A emergência da criança como sujeito de direitos na educação infantil

Autores

  • Ana Katia Alves Santos Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p223

Palavras-chave:

Criança como sujeito de direitos, Educação infantil, Formação de professores

Resumo

O presente texto objetiva apresentar as reflexões sistematizadas pós realização de curso de extensão (ACCS - Atividade Curricular em Comunidade e Sociedade) de nome  'Infância e Juventude: Ética da preservação humana, cidadania e educação no século XXI com código EDCH 072, na Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia, bem como contou com a contribuição atualizada, de professores em formação no componente curricular de código EDC308 de temática relacional. O eixo central é a emergência da Criança como Sujeito de Direitos na Educação Infantil a partir do reconhecimento da necessidade de implantação efetiva do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e outros instrumentos legais relativos a garantia de direito ao grupo infantil. Na busca por aprofundamento, e alcance de respostas, a metodologia fundante é de natureza qualitativa com técnica grupo focal. A base teórica se sustenta em RAYO (2004 ), SANTOS (2006), MARCÍLIO (1998), JARES (2002) dentre outros.

Biografia do Autor

Ana Katia Alves Santos, Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

É doutora e mestra em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde atualmente é pesquisadora da Pós-graduação no Mestrado Profissional em Educação (FACED/UFBA). Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Católica de Salvador (UCSal).

Referências

ANDRÉ, Marli. Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus, 2005.

Brasil, 1979. Lei 6697de 10 de outubro de 1979. In: https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/128333/lei-6697-79 (Acesso: 15/10/2016).

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil / Secretaria de Educação Básica. – Brasília : MEC, SEB, 2010.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Referencial curricular nacional para a educação infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998.

Brasil. (1990). Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Brasília.

DIDONET, Vital et al. Educação infantil no Brasil: primeira etapa da educação básica. Brasília : UNESCO, Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica, Fundação Orsa, 2011.

GUIMARÃES, Marcelo R (2005). Educação para a Paz: Sentidos e dilemas. Caxias do Sul, RS: Educs.

JARES, Xésus R (2002). Educação para a paz: Sua teoria e sua prática. Tradução Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed.

LUCY, Viviane Moretto da Silva et al. Educação Infantil: Da visão assistencialista à educacional. Interfaces da Educ., Paranaíba, v.2, n.6, p.86-94, 2012. ISSN2177-769.

MARCÍLIO, Maria Luiza. A lenta construção dos direitos da criança brasileira. São Paulo: Revista da USP,1998.

NUCCI, Guilherme. Estatuto da criança e do adolescente comentado. Brasília: Editora Forense, 2014.

MARQUES, Circe Mara e WACHS, Manfredo Carlos. Paz e Educação Infantil. Escutando a voz das crianças. São Paulo: Paulinas, 2015.

RAYO, José Tuvilla (2004). Educação em Direitos Humanos. Rumo a uma perspectiva Global.Porto Alegre: Artmed.

ROCHA, Ruth. Os direitos das crianças segundo Ruth Rocha. 2 ed. São Paulo: Salamandra, 2014.

SANTOS, Ana Katia Alves dos. Infância Afrodescendente: Epistemologia crítica no ensino fundamental. Salvador: Edufba, 2006.

SIROTA, Régine. Da Sociologia da Educação à Sociologia da Infância. Entrevista via Universidade Paris Decartes-Sorbonne. In: Atos de Pesquisa em Educação. PPGE/ME FURB. V. 6. N. 3. p. 562-571.set/dez 2011.

________. Emergência de uma sociologia da infância: evolução do objeto e do olhar. In: Cadernos de Pesquisa. São Paulo, nº 112, março, 2001 P 7-31.

Downloads

Publicado

2017-12-18