. P. As mudanças no modelo familiar tradicional e o afeto como pilar de sustentação destas novas entidades familiares. UniBrasil, 2009. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2016.

MONN, C. Entre memória e história: estudos sobre a infância em Walter Benjamin. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

NASCIMENTO, M. L. O processo constituinte de 1987/1988 e a participação da sociedade na elaboração do texto constitucional: uma conquista de direitos fundamentais. Conteúdo Jurídico, 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2016.

NUNES, C.; SILVA, E. A educação sexual da criança: polêmicas do nosso tempo. Campinas, SP: Autores Associados, 2000.

PIOVESAN, F. Direitos Humanos e o Direito Constitucional Internacional. 8. ed. rev. amp. e atual. São Paulo: Saraiva, 2007.

PORTILHO, E. M. L.; TOSATTO, C. C. A criança e o brincar como experiência cultural. Rev. Diálogo Educ., Curitiba, v. 14, n. 43, p. 737-758, set./dez. 2014.

RUA, M. das G. As políticas públicas e a juventude dos anos 90. In: CNPD, 1998, Brasília. v. 2. p. 731-752.

SABAT, R. Pedagogia cultural, gênero e sexualidade. Revista Estudos Feministas, ano 25, n. 2, p. 9-21, 2001.

SANTA CATARINA. Governo do Estado. Secretaria de Estado da Educação. Proposta Curricular de Santa Catarina: formação integral na educação básica. Santa Catarina, 2014.

SANTOS, S. V. S. dos. Walter Benjamin e a experiência infantil: contribuições para a Educação Infantil. Pro-Posições, v. 26, n. 2, p. 223-239, maio/ago. 2015.

SAVIANI, D. Escola e democracia. 31. ed. Campinas: Autores Associados, 1997.

SCOTT, J. W. Preface a gender and politics of history. Cadernos Pagu, Campinas, v. 3, p. 11-27, 1994.

SOUZA, C. Introdução a políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, p. 20-45, jul./dez. 2006.

VASCONCELLOS, C. S. Coordenação do trabalho pedagógico: do projeto político-pedagógico ao cotidiano da sala de aula. 5. ed. São Paulo: Libertad, 2004.

VIEIRA, S. da R. Uma reflexão acerca do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. In: VII SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS: HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL, 2006, Campinas. v. 1. p. 1-14.

WETTER, W.; PAZ, C. D. Gênero, raça e sexualidade, nas políticas educacionais: avanços e desafios. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO E II CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25., 2011, São Paulo. Anais... São Paulo: ANPAE, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n35p117

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.