Homens e crianças: corpos e sexualidades no meio aquático

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2020v22n42p684

Palavras-chave:

Homens, Crianças, Gênero, Sexualidade, Etnografia

Resumo

Este artigo se propõe a resgatar o debate sobre homens na educação infantil, problematizando questões de gênero e sexualidade de corpos de crianças no contato de aprendizagem com homens adultos, em meio aquático. Para tanto, assenta-se numa etnografia, realizada em aulas para bebês e crianças numa academia de natação, a fim de tensionar ideias e preconceitos instituídos nos discursos sobre sexo, gênero e sexualidade. Concluiu-se que operam marcadores sexuais e de gênero e que, quanto mais as crianças avançam na aprendizagem das técnicas de nado, mais os temas relativos ao corpo sexual se tornam tabus para adultos envoltos neste processo.

Referências

ABRAMOWICZ, Anete; OLIVEIRA, Fabiana. A sociologia da infância no Brasil: uma área em construção. Educação, Santa Maria, v. 35, n. 1, p. 39-52, jan./abr. 2010. Disponível em < http://www.ufsm.br/revistaeducacao >. Acesso em 10 jul 2020.

ARIÈS, Phillippe. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

BEE, Helen. A criança em desenvolvimento. Trad. Cristina Monteiro. 12ª. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BEINEKE, Viviane. Culturas infantis e produção de música para crianças: construindo possibilidades de diálogo. In: Actas do I Congresso em Estudos da Criança: Infâncias Possíveis, Mundos Reais. Universidade do Minho, Portugal. 2008. p. 01-15.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento, Porto Alegre, Editora Zouk, 2007.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira L. O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. Disponível em < https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/1230/Guacira-Lopes-Louro-O-Corpo-Educado-pdf-rev.pdf?sequence=1>.

BROUGÈRE, Gilles. A criança e a cultura lúdica. In: KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). O brincar e suas teorias. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002. p. 19-32.

BUJES, Maria I. Edelweiss. Infância e Maquinarias. Doutorado (tese). Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), 2001.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Relações sociais na educação infantil: olhar sobre o corpo e os sentimentos. Educação, 37(1), 101-109, 2014.

CARDOSO, Daniel. Notas sobre a criança transviada: considerações queerfeministas sobre infâncias. Periódicus, Salvador, n. 9, v. 1, maio-out/2018. p. 214-233. Disponível em < https://www.researchgate.net/publication/325804532_Notas_sobre_a_Crianca_transviada_consideracoes_queerfeministas_sobre_infancias >. Acesso 01 jan 2019.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. Revista de Antropologia, 1996, v. 39, n. 1 (1996), p. 13-37.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 'Cultura' e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo, Cosac Naify, 2009. p. 311-373.

CHAMBERLAIN, Prudence. The Feminist Fourth Wave: Affective Temporality (e-Book). London: Palgrave Macmillan, 2017.

CLIFFORD, James. Sobre a Autoridade Etnográfica (pp. 17-62). In: A Experiência Etnográfica: antropologia e literatura no século XX. RJ: editora UFRJ, 1998.

CONNELL, Robert W. Masculinities. 2nd ed. Berkeley: University of California, 2005.

CORSARO, William A. Métodos etnográficos no estudo da cultura de pares e das

transições iniciais na vida das crianças. In: MÜLLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maira Almeida (orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009. p. 31-50.

DELEUZE, Gilles. A imanência: uma vida... Revista Educação & Realidade. 27(2):10-18 jul./dez 2002. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/7182897/Deleuze-Gilles-A-Imanencia-Uma-Vida >, acesso em 10 fev 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Vol 1. Trad. Aurélio Neto e Celia Costa. São Paulo, Editora 34, 2010.

DE OLIVEIRA LEMOS, Rosalia. Os feminismos negros: a reação aos sistemas de opressões. Revista Espaço Acadêmico, v. 16, n. 185, p. 12-25, 2016. Disponível em < http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/33592 >. Acesso em 05 jun 2020.

ERGAS, Yasmine. O sujeito mulher: o feminismo dos anos 1960 a 1980. In: DUBY, Georges; PERROT, Michelle. História das Mulheres no Ocidente. Porto: Edições Afrontamentos. São Paulo/Ebradil, 1995. p. 582-611.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Cadernos de Campo, n. 13: 155-161, 2005.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Trad. Raquel de Ramalhete. 28a. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber I. 8. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985

GEERTZ, Clifford. Obras e vidas – o antropólogo como autor. Trad. Vera Ribeiro. 3ª ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Bela, Feminina e Maternal: imagens da mulher na Revista de Educação Physica. Ijuí: Unijuí, 2003.

GOTTLIEB, Alma. Para onde foram os bebês? Em busca de uma antropologia de bebês (e de seus cuidadores). Psicologia USP, São Paulo, jul/set, 2009, 20 (3), p. 313-336.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2001.

LE BRETON, David. Adeus ao corpo: antropologia e sociedade. 5ª edição. Trad. Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 2011.

MACHADO, Igor J. de Renó. Sobre bebês e totemismo. Mana, 12 (2): 389-418, 2006.

