Professores homens da Educação Infantil: narrativas e (des)encontros entre corpos, brincadeiras e cuidados

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p605

Palavras-chave:

Educação Infantil, Professores homens, Educação e cuidado, Gênero, Dimensão brincalhona.

Resumo

As narrativas de professores homens da Educação Infantil sobre as imposições e expectativas conferidas a eles e às professoras mulheres no exercício da docência, nestes espaços públicos, educativos e coletivos, são o centro deste artigo. Produzidas por meio de entrevistas semiestruturadas e problematizadas à luz das pesquisas do campo da Educação Infantil e dos estudos sociais da infância, as narrativas revelam diferentes maneiras com que o sexismo e as discriminações de gênero podem impactar na atuação dos professores, como a necessidade de legitimar continuamente suas capacidades profissionais e a vigilância e/ou negação da dimensão do cuidado. Além disso, os professores entrevistados revelam e reconhecem promover e provocar corporalmente diferentes experiências e brincadeiras junto às crianças, contribuindo para ampliação das reflexões sobre a dimensão brincalhona na docência, para a valorização e reconhecimento dos professores e para uma Pedagogia da Educação Infantil em que cuidar e educar de meninas e meninos pequenos seja indissociável para professores e professoras.

Biografia do Autor

Viviane Soares Anselmo

.

Referências

ANSELMO, Viviane Soares. Educação infantil, dimensão brincalhona, gênero e profissão docente: o que professoras e professores têm aprendido com meninas e meninos pequenas/os? Dissertação de Mestrado, FEUSP, São Paulo, 2018.

BADINTER, Elizabeth. Sobre a identidade masculina. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

BECCHI, Egle. Ser menina ontem e hoje: notas para uma pré-história do feminino. Pro-Posições. Campinas/SP, FE-UNICAMP, v.14, n.3 (42): p. 41-52, set./dez., 2003.

BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susanna (orgs.). Manual de educação infantil de 0 a 3 anos. 9ª ed., Porto Alegre/RS: Artes Médicas, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand, 1999.

BRASIL. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. Brasília/DF: MEC, SEB, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12579%3Aeducacao-infantil&Itemid=859. Acesso em: 15/09/2020.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília/DF, MEC, SEB, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=12579%3Aeducacao-infantil&Itemid=859. Acesso em: 15/09/2020.

CAMPOS, Maria Malta; GROSBAUM, Marta; PAHIM, Regina e ROSEMBERG, Fúlvia. Profissionais de Creche. Caderno Cedes. Campinas/SP, CEDES, n.9, p. 39-66, 1991.

CARDOSO, Frederico Assis. Homens fora de lugar? A identidade de professores homens na docência com crianças. 30ª Reunião Anual da ANPED. GT 23, Caxambú/MG, 2007. Disponível em: http://30reuniao.anped.org.br/trabalhos/GT23-3550--Int.pdf. Acesso em: 04/05/2020.

CARVALHO, Marília Pinto de. Vozes masculinas numa profissão feminina. Revista Estudos Feministas. Florianópolis/SC, v. 6, n.2, p. 406-424, 1998.

CERISARA, Ana Beatriz. Professoras de educação infantil: entre o feminino e o profissional. 2ª ed., São Paulo: Cortez, 2002.

CITELI, Maria Teresa. Fazendo diferenças: teorias sobre gênero, corpo e comportamento. Revista Estudos Feministas. Florianópolis/SC, n.9(1), p.131-145, 2001.

DUARTE JR., João-Francisco. O sentido dos sentidos: a Educação (do) sensível. Tese de Doutorado, FE-UNICAMP, Campinas/SP, 2010.

EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella; FORMAN, George. As cem linguagens da criança: abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre/RS: Artes Médicas, 1999.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Educação Pré-Escolar e Cultura. 2ª ed. Campinas/SP: Editora da UNICAMP; São Paulo: Cortez, 1999.

FERNANDES, Isabela Signorelli. Brincadeira, corpo e movimento: um estudo sobre a dimensão brincalhona dos professores da Educação Infantil. Trabalho de Iniciação Científica, Pedagogia, FEUSP, São Paulo, 2014.

FINCO, Daniela. Relações de gênero nas brincadeiras de meninos e meninas na educação infantil. Pro-Posições. Campinas/SP, FE-UNICAMP, v.14, n.3 (42), p. 89-101, set./dez. 2003.

FINCO, Daniela. A educação dos corpos femininos e masculinos na Educação Infantil. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de (org.). O coletivo infantil em creches e pré-escolas: falares e saberes. São Paulo: Cortez, 2007, p. 94-119.

GHEDINI, Patrizia. Entre a experiência e os novos projetos: a situação da creche na Itália. In: ROSEMBERG, Fúlvia; CAMPOS, Maria Malta (orgs.). Creches e pré-escolas no Hemisfério Norte. São Paulo: Cortez e FCC, 1994, p.189-209.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9ª ed., Petrópolis/RJ: Vozes, 2013, p. 30-42.

