Sobre a organização curricular da Educação Infantil: conversas com professoras a partir das Diretrizes Curriculares Nacionais

Autores

  • Luciana Esmeralda Ostetto UFF

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n35p46

Palavras-chave:

Projeto político pedagógico, Linguagens expressivas, Formação de professores, Educação estética.

Resumo

O artigo, produzido no contexto do diálogo com professoras que participavam de um curso de extensão na Universidade Federal de Alagoas, propõe uma reflexão sobre a organização curricular da Educação Infantil, no contexto das Diretrizes Curriculares Nacionais, analisando pressupostos e identificando bases para sua implementação. Delineando compreensões e consequências sobre os princípios éticos, políticos e estéticos anunciados no documento de 2009, destaca a importância da construção do Projeto Político Pedagógico (proposta pedagógica) nas instituições de Educação Infantil. Também levanta possibilidades para as linguagens expressivas no cotidiano educativo, ao traçar sentidos e significados sobre os eixos norteadores do currículo. Por fim, a necessária ampliação da sensibilidade de professoras e professores – no resgate da sua brincadeira, da sua expressão, das suas linguagens, do seu encantamento – é ressaltada como fundamental para que qualquer proposta de Educação Infantil conquiste êxito na qualidade socialmente referenciada do atendimento às crianças de zero a cinco anos.

Biografia do Autor

Luciana Esmeralda Ostetto, UFF

Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense; atua na graduação e na pós-graduação (mestrado e doutorado). Possui doutorado pela Unicamp.

Referências

ALBANO, A. A. O espaço do desenho: a educação do educador. 9ª ed. São Paulo: Loyola. 2002.

ALBANO. A. A. O atelier e a caixa de Pandora. Revista Projeto Sementinha. Prefeitura Municipal de Santo André – SP, 2006, p.16-18.

ALBANO, A. A. Pensando as artes visuais na educação. In: GONÇALVES, T. F.; DIAS, A. R. Entre linhas, formas e cores: arte na escola. Campinas –SP:Papirus, 2010 (p.49-63).

BORBA, A. M. O brincar como um modo de ser e estar no mundo. In: BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Brasília:FNDE, Estação Gráfica, 2006 (p.33-45).

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília:MEC/SEB, 2010.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9.394, 1996.

BROUGÈRE, G. Brinquedo e Cultura. São Paulo: Cortez, 1995.

CUNHA, S. R. V. da. Um pouco além das decorações das salas de aula. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 13, nº. 1, p. 133-149, jan./jun. 2005.

MALAGUZZI, L. Ao contrário, as cem existem. EDWARDS, C. et al. As cem linguagens da criança; a abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

FARIA, V. e SALLES, F. Currículo na educação infantil: diálogos com os demais elementos da proposta pedagógica. São Paulo: Scipione, 2010 (p. 19-42).

FERREIRA, P. N. O espírito das coisas: desenho, assemblages e brincadeiras na educação infantil. Maceió:EDUFAL, 2013.

FREIRE, M. A paixão de conhecer o mundo. Rio de Janeiro:Paz e Terra,1983.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia; saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro:Paz e Terra, 2011.

FREIRE, P. Cartas a Cristina; reflexões sobre minha vida e minha práxis. Rio de Janeiro:Paz e Terra, 2013. 3ª. ed.

HOLM, A. M. Baby-art: os primeiros passos com a arte. São Paulo/SP: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2007.

HORTÉLIO, L. É preciso brincar para afirmar a vida. In: Almanaque de cultura popular – Revista de bordo da TAM, nº. 114, outubro/2008 (p.23-25).

KAMII, C. A autonomia como finalidade da educação: implicação da teoria de Piaget. In: KAMII, C. A criança e o número. Campinas, SP:Papirus, 1990. Apêndice (p. 103-124).

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. São Paulo: Pioneira, 1994.

OSTETTO, L. E. Entre a prosa e a poesia: fazeres, saberes e conhecimento na educação infantil. In: PILLOTTO, S. S. D. (Org.). Linguagens da arte na infância. Joinville,SC:Univille, 2007. (p. 29-45).

OSTETTO, L. E. ; LEITE, M. I. Arte, infância e formação de professores: autoria e transgressão. Campinas-SP:Papirus, 2004.

OSTETTO, L. E. O planejamento pedagógico na educação infantil: mais que a atividade, a criança em foco. In: OSTETTO, L. E. (Org.) Encontros e encantamentos na educação infantil. Campinas-SP:Papirus, 2000, p. 175-200.

RINALDI, C. Diálogos com Reggio Emilia; escutar, investigar e aprender. São Paulo:Paz e Terra, 2012.

VECCHI, V. Arte y creatividad en Reggio Emilia; el papel de los talleres y sus possibilidades en educación infantil. Madrid: Ediciones Morata, 2013.

VEIGA, I. P. A. (Org.). Projeto político-pedagógico na escola: uma construção possível. Campinas-SP: Papirus, 2010, p.11-35. 28ª ed.

WAJSKOP, G. Brincar na pré-escola. São Paulo: Cortez, 1995.

Downloads

Publicado

2017-05-29

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua