As interfaces da avaliação na educação infantil

Joselma Salazar de Castro, Fabrício Zimmermann Souza

Resumo


O presente artigo debate sobre a temática da avaliação na Educação Infantil e as implicações que esse processo traz ao direito das crianças em viver suas infâncias. Apresentamos a concepção de Educação Infantil, infância e criança, na qual nos aportamos, assim como, um breve histórico do processo de avaliação na Educação Infantil, no momento em que esta, torna-se primeira etapa da Educação Básica. Discutiremos a avaliação como processo inerente à educação das crianças e que, dado a conjuntura política atual, tal processo pode implicar negativamente no direito das crianças viverem a infância ao terem precocizados os processos de aprendizagem pela lógica da escolarização. Desta forma, apresentamos a avaliação de contexto, atualmente estudada por especialistas da área, como um contraponto a avaliações externas e em larga escala.


Palavras-chave


Avaliação em larga escala; Avaliação de contexto; Educação infantil; Infância

Texto completo:

PDF/A

Referências


BONDIOLI, Anna. Fisionaomia e storia di un gruppo di gioco. In: BONDIOLI, Anna. Far finta insieme. Condizione, dinamiche, strategie. Quaderni Infanzia. Bergamo, Itália: Junior S.R.L., 1993.

BONDIOLI, Anna; FERRARI, Monica. Educare la professionalità degli operatori per l’infanzia. Quaderni Infanzia. Bergamo, Itália: Junior S.R.L., 2004.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Problemas da poética de Dostoiévski. 5 ed. Revista. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2015.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. As especificidades da ação pedagógica com os bebês. Porto Alegre, 2010. 16f. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?Itemid=1096&id=15860&option=com_content&view=articule.>. Acesso em: 09 de jul. 2015

______. Por amor e por força: as rotinas na Educação Infantil. Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Campinas: 2000.

BONDIOLI, Anna; SAVIO, Donatella (Orgs.). Participação e qualidade em educação da infância: percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Tradução: Luiz Ernani Fritoli. Curitiba: UFPR, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n.° 5/2009, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, 18 dez. 2009a, Seção 1, p. 18.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 dez. 1996, p. 27833.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1747, de 16 de dezembro de 2011. Brasília, DF, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2015.

CASTRO, Joselma Salazar de. A docência na educação infantil como ato pedagógico. 2016. 345 f. Tese (Tese em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016. (mimeo)

CONTRERAS, José. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2002.

CORRÊA, Bianca; ANDRADE, Érika. Infância e vivências na educação infantil: qual o sentido das avaliações padronizadas nessa etapa educacional? Retratos da escola, Brasília, v. 5, n. 9, p. 275-289, jul./dez. 2011

CORSARO, William. Sociologia da infância. 2ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

EVANGELISTA, Olinda. Apontamentos para o trabalho com documentos de política educacional. 2009. Disponível em: http://www.dfe.uem.br/texto. Olinda. PDF. Acesso: em 11 de setembro de 2017.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Educação pré-escolar e cultura. Campinas: Cortez/Editora da UNICAMP, 1999.

FERREIRA, Manuela Maria. “Brincar às arrumações”, arrumando ou... entre a ordem institucional adulto e a ordem institucional infantil, as crianças como actores sociais no jardim da infância. In: Reflexão e ação. v. 13, n.º 1, jan./jun. Santa Cruz do Sul: UDUNISC, 2005. p. 115-132.

FREITAS, Luiz Carlos de. Blog do Freitas. BNCC: versão III para a educação infantil é criticada. São Paulo, 25 abr. 2017. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2017/06/23/educacao-infantil-mec-paralisa-anei/. Acesso: em 05 de agosto de 2017.

FREITAS, Luiz Carlos de. Blog do Freitas. INEP inova na avaliação da educação infantil. São Paulo, 20 jun. 2015. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2017/06/23/educacao-infantil-mec-paralisa-anei/. Acesso em 05 de agosto de 2017.

FREITAS, Luiz Carlos de. Blog do Freitas. Educação infantil: MEC paralisa ANEI. (Nota Pública) São Paulo, 23 jun. 2017. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.com/2017/06/23/educacao-infantil-mec-paralisa-anei/. Acesso em 05 de agosto de 2017.

KRAMER, Sonia. Profissionais da educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2006.

MELLO, Suely Amaral. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico-cultural. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1. 83-104, jan/jun. 2007.

MORO, Catarina. Posicionamento sobre “Utilização/adoção de métodos e instrumentos padronizados de avaliação na primeira infância – aspectos convergentes e divergentes”. In: Utilização de métodos e instrumentos padronizados de avaliação na primeira infância: convergências e divergências. Fortaleza, 2016.

MORO, Catarina; SOUZA, Gisele. Produção acadêmica brasileira sobre avaliação em educação infantil: primeiras aproximações. Revista Est. Aval. Educ. São Paulo, v. 25, n. 58, mai./ago, 2014. p. 100-125. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2015.

NEVES, Vanessa Ferraz Almeida; MORO, Catarina. Avaliação na educação infantil: um debate necessário. Revista Est. Aval. Educ. São Paulo, v. 24, n. 55, abr./ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2015. p. 272-302.

QVORTRUP, Jens. A infância enquanto categoria estrutural. Educação e Pesquisa, vol. 36, nº. 2, mai-ago, São Paulo: USP, 2010, p. 631-643.

ROCHA, Eloisa Acires Candal. A Pesquisa em Educação Infantil no Brasil: trajetória recente e perspectiva de consolidação de uma Pedagogia da Educação Infantil. Florianópolis: Centro de Ciências da educação, Núcleo de Publicações – NUP, 1999.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Gerações e alteridade: interrogações a partir da sociologia da infância. In: Educação & Sociedade, Campinas, v. 26, n. 91, ago. 2005. p. 361-378.

SAVIO, Donatella. A brincadeira e a participação da criança: um desafio educativo e seus pontos nodais. In: BONDIOLI, Anna; SAVIO, Donatella (Orgs.). Participação e qualidade em educação da infância: percursos de compartilhamento reflexivo em contextos educativos. Tradução: Luiz Ernani Fritoli. Curitiba: UFPR, 2013.

______. Il gioco e l’identità educativa del nido d’infanzia: un percorso di valutazione formativa pertecipativa nei nidi di Modena. Edizioni Junior srl. 1ª ed. Parma. 2011.

SOUZA, Fabrício Zimmermann. Plano de desenvolvimento da escola interativo: expressão da nova gestão pública na educação básica. 2015. 190 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SOUZA, G; MORO, C; COUTINHO, A.S. (org) Formação em Rede em Educação

Infantil: Avaliação de Contexto. Curitiba: Appris, 2015.

VIGOTSKI, Lev Semenovitch. El problema de la edad. Obras Escogidas. Tomo IV. Madrid: Centro de Publicaciones Del M.E.C. / Visor, 1996.

ZANARDINI, João Batista. Políticas de avaliação da educação pública. In: BATISTA, Alex Sandro dos Santos; EVANGELISTA, Olinda (Orgs). Políticas para a educação básica no Brasil. Florianópolis: UFSC-CED-NUP, 2014. p. 67-114.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p478

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.