As diretrizes curriculares nacionais da educação infantil: em busca de um trabalho pedagógico com qualidade

Alessandra de Carvalho Faria, Maristela Angotti

Resumo


Desde quando creches e pré-escolas foram instituídas a atender educacionalmente a criança brasileira pela Constituição Federal de 1988, avanços foram tomados em se reivindicar a melhoria da Educação Infantil, como elevação da formação do profissional, repasse de verbas, construção de escolas, como também dispositivos legais foram elaborados para orientarem e definirem as práticas pedagógicas da Educação Infantil. Neste artigo pretende-se discutir sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, que definem como devem ser organizadas as práticas pedagógicas, e analisar de que forma as atividades devem ser desenvolvidas nas instituições de Educação Infantil, a objetivar o desenvolvimento integral da criança em busca de um atendimento de qualidade desta etapa da educação básica.

 


Palavras-chave


Educação Infantil; diretrizes curriculares; práticas pedagógicas

Texto completo:

PDF

Referências


ANGOTTI, M. (Org.), Educação infantil: Para quê, Para quem e Por quê? Campinas: editora Alínea, 2006.

ANGOTTI, M. (Org.), Educação infantil: da condição de direito à condição de qualidade no atendimento, Campinas: editora Alínea, 2009.

ASSIS, M. S. S. Práticas de Cuidado e de Educação na Instituição de Educação Infantil: o olhar das professoras In: ANGOTTI, M. (Org.), Educação infantil: Para quê, Para quem e Por quê?, Campinas: editora Alínea, 2006.

BRASIL. Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF, Senado, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC/SEF/COEDI, 2009.

FIGUEIRÓ, J. A. Da violência à cidadania: o desenvolvimento de valores éticos na infância – algumas contribuições da ciência. In: ANGOTTI, M. (Org.), A Educação Infantil em diálogos, Campinas: editora Alínea, 2012.

MARCONDES, K. H. B. Continuidades e descontinuidades na transição da Educação Infantil para o Ensino Fundamental no contexto de nove anos. Tese (Doutorado em Educação Escolar). Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2012.

OLIVEIRA, Z. de M. R. de. O currículo na educação infantil: o que propõem as novas diretrizes nacionais? In: I Seminário Nacional: Currículo em movimento - Perspectivas atuais, 2010, Belo Horizonte. Anais do I Seminário Nacional: currículo em movimento. Perspectivas atuais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2010. v. 1. p. 1-20.

SAVIANI, D. O Plano de Desenvolvimento da Educação: análise do projeto do MEC. Educação e Sociedade. Campinas, vol. 28, n.100, especial out.2007, p. 1231-1255. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v28n100/a2728100.pdf. Acesso em 2013.

SERRÃO, C. R. B. A política da construção ou da justaposição: a Educação Infantil como 1ª etapa da Educação Básica Brasileira. In: ANGOTTI, M. (Org.), A Educação Infantil em diálogos, Campinas: editora Alínea, 2012.




DOI: https://doi.org/10.5007/1980-4512.2014n30p17

Zero-a-Seis, ISSN 1980-4512 Florianópolis, Brasil.