“Enfrentei muitas tempestades como professor de Educação Infantil”: um debate sobre identidade docente e homossexualidade masculina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p580

Palavras-chave:

Educação Infantil, Relações de gênero, Identidade docente, Diversidade sexual

Resumo

Este artigo aborda questões sobre identidade docente, relações de gênero e diversidade sexual no âmbito da Educação Infantil. Discute a construção da identidade docente a partir das experiências de professores homens assumidamente gays que atuam ou atuaram diretamente com a educação e com o cuidado de crianças pequenas, em creches e pré-escolas. A partir das respostas a questionários semiabertos, a pesquisa analisa as experiências desses docentes, buscando compreender as possibilidades, os entraves e os desafios do trabalho educativo com crianças pequenas. Este estudo traz o debate acerca das causas e consequências geradas tanto pelo preconceito de gênero, quanto pela discriminação sexual dentro dessas instituições de Educação Infantil. Busca, portanto, contribuir para o avanço do conhecimento no campo da Educação Infantil, além do combate ao sexismo e à homofobia.

 

Biografia do Autor

Vinicius Expedito Mena de Oliveira, Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

Pedagogo formado pela Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, Departamento de Educação, Guarulhos - Brasil, viniciusmena@gmail.com


Daniela Finco, Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP

Pós-doutora em Educação pela  Università di Milano-Bicocca - Itália, Professora Associada da Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, Departamento de Educação, Guarulhos - Brasil, dfinco@unifesp.br

Referências

AMÂNCIO, Lígia Barros Queiroz. Masculino e feminino: a construção social da diferença. Lisboa, Edições Afrontamento, 1998.

ÁVILA, Maria José Figueiredo. As professoras de crianças pequenininhas e o cuidar e educar. 2002. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2002.

BATISTA, Rosa Rosa; ROCHA, Eloisa Candal. Docência na Educação Infantil: origens de uma constituição profissional feminina. Zero-a-Seis, Florianópolis, v. 20, n. 37, p. 95-111, maio, 2018.

BORRILLO, Daniel. Homofobia: história e crítica de um preconceito. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Combate à Discriminação (CNCD). Brasil sem homofobia: programa de combate à violência e à discriminação e de promoção da cidadania homossexual. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República, 2004.

BRASIL. Ministério de Educação e Cultura. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996 (LDB). Estabelece as diretrizes e bases da Educação Nacional. Brasília, MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad). Gênero e diversidade sexual na escola: reconhecer e superar preconceitos (Cadernos Secad, 4). Brasília, DF, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatística da Educação Básica, 2020.

BRASIL. Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH). Texto-base da Conferência Nacional de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Brasília: SEDH. 2008.

BRITZMAN, Deborah. O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 71-96, jan/ jun., 1996.

CAMBI, Franco. La Scoperta del genere. Società Italiana, cultura pedagógica e questione femminile. In: ULIVIERI, Simonetta. Educazione e ruole femminile. La condizione delle donne in Italia nel dopoguerra a oggi. La Nuova Italia, 2000.

CERISARA, Ana Beatriz. Professoras de Educação Infantil: entre o feminino e o profissional. São Paulo: Cortez, p.1-50, 2002.

DEWES, João Osvaldo. Amostragem em Bola de Neve e Responfrnt-Driven Sampling: uma descrição de métodos. 2003. Monografia (Bacharelado em Estatística) – Instituto de Matemática, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, dez/2003.

FINCO, Daniela. Faca sem ponta, galinha sem pé, homem com homem, mulher com mulher: relações de gênero de meninos e meninas na pré-escola. 2004. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2004.

FINCO, Daniela. A presença dos professores homens na Educação Infantil: desafios atuais da luta contra as violências de gênero. Revista Pátio: Gênero e Infância, Porto Alegre, v. 11, jun. 2016.

JUNQUEIRA, Rogério. Homofobia nas escolas: um problema de todos. In: JUNQUEIRA, Rogério Diniz (Org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009.

KUHLMANN JR, Moysés. Educando a Infância Brasileira. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira; FARIA Filho, Luciano Mendes e VEIGA, Cynthia Greive. 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. p. 469-496.

