Ganhar acesso numa etnografia com crianças em espaços públicos abertos: dilemas de confiabilidade em tempos de risco

Ivana Martins da Rosa, Manuela Ferreira

Resumo


A etnografia com crianças gera permanentemente dilemas ético-metodológicos que exigem do(a) pesquisador(a) uma postura de reflexividade metodológica acerca dos acontecimentos experimentados e negociados no trabalho de campo. Focalizando a construção de relações com crianças entre 6 e 10 anos nos espaços públicos abertos de uma comunidade piscatória do norte de Portugal, refletem-se neste texto processos de ganhar acesso aos seus mundos culturais e dilemas emergentes em torno da confiabilidade, a propósito: i) da identidade da etnógrafa; ii) dos limites e consequências das confianças tecidas entre as crianças e a etnógrafa. Compreende-se que tais dilemas são agudizados no contexto em que a etnografia acontece, no sentido em que incorporam algumas das complexidades sociais que afetam as experiências da infância nas sociedades ocidentais contemporâneas, interpretadas como “sociedades de risco”.


Palavras-chave


Crianças; Etnografia em espaços públicos abertos; Ganhar acesso; Confiabilidade; Dilemas ético-metodológicos

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALANEN, Leena; MAYALL, Berry. Conceptualizing Child–Adult Relations, Londres, Routledge Falmer, 2001.

ALDERSON, Priscilla. Crianças como pesquisadoras: Os efeitos dos direitos de participação sobre a metodologia de pesquisa. Revista Educação e Sociedade. 2005, v.26. n. 91, 419-442. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/es/v26n91/a07v2691.pdf Acesso em: 24 de janeiro de 2017.

ALMEIDA, Ana Nunes. Para uma sociologia da infância: jogos de olhares, pistas para a investigação. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 2009.

AMADO, João; SILVA, Luciano Campos. Os estudos etnográficos em contextos educativos. In: AMADO, João. Manual de Investigação Qualitativa em Educação. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. 2013. pp.145-168.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2000.

BECK, Ulrich. Risk society: towards a new modernity. trad. Mark Ritter. London: Sage Publications, 1992.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Pesquisa etnográfica com crianças pequenas: reflexões sobre o papel do pesquisador. Revista Diálogo Educacional. Curitiba. Jan/abr. 2014, v.14. n.41, 37-59. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/2275 Acesso em: 03 de março de 2018.

CAIAFA, Janice. Aventura das Cidades: ensaios e etnografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

CARAPINHEIRO, Graça. A globalização do risco social. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. Globalização: fatalidade ou Utopia? Porto: Afrontamentos, 2001. pp.197-233.

CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano: 1. artes de fazer. 3ªed. Petrópolis: Vozes, 1998 [1990].

CHRISTENSEN, Pia; PROUT, Alan. Working with ethical symmetry in social research with children. Childhood. London. 2002, v.9. n.4, 477-497. Disponível em: http://www.kingscollege.net/pomfret/3311/pdf/ReadingChristensen.pdf Acesso: 12 de março de 2018.

CHRISTENSEN, Pia; et al. Mobilidades cotidianas das crianças: combinando etnografia GPS e tecnologia de telefone móvel em pesquisa. Educação e Sociedade. Campinas. jul./set. 2014, v.35. n.128, 629-996. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v35n128/0101-7330-es-35-128-00699.pdf Acesso: 03 de julho de 2017.

CLIFFORD, James. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2008.

CORREIA, João Carlos. Dez anos depois de Bragança, a representação da mulher brasileira nos media. Verso e Reverso. São Leopoldo. set./dez. 2014, v. XXVIII. n.69, 186-192. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/versoereverso/article/view/ver.2014.28.69.04/4412 Acesso: 18 de outubro de 2018.

CORSARO, William. Entrada no Campo, Aceitação e Natureza da Participação nos Estudos Etnográficos com Crianças Pequenas. Educação e Sociedade. Campinas. maio/ago. 2005, v. 26. n.91, 443-464. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v26n91/a08v2691.pdf Acesso: 25 de outubro de 2017.

COULON, Alain. Etnometodologia. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995 [1987].

COULON, Alain. Etnometodologia e educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995 [1993].

CUNHA, Sandra Mara. Pesquisa com crianças: implicações teóricas, éticas e metodológicas. Atas CIAIQ-Investigação Qualitativa em Ciências Sociais//Investigación Cualitativa en Ciencias Sociales. 2017, v.3, 77-82. Disponível em: https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1142/1108 Acesso: 03 de outubro de 2018.

