Mudanças e persistências na formação para docência em creches e pré-escolas

Sílvia Adriana Rodrigues

Resumo


As reflexões trazidas no presente artigo têm como intento se unir ao debate sobre identidade e profissionalidade dos docentes da educação infantil, tendo como pressuposto que embora a Educação Infantil tenha sido reconhecida como parte da educação básica e diretrizes político-pedagógicas já foram elaboradas considerando a especificidade desse nível de ensino, o cotidiano em que tais proposições deveriam ganhar materialidade, em alguns contextos, ainda não reflete estes avanços, em grande medida, porque ainda persistem percepções equivocadas do que é ser professor de crianças pequenas. Dessa forma, são aqui retomadas algumas discussões sobre crenças e valores que foram sendo associados sóciohistoricamente à profissão que se ocupa de educar e cuidar crianças pequenas e que ainda muito interferem no que se entende sobre ser e estar na docência na Educação Infantil; tal esforço se dá no sentido de contribuir para o necessário movimento de reelaboração do imaginário social e reconhecimento desta como atividade profissional qualificada.


Palavras-chave


Docência na educação infantil; Formação profissional; Identidade profissional

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMORIM, A. L. N.; DIAS, A. A. Formação do professor de educação infantil: políticas e processos. Revista Educação. PUC-Campinas, Campinas, n. 18, v. 1, p. 37-45, jan./abr., 2013. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/1896/1724. Acesso em: 15 ago. 2014.

ANGOTTI, M. Educação Infantil: para que, para quem e por quê. In: ANGOTTI, M. (Org.). Educação Infantil: para que, para quem e por quê? Campinas: Alínea, 2006. p. 15-32.

AQUINO, L. L. Professor de educação infantil. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM. Disponível em: http://www.gestrado.org/?pg=dicionario-verbetes&id=338. Acesso em: 08 de mai. 2015.

BARBOSA, I. G. O Proinfantil e a formação do professor. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n. 9, p. 385-399, jul./dez. 2011. Disponível em: http://esforce.org.br/index.php/semestral/article/viewFile/20/181. Acesso em: 11 mai. 2014.

BARRETO, A. M. R. F. Por que e para que uma política de formação do profissional de educação infantil? In: BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Por uma política de formação do profissional de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 1994. p. 11-15.

BONDIOLI, A.; MANTOVANI, S. Manual de educação infantil de 0 a 3 anos – uma abordagem reflexiva. Trad. Rosana Severiano Di Leone e Alba Olmi. Porto Alegre: Artmed, 1998.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 18 fev. 2009.

BRASIL, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Por uma política de formação do profissional de Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF/COEDI, 1994.

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 18 fev. 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº. 01/2006. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 11 maio 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEB, 2010.

CAMPOS, M. M. A formação de professores para crianças de 0 a 10 anos: modelos em debate. Educação e Sociedade, v. 20, n. 68, p. 126-142, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v20n68/a07v2068.pdf. Acesso em: 5 fev. 2009.

CAMPOS, M. M.; ROSEMBERG, F. VIANA, C. P. A formação do educador de creche: sugestões e propostas curriculares. São Paulo: Fundação Carlos Chagas, 1992.

CERISARA, A. B. Professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, 2002.

CORRÊA, C. P. Q.; FERNANDES, M. M. S. Formação docente na educação infantil: desafios contemporâneos para a formação permanente. Zero-a-seis, Florianópolis, v. 16, n. 30 p. 275-289, jul.-dez., 2014.

CRAIDY, C. A formação de educadores para a educação infantil: exigências, desafios e realidade. [20--.] Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:atqk_lKeBzQJ:www.grupos.com.br/group/ped430/Messages.html%3Faction%3Ddownload%26year%3D08%26month%3D6%26id%3D1212582966947619%26attach%3Dleitura%2520complementar%2520-%2520Carmem%2520Craidy.pdf+&cd=2&hl=pt-PT&ct=clnk&gl=br. Acesso em 13 set. 2005.

