Deslocando as relações de gênero: infâncias e candomblé, contribuições para a educação com crianças pequenas

Ellen Gonzaga Lima Souza, Patrício Carneiro Araújo

Resumo


O presente artigo tem como objetivo apresentar parte dos dados da tese de Souza (2016), intitulada Experiências de infâncias com produções de culturas no Ilê Axé Omo Oxé Ibá Latan, em diálogo com os estudos feministas de Louro (2008), hooks (2013) e Daves (2016) e a perspectiva das pesquisas descoloniais de Quijano (2005) e Santos (2010), que rompem com uma perspectiva eurocêntrica, binária e cartesiana das relações de gênero. Destacamos a perspectiva de mundo yorubá quanto à questão de gênero como uma conjunção quartenária de princípios, cuja sintaxe organiza as categorias “aborô”, correspondente ao princípio masculino; iyabá, ao feminino; “metá-metá”, o que circula simultaneamente pelos dois primeiros, e “laí ibalopô”, o que se coloca para fora e além de qualquer perspectiva sexual e de gênero, diferente, contudo, da categoria “assexuado”, de matriz ocidental. Entretanto, constatou-se que mesmo em um espaço que subverte a perspectiva colonizada  das relações de gênero em sua cosmologia, as crianças apresentam práticas que travam relações binárias que associam o feminino a aspectos de subalternidade e reservam ao masculino aspectos de superioridade. Em função disso, esse discurso termina por legitimar as mesmas características historicamente atribuídas ao feminino (delicadeza, fragilidade, inferioridade, etc.), como se o masculino estivesse ligado à cultura e o feminino à natureza. Considerando as experiências de infâncias no candomblé, com inspirações na lógica exúlica, descrita por Souza(2016), e na Pedagogia Macunaímica de Faria (2002), apresentam-se algumas possibilidades para a construção de pedagogias descolonizadoras para a educação com crianças pequenas.


Palavras-chave


Gênero; Infâncias; Candomblé

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAUJO, Patrício Carneiro. Entre o terreiro e a escola: lei 10.639/03 e a intolerância religiosa sob o olhar antropológico. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2015.

BALANDIER, Georges. A noção da situação colonial. Cadernos de Campo USP. V. 3 n. 3, p. 107-133, São Paulo, 1993.

BRANDÃO, Gersonice Equede Sinha. Equede: A mãe de todos – Terreiro Casa Branca. Salvador: Barabô, 2015.

BUTLER, Judith. Corpos que pensam sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

FARIA, Ana Lúcia Goulart. Pequena infância, educação e gênero: subsídios para um estado da arte. Cadernos Pagu, v. 26, p. 279-287, Campinas, 2006.

FINCO, Daniela. Educação Infantil espaços e de confronto e convívio com as diferenças: análise da interação entre professoras e meninas e meninos que transgridem a fronteira de gênero. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GOBBI, Márcia. Múltiplas linguagens de meninos e meninas na educação infantil. In: ISeminário Nacional Currículo em Movimento Perspectivas Atuais, 2010, Belo

Horizonte. Currículo em Movimento e Perspectivas Atuais. Belo Horizonte: UFMG,

, v. 01.

HAMPATE BÂ, Amadou. Amkollel, o menino fula. Tradução Xina Smith de Vasconcellos. São Paulo: Casa das Áfricas e Pallas Athena, 2003.

______. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. História Geral da África – Metodologia e Pré-História da África. Brasília: UNESCO, 2010.

LEITE, Fábio. A questão ancestral. São Paulo: Palas Athena & Casa das Áfricas, , 2008.

SANTOS; MENESES (orgs). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SODRÉ, Muniz.O terreiro e a cidade: a forma social Negro-Brasileira. Rio de Janeiro: Vozes,2002.

SOUZA, Ellen de Lima. Experiências de infâncias com produções de culturas no Ilê Axé Omo Oxé Ibá Latam.Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2016.

VERGER, Pierre. Notas sobre o culto aos orixás e voduns na Bahia de todos os santos, no Brasil, e na antiga costa dos escravos, na África. Tradução: Carlos Eugênio Marcondes de Moura. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1999.

______: CARYBÉ, Hector Julio. Lendas Africanas dos Orixás. 4. ed. Salvador: Corrupio, 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p142

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.