ELIAS, Nobert; SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FARIA, Eliete do Carmo Garcia Verbena. Lugares da infância: mobilidade e práticas cotidianas das crianças nos espaços sociais de interação. 2014. 303 f. Tese (Doutorado) Universidade do Minho, Portugal. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/35620 Acesso: 20 de outubro de 2018.

FAVRET-SAADA, Jeanne. “Ser afetado”, de Jeanne Favret-Saada. Cadernos de Campo. 2005 [1990], s/v. n.13, 155-161. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/50263/54376 Acesso em 13 de agosto de 2018.

FERNANDES, Luís José. Um diário de campo nos territórios psicotrópicos: As facetas da escrita etnográfica. In: CARIA, Telmo. Experiência etnográfica em Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento. 2002. pp.23-40.

FERNANDES, Luís José; NEVES, Tiago; CHAVES, Miguel. Investigação etnográfica em territórios piscotrópicos: notas de terreno e comentário. Revista Educação, Sociedade e Cultura. Porto. 2001, s/v. n.16, 171-201. Disponível em: https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC16/16-dialogos.pdf Acesso: 14 de março de 2017.

FERREIRA, Manuela. Os estranhos «sabores» da perplexidade numa etnografia com crianças em Jardim de Infância. In: CARIA, Telmo. Experiência etnográfica em Ciências Sociais. Porto: Edições Afrontamento. 2002. pp.149-166.

FERREIRA, Manuela. A gente gosta é de brincar com os outros meninos! – Relações sociais entre crianças num Jardim de infância. Porto: Edições Afrontamento, 2004.

FERREIRA, Manuela. “Ela é nossa prisioneira”! Questões teóricas, epistemológicas e ético-metodológicas a propósito dos processos de obtenção da permissão das crianças pequenas numa pesquisa etnográfica. Revista Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul. 2010, v.18, n.2, 151-183. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/1524/1932 Acesso: 15 de agosto de2015.

FERREIRA, Manuela; NUNES, Ângela. Estudos da infância, antropologia e etnografia: Potencialidades, limites e desafios. Revista Linhas Críticas. Brasília. 2014, v. 20. n. 41, 103-123. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/12424 Acesso: 14 de setembro de 2015.

FINE, Gary Alan; SANDSTROM, Kent. Researchers and kids. In: FINE, Gary Alan e SANDSTROM, Kent. Knowing children: participant observations with minors. London: Sage. 1988. pp.13-36.

FORTUNA, Carlos. Sociologia, cultura urbana e globalização. In: FORTUNA, Carlos Cidade, cultura e globalização. Oeiras: Celta. 1997. pp. 1-28.

FONSECA, Claudia. Quando cada caso Não é um caso: pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação. n.10, 58-78. Disponível em: http://anped.tempsite.ws/novo_portal/rbe/rbedigital/RBDE10/RBDE10_06_CLAUDIA_FONSECA.pdf Acesso: 04 de abril de 2015.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GRAUE, Elisabeth; WALSH, Daniel. Investigação Etnográfica com Crianças: Teorias, Métodos e Ética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

JAMES, Allison . Giving Voice to Children's Voices: Practices and Problems, Pitfalls and Potentials. American Anthropolgist. June. 2007, v.109. Issue 2, 261-272. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/4496640?seq=1#page_scan_tab_contents Acesso: 11 de janeiro de 2019.

LANSKY, Samy. A cidade, com crianças: uma etno-grafia espacializada. 2012. 302 f. Tese (Doutorado em Educação) -Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUOS-8UQJDD Acesso: 30 de agosto de 2015.

LARROSA, Jorge. O enigma da infância ou o que vai do impossível ao verdadeiro. In: LARROSA, Jorge. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Trad. Alfredo Veiga-Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. pp. 183-198.

LARROSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

LOPES, João Teixeira. Andante, andante: tempo para andar e descobrir o espaço público. Sociologia: Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto, 2002, v.17/18. série I, 69-80. Disponível em: http://ojs.letras.up.pt/index.php/Sociologia/article/view/2345/2146 Acesso em 12 de setembro de 2018.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: Notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Junho. 2002, v.17. n.49, 11-29. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v17n49/a02v1749.pdf Acesso: 12 de maio de 2012.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Etnografia como prática e experiência. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre. jul./dez. 2009, s/v. ano 15, n.32, 129-156. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v15n32/v15n32a06.pdf Acesso: 12 de maio de 2012.