MARANHÃO Filho, Eduardo M. A.; DE FRANCO, Clarissa. “Menino veste azul e menina, rosa” na Educação Domiciliar de Damares Alves: As ideologias de gênero e de gênesis da “ministra terrivelmente cristã” dos Direitos Humanos. Revista Brasileira de História das Religiões, v. 12, n. 35, 2019. p. 297-337. Disponível em < http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RbhrAnpuh/article/view/48106>. Acesso em 08 jul 2020.

MAUSS, Marcel. As técnicas do corpo. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. Trad. Paulo Neves. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p. 399-422.

MÜLLER, Fernanda; CARVALHO, Ana Maria Almeida (Orgs.). Teoria e prática na pesquisa com crianças: diálogos com William Corsaro. São Paulo: Cortez, 2009.

ORTNER, Sherry. Poder e projetos: reflexões sobre a agência. In: GROSSI, Miriam P.; ECKERT, Cornelia; FRY, Peter (orgs). Conferências e diálogos: saberes e práticas antropológicas. Goiânia: Nova Letra, 2006.

OWEN, Charlie. Men in the nursery. In: BRANNEN, Julia; MOSS, Peter (Ed.). Rethinking Children’s Care. Open University Press, 2003. p. 99-113.

PEETERS, Jan et al. Including men in early childhood education: Insights from the European experience. New Zealand Research in Early Childhood Education, v. 10, p. 15, 2007. Disponível em < https://www.researchgate.net/publication/237713315_Including_Men_in_Early_Childhood_Education_Insights_from_the_European_Experience >. Acesso em 07 jul 2020.

PEIRANO, Mariza. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 42, p. 377-391, jul./dez. 2014. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/ha/v20n42/15.pdf>. Acesso em 24 Jan. 2019.

PEIRANO, Mariza. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

RAMOS, Raphaela. #Exposed: mulheres usam Twitter para relatar casos de assédio e violência ocorridos no Brasil. O Globo (online). 04/06/2020. Disponível em <https://oglobo.globo.com/celina/exposed-mulheres-usam-twitter-para-relatar-casos-de-assedio-violencia-ocorridos-no-brasil-24460596>. Acesso em 27 jun 2020.

ROSEIRO, Bruno. Larry Nasser: a história do monstro que abusou de centenas de atletas durante mais de 20 anos. Observador. 21/01/2018. Disponível em <https://observador.pt/especiais/larry-nassar-a-historia-do-monstro-que-abusou-de-centenas-de-atletas-durante-mais-de-20-anos/>. Acesso em 20 jun 2020.

RUBIN, Gayle, The traffic in women: notes on the political economy of sex. In: Rayna Reiter (org), Toward an anthropology of women. New York: Monthly View Press, 1975. (Trad. Bras. Jamille Pinheiro Dias. In: Políticas do sexo, São Paulo: UBU, 2017).

SCHWINN, Simone Andrea; FUNCK, Luana Elisa. ‘MENINOS VESTEM AZUL, MENINAS VESTEM ROSA’: Como os estereótipos de gênero podem contribuir com a manutenção da desigualdade entre mulheres e homens. Seminário Internacional Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, 2019. Disponível em <https://online.unisc.br/acadnet/anais/index.php/sidspp/article/view/19612/1192612327>. Acesso em 10 jul 2020. p. 01-16.

SCOTT, Joan: Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, 16 (2), jul-dez 1990, p. 5-22. Disponível em: <http://www.direito.caop.mp.pr.gov.br/arquivos/File/SCOTTJoanGenero.pdf>. Acesso em 29 mai 2020.

SILVA, João Paulo; PARAÍSO, Marlucy A. Para uma cartografia de infâncias queer no currículo escolar. Revista Educação em Questão, Natal, v. 57, n. 54, p. 1-21, e-18585, out/dez 2019. Disponível em <https://periodicos.ufrn.br/educacaoemquestao/article/view/18585 >. Acesso em 10 jun 2020.

SIMONDON, Gilbert. A gênese do indivíduo. In: PELBART, P. P.; COSTA, R. (Org.) Cadernos de Subjetividade: o reencantamento do concreto. Trad. Ivana Medeiros. São Paulo: Hucitec, 2003. p. 97-117.

TEBET, Gabriela G.; ABRAMOWICZ, Anete. Estudos de Bebês: Linhas e perspectivas de um campo em construção. Revista ETD- Educação Temática Digital. Campinas, v.20, n.4, p. 924-946, out./dez. 2018. Disponível em < https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=7130497 >. Acesso em 07 jul 2020.

TEBET, Gabriela G.; ABRAMOWICZ, Anete. O bebê interroga a sociologia da infância. Linhas Críticas, v. 20, n. 41, jan-abr, 2014. p. 43-61.

TEBET, Gabriela G. Isto não é uma criança! Teorias e métodos para o estudo de bebês nas distintas abordagens da sociologia da infância de língua inglesa. Tese (Doutorado), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), 2013.

VALE DE ALMEIDA, Miguel. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século, 1995.

VÁSQUEZ, Jorge Daniel. Adultocentrimo y Juventud: aproximaciones foucaulteanas. Sophia, Colección de Filosofía de la Educación, n. 15, p. 217-234, 2013. Disponível em < https://www.redalyc.org/pdf/4418/441846100009.pdf >. Acesso em 15 jul 2020.

WACQUANT, Loïc. Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

WILSON, Elizabeth. Enfeitada de Sonhos. Lisboa: Edições 70, 1985.

Downloads

Publicado

2020-11-05