CUNHA, B. B. B.; CARVALHO, L. F. Cuidar de crianças em creches: os conflitos e os desafios de uma profissão em construção. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED. 25, 2002, Caxambu. Anais... Caxambu: Anped, 2002. Disponível em: http://25reuniao.anped.org.br/tp25.htm#gt7. Acesso em: Acesso em: 15 abr. 2006.

FREIRE, P. Política e educação. São Paulo: Cortez, 1993a.

FREIRE, P. Professora sim, tia não. Cartas para quem ousa ensinar. São Paulo: Olho dágua, 1993b.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 44. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GARCIA, M. M. Identidade docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM. Disponível em: http://www.gestrado.org/?pg=dicionario-verbetes&id=46. Acesso em: 08 de mai. 2015.

GATTI, B. A. Os professores e suas identidades: o desvelamento da heterogeneidade. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas: São Paulo, n. 98, p. 85-90, ago./1996.

GOMES, M. O. Formação de professores na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 2009.

GUIMARAES, C. M. et al. O que revelam os estudos brasileiros sobre as práticas de formação de professores para Educação Infantil. In: CONGRESO NACIONAL DE EDUCAÇÃO – EDUCERE. 7, 2009, Curitiba. Anais... Curitiba: PUC/PR, 2009. p. 2.643-2.656.

GUIMARÃES, C. M.; GARMS, G. M. Z. Currículo para a educação e o cuidado da criança de 0 a 5 anos? Revista Educação, PUC-Campinas, Campinas, n. 18, v. 1, p. 19-35, jan./abr., 2013. Disponível em: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/view/1895/1723. Acesso em: 10 jan. 2015.

HADDAD, L. Profissionalismo na educação infantil: perspectivas internacionais. Revista Educação Pública, Cuiabá, v. 22, n. 49/1, p. 341-359, maio/ago. 2013.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

KISHIMOTO, T. M. O sentido da profissionalidade para o educador da infância. In: BARBOSA, R. L. L. (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: UNESP, 2004. p. 329-345.

KRAMER, S. Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005a.

KRAMER, S. Aprendendo com criança a mudar a realidade. Revista Criança, n. 39, p. 5-8, 2005b.

LANTER, A. P. A política de formação do profissional de educação infantil: os anos 90 e as diretrizes do MEC diante da questão. In: KRAMER, S. et al. (Org.). Infância e Educação Infantil. Campinas: Papirus, 1999. p. 131-158.

LOURO, G. L. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997. Disponível em: https://pt.scribd.com/doc/19022210/Mulheres-na-Sala-de-Aula#scribd. Acesso em 15 maio 2015.

LUDKE, M.; BOING, L.A. Profissionalidade docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM. Disponível em: http://www.gestrado.org/?pg=dicionario-verbetes&id=345. Acesso em: 08 maio 2015.

MACHADO, M. L. Criança pequena, educação infantil e formação dos profissionais. Perspectiva. Revista do Centro de Ciências da Educação, Florianópolis, v. 1, n. especial, p. 85-98, jul./dez. 1999.

MANTOVANI, S.; PERANI, R. M. Uma profissão a ser inventada: o educador da primeira infância. Pro-posições, Campinas, v. 10, n. 1, p. 75-98, mar., 1999. Disponível em: http://www.proposicoes.fe.unicamp.br/proposicoes/textos/28-artigos-mantovanis_etal.pdf. Acesso em: 15 mar. 2010.

MICARELLO, H. Formação de profissionais da Educação Infantil: “sair da teoria e entrar na prática?”. In: KRAMER, S. Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005. p. 140-155.

NASCIMENTO, M. E. P. Os profissionais da Educação Infantil e a nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. In: FARIA, A. L. G.; PALHARES, M. S. (Org.). Educação Infantil pós-LDB: rumos e desafios. Campinas: Autores Associados, 1999. p. 99-110.

NOGUEIRA, R, M. S. O trabalho do professor de Educação Infantil. Educação e Fronteiras, Dourados, v. 2, n. 4, p. 95-112, jul./dez. 2008.