MALHO, Maria João. A criança e a cidade. Independência de mobilidade e representações sobre o espaço urbano. 2003. Dissertação (Mestrado, Ecologia Humana e Problemas Sociais Contemporâneos) - Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2003.

MALINOWSKI, Bronislaw. Introdução: Objecto, método e alcance desta investigação. In MALINOWSKI, Bronislaw (Coleção Pensadores), Argonautas do pacífico ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné Melanésia. São Paulo: Abril Cultural, 1978. pp.17-37.

MARCHI, Rita de Cassia. Pesquisa Etnográfica com Crianças: participação, voz e ética. Educação & Realidade. Porto Alegre. abr./jun. 2018, v.43. n.2, 727-746. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/edreal/v43n2/2175-6236-edreal-43-02-727.pdf Acesso em 17 de outubro de 2018.

MARTINS, Altino José; BARBOSA, Maria Carmem Silveira. Metodologias de pesquisas com crianças. Revista Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul. jul./dez. 2010, v.18. n.2, 08-28. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/1496/1935 Acesso: 25 de junho de 2016.

MASSAGLI, Sérgio Roberto. Homem da multidão e o flâneur no conto “O homem da multidão” de Edgar Allan Poe. Terra roxa e outras terras – Revista de Estudos Literários. jun. 2008, v.12, 55-65. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/article/view/24854/18220 Acesso em 12 de agosto de 2018.

PAIS, José Machado. “Mães de Bragança” e Feitiços: enredos luso-brasileiros em torno da sexualidade. Revista Ciências Sociais. Fortaleza. jul/dez. 2010, v.41. n.2, 9-23. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revcienso/article/view/455/437 Acesso: 18 de outubro de 2018.

PAIS, José Machado. Enredos sexuais, tradição e mudança: as mães, os zecas e as sedutoras além-mar. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2016.

PERETZ, Henri. Métodos em sociologia: a observação. Braga: Temas e debates – Atividades editoriais, 2000.

PONTE, Cristina. A pesquisa em jornalismo e as pesquisas sobre crianças e adolescentes. Revista Contracampo. 2006, s/v. n.15, 07-22. Disponível em: http://periodicos.uff.br/contracampo/article/view/17429/11066 Acesso: 13 de abril de 2016.

PROUT, Alan. Reconsiderando a nova sociologia da infância. Cadernos de Pesquisa. set./dez. 2010, v.40. n.141, p.729-750. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v40n141/v40n141a04.pdf Acesso: 12 de maio de 2014.

ROSA, Ivana Martins. Modos de ser criança no cotidiano da comunidade Chico Mendes: um estudo etnográfico. 2016. 149 f. Dissertação (Mestrado Educação)- Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/172797 Acesso: 25 de agosto de 2016.

SARMENTO, Manuel Jacinto. A cultura das infâncias nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In Sarmento, Manuel Jacinto & Cerisara, Ana Beatriz (Orgs.). Crianças e Miúdos: perspectivas Sociopedagógicas da Infância e Educação. Porto: Edições ASA, 2004. pp. 09-34.

SARMENTO, Manuel Jacinto; et al. Carta da Cidadania Infantojuvenil do Concelho de Guimarães. Guimarães: Associação para o Desenvolvimento das Comunidades Locais (ADCL), 2016. Disponível em: http://www.adcl.org.pt/ccij/noticias/carta_da_cidadania.pdf Acesso: 15 de junho de 2018.

SKANFORS, Lovisa. Ethics in Child Research: Children’s Agency and Researchers’ ‘Ethical Radar’. Childhoods Today. 2009, v.3. (1), 1-23. Disponível em: http://www.childhoodstoday.org/download.php?id=40 Acesso: 12 de agosto de 2018.

VASCONCELOS, Teresa. Ao ritmo de um cortador de relva: ”Entre o estar lá” e o “estar aqui”, o “estar com”. Dilemas e complexidades da etnografia em caminhos pós-modernos de multivocalidade. Educação Sociedade e Cultura. 2000, s/v. n.14, 37-58. Disponível em: https://www.fpce.up.pt/ciie/revistaesc/ESC14/14-3-teresa.pdf Acesso: 15 de março de 2015.

WENETZ, Ileana. As crianças ausentes na rua e nas praças: Etnografia dos espaços vazios. Civitas Revista de Ciências Sociais. Porto Alegre. maio-ago. 2013, v.13. n.2, 346-363. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/civitas/article/view/15477 Acesso: 02 de março de 2017.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2019v21n40p249

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.