Para além do capitalismo colonial: diálogos e saberes socialistas como movimentos de resistência na educação

Olga Franco García

Resumo


Uma educação para além do capital significa - não apenas - resistir aos tratados coloniais impostos pelo legado europeu e pelas adoções de práticas imperialistas, mas também de promover saídas, caminhos alternativos para a constituição de outra sociedade, marcado por valores e interesses que não estejam aliados com as grandes corporações do mercado e do status quo. Resistir também é pensar propostas pedagógicas que questionem a ordem capitalista que é incutida nas crianças desde o nascimento. A Revolução Cubana, apesar dos embargos econômicos, priorizou a educação e hoje é um exemplo de que é possível uma educação para todos/as com qualidade e equidade.

Palavras-chave


Desigualdade; Educação cubana; Resistência

Texto completo:

PDF/A (Español (España))

Referências


ALARCÓN ORTIZ, Rodolfo. Ministro de Educación Superior. Conferencia Especial. Congreso Pedagogía 2015 enero de 2015.

ICCP-CELEP. Proyecto de investigación para el perfeccionamiento del currículo preescolar. CELEP, La Habana, 2014.

MINED Resolución Ministerial No. 186 de 2014. Ministerio de Educación de la República de Cuba.

PCC. Proyecto de los Lineamientos de la Política Económica y Social del Partido y la Revolución. Aprobados el 18 de abril de 2011.

VELÁZQUEZ, Cobiella, Ena Elsa, Ministra de Educación. Entrevista para la revista Bohemia, 28 de agosto de 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2017v19n36p493

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.