IZQUIERDO, Maria Jesús. Uso y abuso del concepto de género. In: VILANOVA, Mercedes (org.). Pensar las diferencias. Universidad de Barcelona, 1994, p.31-53.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 11ª ed., Petrópolis/RJ: Vozes, 2010.

MARCELLINO, Nelson Carvalho. Pedagogia da animação. Campinas/SP: Papirus, 1990.

PRADO, Patrícia Dias. As crianças pequenininhas produzem cultura? Considerações sobre educação e cultura infantil em creche. Pro-Posições. Campinas/SP, FE-UNICAMP, v.10, n.1(28), p. 110-118, 1999a.

PRADO, Patrícia Dias. Dar voz e ouvidos às crianças pequenininhas: a dimensão brincalhona em cena. Cadernos de Educação de Infância. Lisboa/PT: APEI, n.49, jan./mar., p.39-40, 1999b.

PRADO, Patrícia Dias. Quer brincar comigo? Pesquisa, brincadeira e Educação Infantil. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; PRADO, Patrícia Dias (orgs.). Por uma cultura da infância: metodologias de pesquisa com crianças. 3ª ed., Campinas/SP: Autores Associados, 2009, p.93-111.

PRADO, Patrícia Dias. Por uma Pedagogia da Educação Infantil de corpos inteiros. In: MELO, José Carlos de; CHAHINI, Thelma Helena Costa (orgs.). Reflexões e práticas na formação continuada de professores da Educação Infantil. São Luís/MA: EdUFMA, 2015. p. 205-219.

PRADO, Patrícia Dias; ANSELMO, Viviane Soares. Masculinidades, feminilidades e dimensão brincalhona: reflexões sobre gênero e docência na Educação infantil. Pro-Posições. Campinas/SP, FE-UNICAMP, v.30, 2019. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010373072019000100555&lng=en&nrm=iso. Acesso em 06/07/2020.

PRADO, Patrícia Dias; ANSELMO, Viviane Soares. “A brincadeira é o que salva”: dimensão brincalhona e resistência das creches/pré-escolas da USP. Educação e Pesquisa, São Paulo, FEUSP, v.46, 2020. Disponível em http://www.revistas.usp.br/ep/article/view/169852/160733. Acesso em: 06/08/2020.

RAMOS, Joaquim. Um estudo sobre os professores homens da Educação Infantil e as relações de gênero na rede municipal de Belo Horizonte/MG. Dissertação de Mestrado, PUC Minas, Belo Horizonte/MG, 2011.

RAMOS, Joaquim. O ingresso e a permanência de professores homens na Educação Infantil: a desconstrução de lugares fixos. 2013. Disponível em:

http://estatico.cnpq.br/portal/premios/2013/ig/pdf/ganhadores_9edicao/Cat_M_Doutorado/JoaquimRamos.pdf. Acesso em: 04/05/2014.

ROSEMBERG, Fúlvia; AMADO, Tina. Mulheres na escola. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 80, p. 62-74, 1992.

ROSEMBERG, Fúlvia; SAPAROLLI, Eliana. O homem como educador infantil. Reunião da ANPOCS, 20. Anais [...] Caxambu/MG: ANPOCS, 1996.

SAYÃO, Deborah Thomé. Corpo e movimento: notas para problematizar algumas questões referentes à Educação Infantil e à Educação Física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Campinas/SP, v. 23, n. 2, p. 55-67, jan. 2002.

SAYÃO, Deborah Thomé. Pequenos homens, pequenas mulheres? Meninos, meninas? Algumas questões para pensar as relações entre gênero e infância. Pro-Posições. Campinas/SP, FE-UNICAMP, v.14, n.3, p. 67-88, set./dez. 2003.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na Educação Infantil: um estudo de professores em creche. Tese de Doutorado. UFSC, Florianópolis/SC, 2005.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre/RS, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SIEBERT, Renate. O adulto frente à criança: ao mesmo tempo igual e diferente. In: BONDIOLI, Anna; MANTOVANI, Susanna (orgs.). Manual de educação infantil de 0 a 3 anos. 9ª ed. Porto Alegre/RS: Artes Médicas, 1998. p. 77-87.

TORRÃO FILHO, Amilcar. Uma questão de gênero: onde o masculino e o feminino se cruzam. Cadernos Pagu. Campinas/SP, UNICAMP, jan./jun., p.127-152, 2005.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília/DF: Abaré, p. 159-180, 2013.

WADA, Maria José Figueiredo Ávila. A professora de creche: a docência e o gênero feminino na educação infantil. Pro-Posições. Campinas/SP, FE-UNICAMP, v.14, n.3 (42), p.53- 65, set./dez. 2003.

Downloads

Publicado

2020-11-05