As crianças e as aprendizagens pelo cotidiano: jogos, comunicações e relações afetivas

Vera Lucia Chacon Valença, Lidiani Morgenroth Fontana

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa de viés etnográfico realizada com 24 crianças, de 3 e 4 anos, de um Centro de Educação Infantil de uma cidade do sul de Santa Catarina que teve por objetivo descrever e refletir sobre suas comunicações, jogos e relações afetivas, nas interações ocorridas entre pares. De inspiração sociointeracionista, o trabalho recebeu as contribuições dos pesquisadores da Sociologia da Infância, da Psicologia, da Antropologia e da Filosofia, tendo por figura de fundo as aprendizagens pelo cotidiano, na perspectiva apresentada por Gilles de Brougère e por Bárbara Rogoff. Observaram-se comportamentos provenientes de uma seletividade empática; reproduções interpretativas no desempenho de papéis dos jogos simbólicos e particularidades de comportamentos relacionadas a contextos diversos.


Palavras-chave


Aprendizagens pelo cotidiano; Interações; Comunicações

Texto completo:

PDF/A

Referências


BORBA, Ângela Maria. O brincar como um modo de ser e estar no mundo. In: BRASIL. MEC/SEB. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade. Organização de Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Rangel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

BROUGÈRE, Gilles. Uma teoria de aprendizagem adaptada: a aprendizagem como participação. In: BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise (Org.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas: Autores Associados, 2012a. pp. 307-320.

______. Vida cotidiana e aprendizagem. In: BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise. (Org.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas: Autores associados, 2012b. pp. 11-24.

BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise. Introdução: Sair da sombra: as aprendizagens cotidianas. In: ______. (Orgs.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas: Autores Associados, 2012. pp. 1-7.

CARVALHO, Ana; PEDROSA, Maria Isabel; ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Aprendendo com as crianças de 0 a 6 anos. São Paulo: Cortez, 2012.

COPETE, Maria Conceição; FLEURY, Reinaldo Matias; STOLTZ, Tania. Educação para a diversidade numa perspective intercultural. Revista Pedagógica Unochapecó, jan./jun. 2012, ano 15, n. 28, v. 01, 341-345.

CORSARO, William A. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DELALANDE, Julie. O pátio de recreio: lugar de socialização e de cultura infantis. In: BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise (Orgs.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. pp. 65-80.

______. Culture enfantine et règles de vie. Terrain, mars 2003, 40, 1-16.

FERREIRA, Valéria Silva. Infância e linguagem escrita: práticas docentes. Itajaí: UNIVALI, 2007.

FLORESTAN FERNANDES. As Trocinhas do Bom Retiro; contribuições ao estudo folclórico e sociológico da cultura e dos grupos infantis. Pró-Posições, jan./abr. 2004, v. 15, n. 1(43), 229-251.

FRIEDMANN, Adriana. O brincar na educação Infantil: Observação, adequação e inclusão. 1. ed. São Paulo: Moderna, 2012.

GANDINI, Lella; GOLDHABER, Jeanne. “Duas reflexões sobre a documentação”. In: GANDINI, Lella; EDWARDS, Carolyn. Bambini: A abordagem italiana à educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2002. pp. 150-169.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

KORCZAK, Janusz. Quando eu voltar a ser criança. Tradução de Fanny Abramovich. São Paulo: Summus, 1981.

MONTANDON, Cléopâtre; LONGCHAMP, Philippe. Você disse autonomia? Uma breve percepção da experiência das crianças. Perspectiva, Florianópolis, jan./jun. 2007, v. 25, n. 1, 105-126, NUP/UFSC.

MULLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida. Teoria e prática na pesquisa com crianças: Diálogos com Willian Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009.

NGENG, Lysette. Nicho do desenvolvimento e abordagem intercultural. In: BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise (Orgs.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. pp. 293-306.

RENAUT, Alain. La liberation des enfants: contibution philosophique à uma histoire de l’enfance. Bruxelles: Bayard Calmann-Lévy, 2002.

RINALDI, Carlina. “O currículo emergente e o construtivismo social”. In: EDWARDS, Carolyn et al. As cem linguagens da criança: A abordagem da Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999. pp. 113-122.

SIROTA, Régine. A socialização no cotidiano: os trunfos de uma etnografia do minúsculo. In: BROUGÈRE, Gilles; ULMANN, Anne-Lise (Orgs.). Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012, pp. 279-288.

______. Éléments pour une sociologie de l’enfance. Rennes: PUF, 2006. pp. 37-41.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

WALLON, Henri. As origens do pensamento da criança. Tradução de Doris Sanches Pinheiro, Fernanda Alves Braga. São Paulo: Manole, 1989.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p411

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.