Fundamentalismos religiosos e pequena infância: reflexões que importam à educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e74343

Palavras-chave:

Fundamentalismos religiosos, Pequena infância, Violências, Criança, Abuso espiritual

Resumo

O artigo tem como objetivo trazer algumas reflexões sobre Fundamentalismos Religiosos e Infância. A pesquisa que o embasa discutiu formas de violências em contextos de fundamentalismos religiosos, em uma perspectiva cultural, histórica e sociológica. Buscaram-se histórias de vida de mulheres que sofreram na infância e adolescência algum tipo de violência em tais contextos. A metodologia valeu-se da criação de um blog para que as pessoas interessadas escrevessem suas histórias sobre violências sofridas em contextos de fundamentalismos religiosos. A pesquisa mostra como diferentes métodos e artefatos funcionam para a introjeção de uma crença e a prática do abuso espiritual, desde a pequena infância. Tal violência, por meio de diferentes tipos de manipulações, fortalece um novo conservadorismo, de caráter teocrático, deixando claro que os fundamentalismos existem porque diversos grupos políticos usam a religiosidade na tentativa de ganhar poder.

Biografia do Autor

Roselete Fagundes de Aviz, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professora da Universidade Federal de Santa Catarina, no Departamento de Metodologia de Ensino MEN/CED. Doutora em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (2012), na Linha de Pesquisa "Ensino e Formação de Educadores". Realizou parte do seu doutoramento na Universidade Eduardo Mondlane - Centro de Estudos Africanos, Moçambique (2010 - bolsista CAPES). É mestre em Educação, na Linha Aprendizagem e Desenvolvimento Humano, do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade do Vale do Itajaí/SC - Univali (2005). Tem especialização em Organização e Recepção de Textos pela Universidade da Região de Joinville/SC (1997). É graduada em Letras pela Universidade da Região de Joinville (1996). Realizou estágio de Pós-doutorado, 2017 e 2018, junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da UFSC/CED, na linha de Investigação: Educação e Comunicação, sob supervisão da Profa. Dra. Gilka Girardello, com a temática: Fundamentalismos religiosos sobre meninas e mulheres: aculturação, violências e o papel da educação. É pesquisadora do Núcleo Infância, Comunicação, Cultura e Arte ( NICA-UFSC) e do Núcleo de Estudos e Pesquisa em Alfabetização e Ensino da Língua Portuguesa (NEPALP).

Gilka Elvira Ponzi Girardello, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

Professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina, atua no Programa de Pós-Graduação em Educação, dentro da Linha Educação e Comunicação. Possui graduação em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1978), mestrado interdisciplinar em Ciências Humanas pela New School for Social Research de Nova York (1990) e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1998). Realizou pós-doutorado no Programa de Educacao Urbana da City University of New York (Pesquisadora Visitante/Fulbright/CAPES 2010/2) e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ( 2011/1). Pesquisa principalmente os seguintes temas: comunicação, cultura, infância, imaginação, narrativa e formacao de professores.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Hibisco Roxo. Tradução Júlia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

ARMSTRONG, Karen. Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e no islamismo. São Paulo: Cia das Letras, 2009.

ATWOOD, Margareth. O Conto da Aia. Tradução de Ana Deiró. Rio de Janeiro: Rocco, 1985/2017.

AVIZ, Roselete Fagundes de; GIRARDELLO, Gilka. Escrevivências: o blog e o microblog como espaço de pesquisa em História de Vida. Apresentação de Comunicação Oral no GT16 – Educação e Comunicação, na 39ª Reunião Nacional da ANPED, realizada de 20 a 24 de outubro de 2019.

HINES, Molly. Religious Fundamentalisms and the Systematic Oppression of Women: Margaret Atwood´s “The Handmaid´s Tale”. Tennessee, USA: VDM - Verlag Dr. Müller, 2008.

HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LARROSA, Jorge. Pedagogia Profana: danças, piruetas e mascaradas. 4ª ed., tradução de Alfredo Veiga-Neto. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

MAGALHÃES, Maria José. Construção do Sujeito mulheres: subjetividades das vozes e dos silêncios. In: MAGALHÃES, Maria José et al (org.). Pelo fio se vai à meada: Percursos de investigação através de histórias de vida. Lisboa: Ela por ela, 2012.

MORRISON, Toni. Compaixão. Tradução José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

OFFIT, Paul Allan. Bad Faith: When Religious Belief Undermines Modern Medicine. USA: 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. – 4ª ed. – São Paulo: Cortez, 1997.

SKLIAR, Carlos Bernardo; DUSCHATZKY, Sílvia. O nome dos outros. Narrando a alteridade na cultura e na educação. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (Org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas na diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

SPURGEON, Charles. Haddon. Sermão n. 3278: o livro sem palavras (1911). Tradução de Armando Marcos Pinto. Disponível em: https://bit.ly/2TJjGek. Acesso em: 06 mai 2020.

SOARES, Natália Fernandes. Outras infâncias... A Situação Social das Crianças Atendidas numa Comissão de Protecção de Menores. Portugal: Centro de Estudos da Criança. Universidade do Minho, 2001.

SOW, Fatou. Genre et Fondamentalismes/ Gender and Fundamentalisms. Dakar – Senegal: CODESRIA, 2018.

TOMÁS, Catarina Almeida. Há muitos mundos no mundo… Direitos das Crianças, Cosmopolitismo Infantil e Movimentos Sociais de Crianças – diálogos entre crianças de Portugal e Brasil. Tese de Doutorado. Braga: Instituto de Estudos da Criança; Universidade do Minho, 2006.

WINELL, Marlene. Leaving the Fold: a guide for former fundamentalists and others leaving their religion. Berkely, CA: New Harbinger Publications, 2007.

WINELL, Marlene. Viagem livre: Fontes de recuperação para uma religião prejudicial; liberar e recuperar. Grupo de apoio Online, 2010.

Downloads

Publicado

2021-03-12