Profissionais de Educação Infantil na Suécia: limites e possibilidades de compartilhamento de tarefas entre homens e mulheres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p341

Palavras-chave:

Educação Infantil, Profissionais, Gênero, Divisão de tarefas

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal problematizar a divisão do trabalho pedagógico entre homens e mulheres que atuam em pré-escolas na Suécia. Nesse sentido, busca-se refletir sobre como as responsabilidades e tarefas são divididas a partir do gênero dos profissionais no cotidiano das pré-escolas. Dessa forma, utiliza-se como principal referencial teórico a categoria de “gênero”, a partir dos estudos de Judith Butler. Para tanto, parte-se de uma investigação mais ampla, realizada em duas instituições educacionais e cujo escopo da investigação se constituiu de nove profissionais, sendo sete mulheres e dois homens. Por meio da observação sistemática do cotidiano laboral desses profissionais, e apoiados nos estudos de gênero, os resultados apontaram que não há uma paridade no que diz respeito à na divisão de tarefas e práticas realizadas pelos profissionais investigados, visto que as mulheres trazem mais para si a responsabilidade de estabelecer normas e regras com as crianças.

Biografia do Autor

Ricardo Gonçalves de Sousa, Universidade de Örebro

Departamento de Humanas, Educação e Ciências Sociais

Weslei Lopes da Silva, Universidade do Estado de Minas Gerais / Famart

Departamento de Educação

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília-DF, MEC, 1998.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. RJ: Ed. Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2005.

BUTLER, Judith. Deshacer el gênero. Buenos Aires: Paidós, 2006.

CARVALHO, Marília Pinto. No coração da sala de aula: gênero e trabalho docente nas séries iniciais. São Paulo: ED. Xamã, 1999.

CARVALHO, Marília Pinto. Gênero na análise sociológica do trabalho docente: um palco de imagens. In: PEIXOTO, Ana Maria Casassanta, PASSOS, Mauro (Orgs.) A escola e seus atores – educação e profissão docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2005, p. 89-114.

CORRÊA, Bianca Cristina. Considerações sobre qualidade na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, n. 19, jul., p. 85-112, 2003.

CRUZ, Elizabete Franco. “Quem leva o nenê e a bolsa?”: o masculino na creche. In: ARRILLA, Margareth; RIDENTI, Sandra G. Unbehaum; MEDRADO, Benedito (Orgs). Homens e Masculinidades: outras palavras. SP: ECOS/Ed 34, 1998.

DE LAURETIS, Teresa. A tecnologia de gênero. In: HOLANDA, Heloisa Buarque de (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

ERIKSSON, Anitta. Förskollärarens förtydligade ansvar - en balansgång mellan ett demokratiskt förhållningssätt och att utöva yrkeskunskap. Journal of Nordic Early Childhood Education, Finlândia, v. 7, t. 7, p. 1-17, 2014.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 26 ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

GANNERUD, Eva. Lärares liv och arbete i ett genusperspektiv. Stockholm: Liber, 2001.

GANNERUD, Eva. Lärararbetets relationella praktiker. Ett genusperspektiv på lärares arbete (IPD-rapporter, 2003:04). Göteborg: Institutionen för pedagogik och didaktik, Göteborgs universitet, 2003.

GONÄS, Lena; LINDGREN, Gerd; BILDT, Carina (Org.). Könssegregering i arbetslivet. Stockholm: Arbetslivsinstitutet, 2001.

HAVUNG, Margareta. Anpassning till rådande ordning. En studie av manliga förskollärare i förskoleverksamhet. 2000. Tese (Doutorado em Educação) - Institutionen för pedagogik, Lärarhögskolan i Malmö, Malmö, 2000.

HEARN, Jeff; PRINGLE, Keith. Men, masculinities and children: Some European perspectives. Critical Social Policy, SAGE publications: Londres, Califórnia e Nova Déli, v. 26, t. 2, p. 365-389, 2006.

