Análise de fatores influentes na relação entre constribuições e benefícios previdenciários

Luciano Henrique Fialho Botelho, Luiz Antônio Abrantes, Marco Aurélio Marques Ferreira, Thiago de Melo Teixeira da Costa

Resumo


Este estudo procurou identificar fatores que podem corroborar com as diferenças entre as arrecadações e despesas previdenciárias (RGPS) no que tange aos municípios de Minas Gerais. Na revisão de literatura, discutiu-se as clientelas previdenciárias, a influência dos cenários trabalhistas e demográficos e socioeconômicos na previdência social, o debate sobre o déficit previdenciário e a conexão entre a previdência social, as finanças públicas e o Estado de bem-estar social. Quanto a metodologia, foi utilizada a Análise Exploratória de Dados, Análise Fatorial, e o Teste de Independência de Qui-Quadrado, visando associar entre os fatores encontrados e o Indicador de Resultado Previdenciário Primário (IRPP) criado. Os resultados demonstraram a conexão do IRPP às condições socioeconômicas municipais, confirmando a hipótese testada. Ademais, verificou-se relação entre aspectos de localidade populacional, demográficos, trabalhistas e de desenvolvimento humano com o mesmo indicador.  Concluiu-se os desequilíbrios financeiros no RGPS podem ser retratados por cenários socioeconômicos negativos

Palavras-chave


Previdência Social; Finanças Previdenciárias; Demografia e Mercado de Trabalho; Desenvolvimento Socioeconômico; Minas Gerais Demografia e Mercado de Trabalho; Desenvolvimento Socioeconômico; Minas Gerais

Texto completo:

PDF/A

Referências


AFONSO, L. E. Progressividade e Aspectos Distributivos na Previdência Social: Uma Análise com o Emprego dos Microdados dos Registros Administrativos do RGPS. Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro v.70n.1/p.3–30 Jan-Mar, 2016.

ALMEIDA-FILHO, N. de; PAIM, J. S.; VIEIRA-DA-SILVA, L. M. Saúde Coletiva: futuros possíveis. In: In: Paim JS, Almeida-Filho N, organizadores. Saúde coletiva: teoria e prática. 1a ed. Rio de Janeiro: Medbook; 2014.

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Consulta. 2013. Disponível em: < http://atlasbrasil.org.br/2013/pt/consulta/ >. Acesso em: 10 nov. 2016.

ATLAS DO DESENVOLVIMENTO HUMANO NO BRASIL. Glossário. Disponível em: < http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/o_atlas/glossario/ >. Acesso em: 11 nov. 2016.

BALASSIANO, M.; SEABRA, A. A de.; LEMOS, A. H. Escolaridade, Salários e Empregabilidade: Tem Razão a Teoria do Capital Humano?. RAC, v. 9, n. 4, Out./Dez. 2005.

BARR, N.; DIAMOND, P. Pension reform: A short guide. New York: Oxford University Press, 2010.

BATANERO C.; ESTEPA A.; GODINO J.D. Análisis exploratorio de datos: sus posibilidades en la enseñanza secundaria. Suma, 9, 25-31. 1991.

BITENCOURT, B. M.; GALLON, S; BATISTA, K. M.; PICCININI, V. C. Para Além do Tempo de Emprego: o sentido do trabalho no processo de aposentadoria. Revista de Ciência da Admnistração, v.13, n 31, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. LEI Nº 8.212, DE 24 DE JULHO DE 1991. Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8212cons.htm >. Acesso em 07 de Novembro de 2016.

BRASIL. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre a organização da Seguridade Social, institui Plano de Custeio, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2016.

BURKHAUSER, R. ET AL. Social Security research at the Michigan retirement research center. Social Security Bulletin - Vol.69 – No. 4. 2009.

BUSQUETS, J. M. Las re-reformas de los sistemas de pensiones en: Argentina, Bolivia, Chile y Uruguay. (2003-2010). Cuarto Congreso Uruguayo de Ciencia Política, “La Ciencia Política desde el Sur”, Asociación Uruguaya de Ciencia Política, 14-16 de noviembre de 2012.

CIRINO, J. F.; GONZÁLEZ, A. M. G. O. A heterogeneidade do desenvolvimento econômico do estado de Minas Gerais. Revista de C. Humanas, Viçosa, v. 11, n. 1, p. 9-23, jan./jun. 2011.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES DA AGRICULTURA (CONSAG). Previdência Social Rural: Potencialidades e Desafios. Brasília, 2016.

CUNHA, A. R. G. Contabilidade Previdenciária: um estudo sobre o grau de conformidade das práticas contábeis dos Regimes Próprios de Previdência Social dos municípios pernambucanos. Dissertação de Mestrado, Recife: UFPE, 2013.

DAVI, J. et al. A Seguridade Social em tempos de crise do capital: o desmonte de seu orçamento. SER Social, Brasília, v. 12, n. 26, p. 59-87, jan./jun. 2010.

DELGADO, G. C. Previdência Social e Desenvolvimento Rural. In: GRISA, C.; SCHNEIDER, S. Políticas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil. Editora UFRGS, p. 429 – 442, 2015.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE); Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (ANFIP). Previdência: reformar para excluir? Contribuição técnica ao debate sobre a reforma da previdência social brasileira – Brasília: DIEESE/ANFIP; 2017.

ESPING-ANDERSON, GOSTA. O futuro do Welfare State na nova ordem mundial. In: Lua Nova, número 35. Princeton, Princeton university press, 1995.

ESPING-ANDERSON, G. As três economias políticas do Welfare State. In: The theree worlds of welfare capitalism. Princeton, Princeton university press, 1990.

FEDERAÇÃO DAS INDUSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Índice FIRJAN de desenvolvimento municipal. Disponível em:< http://www.firjan.com.br/ifdm/ >. Acesso em: 11 nov. 2016.




DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8077.2018V20n52p23

Revista de Ciências da Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Administração, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial da Revista RCA, encaminhe um e-mail para rca.cse@contato.ufsc.br

ISSNe 2175-8077    ISSN 1516-3865

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.