NÓVOA, A. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e a profissão. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p.15-33.

OLIVEIRA, Z. M. R. Educação Infantil: fundamentos e métodos. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2007a.

OLIVEIRA, Z. M. R. Como definir uma pedagogia que oriente o trabalho em creche. Revista Pátio Educação Infantil, ano V, n. 13, p. 14-16, mar./jul. 2007b.

OLIVEIRA, Z. M. R.; FERREIRA, M. V.; BARROS, J. A. B. Formação continuada em educação infantil: a construção de uma agenda de possibilidades. In: GUIMARAES, C. M.; REIS, P. G. R. (Org.). Professores e infâncias: estudos e experiências. Araraquara: Junqueira e Marin, 2011. p. 13-28.

ORTIZ, C. O papel do professor de crianças pequenas. Revista Pátio Educação Infantil, ano V, n. 13, p. 10-13, mar./jun. 2007.

OSTETTO, L. E. Articular saberes, qualificar práticas: contribuições da universidade à formação dos profissionais de educação infantil. Perspectiva, Florianópolis, v. 15, p. 11-20, jul./dez. 1997. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/viewFile/10613/10147. Acesso em: 08 fev. 2013.

PIMENTA. S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PIMENTA, S. G. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, S. G. (Org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez, 1999, p. 15-34.

PROENÇA, M. L. A construção de um currículo em ação. Revista Pátio Educação Infantil, ano VII, n. 21, p. 14-16, nov./dez. 2009.

ROCHA, E. A. C.; STRENZEL, G. R. Indicadores para a avaliação de contextos educativos em creche: articulando pesquisa pedagógica e formação profissional. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED. 25, 2002, Caxambu. Anais... Caxambu: Anped, 2002. Disponível em: http://25reuniao.anped.org.br/posteres/eloisaacirescandalrochap07.rtf. Acesso em: 08 fev. 2013.

RODRIGUES, S. A. Expressividade e emoções na primeira infância: um estudo sobre a interação criança-criança na perspectiva walloniana. 2008. 110f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2008.

RODRIGUES, S. A. Reflexões sobre a organização de práticas educativas no contexto da Educação Infantil. Nuances: estudos sobre Educação. Presidente Prudente, n. 25, v. 01, p. 183-199, jan./abr. 2013.

RODRIGUES, S. A. Ser professor na Educação Infantil: expectativas de estudantes em processo de formação inicial. SEMINÁRIO EDUCAÇÃO 2014, Cuiabá. Anais... Cuiabá: UFMT, 2014.

RODRIGUES, S. A.; GUIMARAES, C. M.; PIFFER, C. C. G. Representações Sociais sobre criança e ser professora de crianças por alunas dos Cursos de Pedagogia da UFMS e UNESP. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 6, n. 2, p. 289-301, jul./dez. 2011.

ROLDÃO, M. C. Profissionalidade docente em análise – especificidades do ensino superior e não superior. Revista Nuances: estudos sobre educação. Ano XI, v. 12, n. 13, p. 106-126, jan./dez. 2005.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Profissionalização docente. In: OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. M. C.; VIEIRA, L. M. F. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010. CDROM. Disponível em: http://www.gestrado.org/?pg=dicionario-verbetes&id=346. Acesso em: 08 de mai. 2015.

SILVA, A. P. S.; ROSSETTI-FERREIRA, M. C. Formação dos profissionais da educação infantil: a pessoa no centro da ação. 2001. (texto impresso).

SOUZA, D. B.; RODRIGUES, S. A.; GOMES, A. A. Aprendizagem da docência: o papel do estágio na formação de profissionais da Educação Infantil. In: JORNADA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO E LINGUAGEM E X JORNADA DE EDUCAÇÃO DO MATO GROSSO DO SUL. I, 2014, Campo Grande. Anais on line. Campo Grande: UCDB, 2014. p. 1-11.

WALLON, H. A formação psicológica dos mestres. In: WALLON, H. Psicologia e educação da criança. Lisboa: Editorial Vega, 1979. p. 343-354.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p328

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.