A relação entre creche e família: entraves que permanecem há décadas

Telma Vitoria

Resumo


O texto apresenta os principais resultados de uma pesquisa realizada em 1997 que nunca foi publicada. Como a proposta do dossiê é revisitar a história das lutas pelas creches e pela educação infantil no Brasil, constatamos que a discussão aqui apresentada permanence atual e, por isso, pode contribuir para o registro histórico e assim colaborar para a compreensão dos tempos atuais. O recorte temático focaliza a relação entre as creches e as famílias atendidas, mostrando que algumas problemáticas dessa relação identificadas trinta anos atrás ainda podem ser observadas no cotidiano das creches. As discussões apoiam-se em pressupostos teóricos sociointeracionistas construtivistas para interpretações sobre o desenvolvimento humano diante das relações entre profissionais e familiares, com seus reflexos sobre as crianças pequenas, e sobre o papel das creches em um contexto social mais amplo.

Palavras-chave


Creche; Relação creche-família; Teorias sociointeracionistas construtivistas; Representações sociais

Texto completo:

PDF/A

Referências


AINSWORTH, M.D.S., BLEHAR, M.C., WATERS, E. & WALL, S. Patterns of attachment: a psychological study of the strange situation. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1978.

ANDERSON, P. A crise da crise do marxismo - Introdução a um debate contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1989, 3a. edição.

ARIES, P. História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro: Zahar, 1968.

BADINTER, Elizabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985, 4a. edição.

BERGER, P.I. & LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Rio de Janeiro: Vozes, 1994, 11a. edição

BONDIOLI, Anna O projeto pedagógico da creche e a sua avaliação: a qualidade negociada. Campinas: Autores associados, 2004.

BRASIL. Constituição Nacional. Brasília: Congresso Nacional, 1988.

________ Por uma política de formação do profissional de educação infantil. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 1994.

________ Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Congresso Nacional, 1996.

________ Indicadores de qualidade para a educação infantil. Brasília: MEC / SEF / COEDI, 2009.

BRONFENBRENNER, Urie A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

CAMPOS, M.M.; GROSBAUM, M.W.; PAHIM, R. & ROSEMBERG, F. Profissionais de Creche. Cadernos CEDES, No. 9, Cortez, 1987, p. 39-66.

CAMPOS, M.M. & ROSEMBERG, F. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 1995.

CARVALHO, M. P. & VIANNA, C.P. Educadoras e Mães de alunos: um (des)encontro. In: BRUSCHINI, C & SORJ, B. (orgs.) Novos olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil. São Paulo: Marco Zero, 1994, p. 133-158.

CARVALHO, Ana Maria A.; PEDROSA, Maria Isabel; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Aprendendo com a criança de zero a seis anos. São Paulo: Cortez, 2012.

CRUZ, Silvia Helena V. A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. São Paulo: Cortez, 2009.

DANTAS, H. (1992) A Afetividade e a Construção do Sujeito na Psicogenética de Wallon. In: DE LA TAILLE, Yves.; OLIVEIRA, Marta K. & DANTAS, Heloisa. Piaget, Vygotsky, Wallon - teorias psicogenéticas em discussão. São Paulo: Summus, 1992.

FLEURY, M.G. (1994) Há uma criança dentro da professora? In: OLIVEIRA, Z.M.R. (org.) Educação Infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, 1994, p. 131-158.

FOX, N. & FEIN, G.G. (eds.) Infant day care: the current debate. Norwood, New Jersey: Ablex Publishing Corporation, 1990.

GALVÃO, Izabel Cenas do cotidiano escolar – conflito sim, violência não. Petrópolis: Vozes, 2004.

HADDAD, Lenira. A Relação Creche-Família: Relato de uma Experiência. Cadernos de Pesquisa, No. 70, São Paulo. 1987, p. 70-78.

HADDAD, Lenira A creche em busca de identidade. São Paulo: Loyola, 2016, 2a. ed.

KUHLMANN JR., Moyses. Instituições pré-escolares assistencialistas no Brasil (1899 - 1922), Cadernos de Pesquisa, No. 78, São Paulo. 1991, p. 17 - 26.

MELHUISH, E.C. Cross-national Comparison and the Interpretation of Day Care Effects. In: MELHUISH, E.C. & WOLKE, D. (eds.) Journal of reproductive and infant psychology - special issue on international perspectives on day care for young children, No. 9 (2/3), 1991, p. 63-65.

MELLO, Ana Maria & CODO, Wanderley. Repensando as relações creche-família. In: CODO, Wanderley (Org.) Sofrimento psíquico nas organizações. Petrópolis: Vozes, 1995.

MOSCOVICI, Serge. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

MOSCOVICI, Serge Notes towards a description of social representations, European Journal of Social Psychology, Vol.18, 1988, pp. 211-250.

OLIVEIRA, Zilma M.R. & ROSSETTI FERREIRA, Maria Clotilde. O valor da interação criança-criança em creches no desenvolvimento infantil. Cadernos de Pesquisa, No. 87, São Paulo. 1993, p. 62-70.

OLIVEIRA, Zilma M.R. (org.) Educação infantil: muitos olhares. São Paulo: Cortez, 1994.

OLIVEIRA, Zilma M. R. Jogo de papéis – um olhar para as brincadeiras infantis. São Paulo: Cortez, 2011.

ROSEMBERG, Fulvia. Mãe que é mãe deixa seu filho em creche? Psicologia, No. 30, São Paulo, 1982, p. 38-42.

ROSEMBERG, Fulvia. 0 a 6: Desencontro de estatísticas e atendimento. Cadernos de Pesquisa, No. 71, São Paulo. 1989a, p. 36-48.

ROSEMBERG, Fulvia O movimento de mulheres e a abertura política no Brasil: o caso da creche. In: ROSEMBERG, Fulvia (Org.) Creche, São Paulo: Cortez, 1989b, p. 90-103.

ROSSETTI FERREIRA, Maria Clotilde; AMORIM, Kátia S.; SILVA, Ana Paula S.; CARVALHO, Ana Maria A. (Orgs.) Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004.

RUBINO, Rejane. Representando o interlocutor no período pré-linguístico. Dissertação (Mestrado em linguística), Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 1989.

SPINK, Mary Jane P. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das Representações Sociais. In: JOVCHELOVITCH, S. & GUARESCHI, P. (orgs.) Textos em Representações Sociais. Rio de Janeiro: Vozes, 1994, p. 117-148.

SPODEK, B., Early Childhood Teacher Training: Linking Theory and Pratice. In: KAGAN, S.L. The care and education of America's young children: obsttacles and opportunities, Chicago Press, 1991.

VALSINER, Jaan. Culture and development of children's action: a cultural historical theory of development psychology. New York: John Wiley of Sons, 1987.

VITORIA, Telma. Representações sociais das educadoras sobre as mães e famílias das creches. Dissertação (Mestrado em Saúde Mental), Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1997.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

WEREBE, M.J.G. & NADEL-BRULFERT, J. (orgs.) Psicologia - Henri Wallon. São Paulo: Ática, 1986.

ZABALA, A. A prática educativa. Como ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

ZABALZA, Miguel Qualidade em educação infantil. Porto Alegre: Artes Médicas




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p308

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.