Educação infantil no cenário brasileiro pós golpe parlamentar: políticas públicas e avaliação

Ângela Scalabrin Coutinho, Catarina Moro

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar as mudanças nas proposições da política pública de Educação Infantil, em especial as políticas relativas à avaliação concernente a esta etapa, em decorrência da troca de governo resultante do golpe parlamentar que teve seu desfecho no primeiro semestre de 2016. Para tanto, situa o percurso recente de elaboração de uma política de avaliação para essa etapa educacional, destacando as metas e estratégias do Plano Nacional de Educação (PNE), e o relaciona com outras políticas em curso, como a curricular, que tem atualmente como principal escopo a definição de uma Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Identifica-se que a revogação da portaria que definia o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (SINAEB), que incluía a Avaliação da Educação Infantil (ANEI) e a apresentação de uma terceira versão da BNCC, focada em uma perspectiva curricular baseada em competências e habilidades e com ênfase na escrita na educação infantil, coloca em risco o processo de definição de uma política avaliativa descentrada do desempenho individual das crianças e preocupada com a qualidade da oferta da educação. Outro aspecto de atenção é quanto às alianças estabelecidas na definição das políticas educacionais, tendo em vista a identificação da participação de entidades privadas não só na execução das políticas, mas na sua formulação, o que revela uma clara opção por uma lógica privatista de governo.


Palavras-chave


Educação infantil; Cenário político pós golpe; Avaliação; BNCC

Texto completo:

PDF/A

Referências


ADRIÃO, Theresa et al. As parcerias entre prefeituras paulistas e o setor privado na política educacional: expressão de simbiose? In: Educação e Sociedade. Campinas, v. 33, n. 119, abr.-jun. 2012, p. 533-549. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acesso em: janeiro de 2014.

BONDIOLI, Anna. Indicadores operativos e análise da qualidade: razões e modos de avaliar. In: CIPOLLONE, Laura (Org.). Instrumentos e indicadores para avaliar a creche: um percurso de análise da qualidade. Trad. Luiz Ernani Fritoli. Curitiba: Ed. UFPR, 2014. p. 47-72.

BONDIOLI, A.; SAVIO, D. (Orgs.). Participação e qualidade em educação da infância: percursos e compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Trad. Luiz Ernani Fritoli. Curitiba: Editora UFPR, 2013.

BRASIL. Portaria nº 826, de 7 de julho de 2017. In: Diário Oficial da União. Nº 130, segunda-feira, 10 de julho de 2017.

______. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso em: maio de 2017.

______. Portaria nº 369. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Sinaeb), de 5 de maio de 2016. Diário Oficial da União, Brasília, nº 86, 6 maio 2016, Seção 1, pág. 26.

______. Contribuições para a Política Nacional: a avaliação em educação infantil a partir da avaliação de contexto. Curitiba: Imprensa/UFPR; Brasília: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Coordenação Geral de Educação Infantil - MEC/SEB/COEDI, 2015, 104p.

______. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 26 jun. 2014.

______. Indicadores da Qualidade na Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEB/COEDI, 2009.

______. Resolução CNE/CEB nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 18 dez., 2009a.

______. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: 1996. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm >. Acesso em: 15 abr. 2013

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização do pensamento: do pensamento único à consciência universal. 17ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

SAVIO, Donatella (a cura di). Il portfolio alla scuola dell'infanzia: Un pretesto per ricercare e negoziare identità. Bergamo: Edizioni Junior, 2006.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p349

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.