Mães e crianças sem creche em Manaus: aceitação da negação do direito ou resistência ao processo de colonização?

Vanderlete Pereira da Silva, Elina Elias Macedo

Resumo


Este artigo problematiza a condição da mulher e das crianças de 0 a 3 anos na cidade de Manaus, com relação ao direito à creche, cujos dados da Prefeitura, em 2014, informam a existência de 10 creches, para uma população de 128.939 crianças de 0 a 3 anos (IBGE/2010). A análise deste quadro nos leva a pensar sobre a situação das mulheres, mães de crianças de 0 a 3 anos que trabalham no Polo Industrial de Manaus e, sobretudo, das crianças pequenininhas, excluídas do direito à primeira etapa da Educação Básica. Por outro lado, refletindo sobre o que chamamos de exclusão das crianças ao direito da creche, observamos que grande parte dessas mulheres possuem traços identitários da cultura indígena, com noções de trabalho e organização parentais bem distintas de uma sociedade marcada pelos ideais colonizadores. Assim, na busca por compreender a situação vivida por essas mulheres, nos interrogamos: essas noções que constituem as mulheres de Manaus poderiam justificar a não reivindicação ao direito das crianças à creche? Será que as mães de Manaus não lutam por creche paras suas crianças, porque acreditam que a creche, de alguma forma, nega as origens populares, impondo uma educação ocidentalizada, colonizada, branca e urbana? 

Palavras-chave


Creche; Crianças pequenas; Mulheres; Colonização

Texto completo:

PDF/A

Referências


BERTARELLI, Maria Eugenia. As vozes femininas: Um diálogo com as trabalhadoras da Zona Franca. In: Um olhar de gênero sobre o setor eletro-eletrônico da Zona Franca de Manaus. Rio de Janeiro: InstitutoEquit/Julho de 2010, p.55-63.

BRASIL. IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio – 2015 – Aspecto de Cuidados das Crianças de Menos de 4 Anos de Idade. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

BRUSCHINI, Maria Cristina A.; RICOLDI, Arlene Martinez. Família e trabalho: difícil conciliação para mães trabalhadoras de baixa renda. Cadernos de Pesquisa, v. 39, n. 136, p.93-123, jan./abr 2009.

De História Geral do Brazil, Francisco Adolpho Varnhagen, vol. 2, p. 242-245. Disponível em: Acesso em: 01/06/2017.

DIRECTÓRIO POMBALINO. Lisboa/Portugal, 1758. In: MOREIRA NETO, Carlos de Araújo. Índios da Amazônia, de maioria a minoria (1750 – 1850). Petrópolis, RJ: Vozes, 1988.

GUATTARI, Félix. As creches e a iniciação. In: GUATTARI, Félix. Revolução Molecular: pulsações políticas do desejo. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 50–55.

LIMA, Deborah de Magalhães. A construção histórica do termo caboclo sobre estruturas e representações sociais no meio rural amazônico. Novos Cadernos NAEA, Belém, vol. 2, nº 2, p. 5-32, 1999.

RAMINELLI, Ronald. Eva Tupinambá. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 1997. p. 11- 44.

RPAM, AMAZONAS. Relatórios dos presidentes de província e dos diretores da Instrução Pública, 1830-1930. Disponível em: Acesso em: 14/05/2017

SPINDEL, Cheywa Rojza. Formação de um novo proletariado: as operárias do distrito industrial de Manaus. Revista Brasileira de Estudos da População. São Paulo, v.4 n.2, p.1-38, jul/dez.1987.

TORRES, Iraíldes Caldas. A Formação Social da Amazônia Sob a Perspectiva de Gênero. Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder, Florianópolis, agosto de 2008. Disponível em: Acesso em: 12/04/2017.

TORRES, Iraíldes Caldas. O patrimonialismo e as mulheres da Amazônia de ontem. Anais do Seminário Internacional Fazendo Gênero 7 – Gênero e Preconceitos. Florianópolis, agosto de 2006. Disponível em: Acesso em: 24/04/2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p193

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.