JALMERT, Lars. Utbildning, kön och makt. In: FRANCK, Olof (Org.). Genusperspektiv i skolan – om kön, kärlek och makt. Lund: Studentlitteratur, 2007. p. 107-121.

MOTEVASEL, Ingrid Nilsson. Genusperspektiv på yrkesmässiga relationer – Omsorg i mans- och kvinnodominerade yrken. Lund: Studentlitteratur, 2002.

NORDBERG, Marie. ”Kvinnlig maskulinitet” och ”manlig femininitet”. En möjlighet att överskrida könsdikotomin? Kvinnovetenskaplig tidskrift, Suécia, v. 1-2, t. 4, p. 48-65, 2004.

NORDIN-HULTMAN, Elisabeth. Pedagogiska miljöer och barns subjektsskapande. Stockholm: Liber, 2004.

ROBERTSSON, Hans. Maskulinitetskonstruktion, yrkesidentitet, könsegregering och jämställdhet. Stockholm: Arbetslivsinstitutet, 2003.

SANDBERG, Anette; PRAMLING-SAMUELSSON, Ingrid. An Interview Study of Gender Differences in Preschool Teachers’ Attitudes Toward Children’s Play. Early Childhood Education Journal, Internacional, v. 32, t. 5, p. 297-305, 2005.

SAPAROLLI, Eliana. Educador infantil: uma ocupação do gênero feminino. Dissertação (Mestrado em Educação). São Paulo: PUC-São Paulo, 1997.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. In: Educação e realidade. Porto Alegre, n. 16, p. 5-19, jul.dez. 1990.

SILVA, Weslei Lopes. Homens na roda: vivências e interações corporais nas séries iniciais da Educação Básica. Dissertação (Mestrado em Educação). Belo Horizonte: PUC-Minas, 2006.

SILVA, Weslei Lopes. O sexo incorporado na web: cenas e práticas de mulheres strippers. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Belo Horizonte: PUC-Minas, 2014.

SKOLVERKET. Departamento de Educação da Suécia. PM – Barn och personal i förskolan hösten 2016. Stockholm: Skolverket, 2017. Disponível em: https://www.skolverket.se/publikationsserier/beskrivande-statistik/2017/pm---barn-och-personal-i-forskolan-hosten-2016. PDF. Acesso em: 17 nov. 2019.

SKOLVERKET. Departamento de Educação da Suécia. Läroplanen för förskolan. Stockholm: Skolverket, 2018. Disponível em: https://www.skolverket.se/download/18.6bfaca41169863e6a65d5aa/1553968116077/pdf4001.pdf. Acesso em: 03 mai. 2020.

SUMSION, Jennifer. Negotiating Otherness. A male early childhood educator’s gender positionering. International Journal of Early Years Education, Internacional, v. 8, t. 2, p. 129-140, 2000.

TALLBERG BROMAN, Ingererd. Pedagogiskt arbete och kön: med historiska och nutida exempel. Lund: Studentlitteratur, 2002.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Corpo presente: antropologia do corpo e da incorporação. VALE DE ALMEIDA, Miguel. Corpo presente: treze reflexões antropológicas sobre o corpo. Portugal: Celta, 1996.

VETENSKAPSRÅDET. God forskningssed. Publicações Vetenskapsrådet, 2017 Disponível em: https://www.vr.se/analys-och-uppdrag/vi-analyserar-och-utvarderar/alla-publikationer/publikationer/2017-08-29-god-forskningssed.html. PDF. Acesso em: 17 nov. 2019.

WESTLUND, Ingrid. Hermeneutik. In: FEJES, Andreas; Thornberg, Robert (Org.), Handbok i kvalitativ analys. Stockholm: Liber, 2015, p. 71-89.

WOHLGEMUTH, Ulla Gerner. Why do men choose to become pedagogues? A profession continuously in pursuit of males colleages. European Early Childhood Education Research Journal, Internacional, v. 23, t. 3, p. 392-404, 2015.

Downloads

Publicado

2020-11-05