Gênero, sexo e sexualidade na educação infantil: o que dizem os documentos da rede municipal de ensino de Florianópolis

Karine Zimmer da Silva, Márcia Buss-Simão

Resumo


O presente texto é um recorte de uma pesquisa, em nível de especialização, que teve como problemática e objetivo localizar, nos documentos da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis, concepções a respeito de gênero, sexo e sexualidade. Para alcançar tal objetivo utilizou como metodologia a pesquisa documental qualitativa nos documentos selecionados: a) Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil (2009); b) Orientações Curriculares para a Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis (2012); c) Currículo da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis (2015). Para as análises recorreu-se a Técnica de Análise de Conteúdo visando localizar e analisar as presenças e/ou ausências das palavras-chaves selecionadas para a busca nos documentos: crianças, meninas, meninos, diversidade, gênero, sexo, sexualidade, masculino, feminino, masculinidade, feminilidade, mulher e homem. Para as análises aos referenciais teóricos de estudos de gênero e sexualidade, especialmente os que tratam dessa temática em contextos educativos foram resgatados. As análises indicam que algumas destas palavras são utilizadas para universalizar determinado sujeito, outras não são localizadas em alguns documentos e outras, ainda, vem diminuindo seu uso de um documento para outro. O que fica evidente é que o uso das palavras não é neutro e revelam concepções e reproduzem estereótipos.

Palavras-chave


Educação infantil; Gênero; Sexualidade; Diversidade; Orientações curriculares

Texto completo:

PDF/A

Referências


BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: a experiência vivida. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 2ª ed., 1967.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Resolução 05/2009 – Câmara da Educação Básica. Brasília, 2009.

BRASIL. Projeto de Cooperação Técnica MEC e UFRGS para Construção de Orientações Curriculares para a Educação Infantil. Práticas Cotidianas na Educação Infantil: Bases para a Reflexão sobre as Orientações Curriculares. Brasília: MEC/UFRGS, 2009.

COUTINHO, Ângela Maria Scalabrin; ROCHA, Eloísa Acires Candal. Bases Curriculares para a Educação Infantil. Ou isto ou aquilo. Revista Criança. n. 43. Brasília: MEC, 10-11, 2007.

COSTA, Paula Cristina de Almeida. Sexualidade na Primeira Infância um Percurso que se Inicia na Família. Contexto e Educação. Editora Unijuí, Ano 27, nº 88 Jul./Dez. 77-11. 2012.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar, V.1, 1994.

FELIPE, Jane. Erotização dos corpos infantis. In: LOURO, Guacira Lopes; NECKEL, Jane Felipe; GOELLNER, Silvana Volodre (org.) Corpo, Gênero e Sexualidade: um debate contemporâneo. Petrópolis: Vozes. p. 53- 65, 2003.

FLORIANÓPOLIS. Orientações Curriculares para a Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Prefeitura Municipal de Educação. Secretaria Municipal de Educação. Florianópolis, SC: Prelo, 2012.

FLORIANÓPOLIS. Currículo da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Prefeitura Municipal de Educação. Secretaria Municipal de Educação. Betim, MG: CGP Solutions, 2015.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). O Corpo Educado: Pedagogias da sexualidade. 2ª Edição. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MINAYO, Cecília de Souza (org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Ed.Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

SACRISTÁN, Gimeno. Aproximação ao Conceito de Currículo. Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed. p. 34-38, 2000.

SAYÃO, Deborah Thomé. Corpo e movimento: notas para problematizar algumas questões relacionadas à Educação Infantil e à Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 23. n.2. 55-67. 2002.

SAYÃO, Débora Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na educação infantil: um estudo de professores em creche. (274 f.) Florianópolis, SC. Tese (Doutorado em Educação). Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. UFSC. 2005.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.16, n.2, p.5-22, jul/dez. 1990.

TUCKMANTEL, Maísa Maganha. A sexualidade vai à escola: da informação biológico-reprodutiva à formação do sujeito ético. Revista Trilhas Pedagógicas, Pirassununga, v. 1, n. 1, p. 38-62, ago. 2011.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2018v20n37p27

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.