LIONÇO, Tatiana; DINIZ, Debora. Homofobia, silêncio e naturalização: por uma narrativa da diversidade sexual. Revista Psicologia Política, São Paulo, v.8, n.16, p.307-324, jul./dez. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v8n16/v8n16a09.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.

LOURO, Guacira Lopes. Pedagogias da sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MEDRADO, Benedito. Homens na arena do cuidado infantil: imagens veiculadas pela mídia. In: ARILHA, Margareth; UNBEHAUM, Sandra G.; MEDRADO Benedito Medrado. (Org.). Homens e masculinidades: outras palavras. São Paulo: ECOS, ed. 34, 1998.

OLIVEIRA, Vinicius Expedito Mena de. “Enfrentei muitas tempestades como professor de Educação Infantil”: homossexualidade masculina e identidade docente. 2018. Monografia (Conclusão de Curso de Pedagogia) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2018.

RABELO, Amanda Oliveira. Professores discriminados: um estudo sobre os docentes do sexo masculino nas séries do ensino fundamental. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 907-925, out./dez. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ep/v39n4/aop1132.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.

RAMOS, Joaquim. O ingresso e a permanência de professores homens na Educação Infantil: a desconstrução de lugares fixos. In: BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. 9º Prêmio construindo a igualdade de gênero. Redações, artigos científicos e projetos pedagógicos premiados, 2013. Brasília: Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013. p. 27-57. Disponível em: http://estatico.cnpq.br/portal/premios/2014/ig/pdf/spm_9premio_web.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.

RAMOS, Joaquim. Um estudo sobre os professores homens na Educação Infantil e as relações de gênero na rede Municipal de Belo Horizonte – MG. 2011. Dissertação (mestrado em educação) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC-MG, 2011.

RIOS, Roger Raupp. O conceito de homofobia na perspectiva dos direitos humanos e no contexto dos estudos sobre preconceito e discriminação. In: POCAHY, F. Rompendo o silêncio: homofobia e heterossexismo na sociedade contemporânea. Políticas, teoria e atuação. Porto Alegre: Nuances, 2007. p. 27-28.

SAPAROLLI, Eliana. Educador infantil: uma ocupação de gênero feminino. 1997. Dissertação (Mestrado em Educação) — Pontifícia Universidade Católica - PUC-SP, São Paulo, 1997.

SAYÃO, Deborah Thomé. Relações de gênero e trabalho docente na Educação Infantil: um estudo de professores em creches. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina., Florianópolis, 2005. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/106572. Acesso em: 22 set. 2020.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 72, jul. /dez. 1995.

SILVA, Peterson Rigato da; SILVA, Tassio José; FINCO, Daniela. Relações de gênero, educação da pequena infância e mudanças políticas no Brasil: contribuições para um estado da arte. Cadernos Pagu, Campinas, vol.29, n.58, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/cpa/n58/1809-4449-cpa-58-e205815.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.

SILVA, Peterson Rigato da. Não sou tio, nem pai, sou professor! A docência masculina na Educação Infantil. 2014. (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), 2014. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/319170/1/Silva_PetersonRigatoda_M.pdf. Acesso em: 22 set. 2020.

SILVA, Peterson Rigato da. A presença masculina na Educação Infantil: diversidade e identidades na docência. In: FARIA, Ana Lúcia G. de; FINCO, Daniela (Org.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 104-120.

SILVA, Peterson Rigato da. Construindo um outro olhar sobre o docente na Educação Infantil: memórias de um profissional de pré-escola pública piracicabana. 2006. Monografia (Conclusão de Curso de Pedagogia) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas. Campinas: Unicamp, 2006.

SILVA, Karine Zimmer da; BUSS-SIMÃO, Márcia. Gênero, sexo e sexualidade na educação infantil: o que dizem os documentos da rede municipal de ensino de Florianópolis. Zero-a- Seis, Florianópolis, v. 20, n. 37, p. 27-41, mai. 2018.

Downloads

Publicado

2020-11-05