Capacidade absortiva e orientação empreendedora dos jornais brasileiros

Autores

  • Marina Adriano de Andrade Universidade do Vale do Itajaí - Univali https://orcid.org/0000-0001-7347-8791
  • Fernando César Lenzi Universidade do Vale do Itajaí
  • Carlos Ricardo Rossetto
  • Sayonara de Fatima Teston

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e67496

Palavras-chave:

Orientação Empreendedora, Capacidade Absortiva, Jornalismo Impresso

Resumo

Ambientes turbulentos exigem das firmas capacidade de aprender e aplicar o conhecimento de maneira rápida e efetiva para garantir processos empreendedores, inovações e resultado. Esta pesquisa busca avaliar a capacidade absortiva dos jornais brasileiros com a orientação empreendedora destas organizações. O objeto do estudo foi escolhido levando-se em consideração o momento de transformação deste tipo de negócio a partir das consequências que a internet trouxe para a forma como as pessoas consomem informação. Com uma abordagem quantitativa, o trabalho conclui que a capacidade absortiva das empresas estudadas influencia na orientação empreendedora das mesmas. O resultado foi obtido a partir de uma survey aplicadacom os principais gestores de empresas que possuem veículos de mídia impressa no Brasil. Além de comprovar a hipótese da pesquisa por meio de uma modelagem de equação estrutural, o estudo utiliza análises estatísticas para identificar e mensurar as dimensões de OE (Lumpkin & Dess, 1996) e ACAP (Zahra & George, 2002).

Biografia do Autor

Fernando César Lenzi, Universidade do Vale do Itajaí

Doutor em Administração pela FEA - USP/SP. Mestre em Administração (FURB). Especialista em Gerenciamento de Marketing pelo INPG/FURB. Possui Graduação em Administração de Empresas (FURB). Foi Secretario de Administração da Prefeitura Municipal de Blumenau e trabalhou em outras atividades públicas no governo do estado de Santa Catarina. Trabalhou como consultor e prestador de serviços do SEBRAE/SC. Professor Titular da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Professor permanente dos programas de Mestrado e Doutorado da UNIVALI: PPGA e PMGPP. Professor de Pós Graduação em diversas Universidades no País. Tem grande experiência na área de Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: empreendedorismo, marketing, comportamento empreendedor, relacionamento e administração. Autor de diversos artigos nacionais e internacionais. Autor e Organizador do livro "O Empeendedor de Visão" pela Editora Atlas. Autor do livro "A Nova Geração de Empreendedores" também pela mesma editora. Autor e Organizador do livro "Ação Empreendedora" pela Editora Gente. Autor do livro "Talentos Inovadores na Empresa" pela Editora IBPEX. Autor e Organizador do livro "Marketing Empreendedor" pela Editora IBPEX. 

Carlos Ricardo Rossetto

Carlos Ricardo Rossetto, pesquisador com Bolsa Produtividade do CNPq, concluiu o doutorado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina em 1998. Atualmente é professor visitante Universidade Nacional de San Aguntin (UNSA) e professor titular da Universidade do Vale do Itajaí. Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração onde estão inseridos os cursos de Mestrado e Doutorado em Administração ministrando as disciplinas de Análise Macro-Organizacional e Planejamento e Estratégia. Seu foco de pesquisa é nos estudos sobre ambiente, comportamento estratégico, recursos e desempenho em organizações do trade turístico e sua configuração no território. Além disso, estuda instrumentos de gestão, a partir dos conceitos de sustentabilidade, que visem à inserção do setor turístico na dinâmica das localidades. Publicou 25 artigos em periódicos especializados e 178 trabalhos em anais de eventos. Possui 15 capítulos de livros e 4 livros publicados. Possui 53 itens de produção técnica. Orientou 28 dissertações de Mestrado e cinco teses de Doutorados. Atua na área de Administração, com ênfase em Estratégia Empresarial e Adaptação Estratégica. Em suas atividades profissionais interagiu com 72 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos.

Sayonara de Fatima Teston

Doutora em Administração pela Universidade do Vale do Itajaí (2018), Mestre em Administração pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2014), Formação para o Magistério Superior pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (2009), Especialização em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (2002), Graduação em Psicologia pela Universidade de Passo Fundo (2000). Atua como Professora e Pesquisadora na Unoesc. Docente do Mestrado Profissional em Administração. Membro dos Grupos de Pesquisa em Sustentabilidade e Organizações e em Ciências da Vida em Pesquisa (CVIP). Os interesses de pesquisa e a produção técnica são focados em: gestão de pessoas, sucessão familiar, psicologia positiva. Trabalha na área de gestão de pessoas desde 2001. Membro do Conselho de Gestão do Campus de Chapecó. Proprietária da Empresa Asta que possui foco em preparação e desenvolvimento de sucessores.

Referências

ALCADIPANI, R. O declínio dos jornais. GV Executivo, v. 6, n. 2. 2007.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ). A Indústria Jornalística Brasileira em 2017.Site insitucional da ANJ, 2018. Disponível em: https://www.anj.org.br/site/servicos/menindjornalistica/114-cenarios/742-a-industria-jornalistica-brasileira-em-2017.html. Acesso em: 28 de abril de 2018.

CAMOZZATO, E. S.; LIZOTE, S. A.; VERDINELLI, M. A.; SERAFIM, F. K. Orientação empreendedora, autoeficácia dos gestores e satisfação com o desempenho: um estudo em empresas incubadas. Revista de Ciências da Administração, Florianópolis, p. 68-83, ago. 2017.

CASSOL, A. Capital intelectual e capacidade absortiva como propulsores da inovação: estudo de caso no setor de papel e papelão ondulado. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, 2014.

CESTINO, J.; MATTHEWS, R. A perspective on path dependence processes: the role of knowledge integration in business model persistence dynamics in the provincial press in England. Journal of Media Business Studies, v. 13, n. 1, p. 22-44, 2016.

CHURCHILL JR., G. A. A Paradigm for developing better measures of marketing constructs. Journal of Marketing Research, v. 16, n. 1, p. 64-74, 1979.

COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive Capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, mar. 1990.

COVIN, J. G.; LUMPKIN, G. T. Entrepreneurial orientation theory and research: Reflections on a needed construct. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 35, n. 5, p. 855-872, 2011.

COVIN, J. G.; SLEVIN, D. P. Strategic management of small firms in hostile and benign environments. Strategic management journal, v. 10, n. 1, p. 75-87, 1989.

COVIN, J. G.; WALES, W. J. The measurement of entrepreneurial orientation. Entrepreneurship theory and practice, v. 36, n. 4, p. 677-702, 2012.

DE CLERCQ, D.; DIMOV, D.; THONGPAPANL, N. T. Organizational social capital, formalization, and internal knowledge sharing in entrepreneurial orientation formation. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 37, n. 3, p. 505-537, 2013.

DESS, G. G.; LUMPKIN, G. T.. The role of entrepreneurial orientation in stimulating effective corporate entrepreneurship. The Academy of Management Executive, v. 19, n. 1, p. 147-156, 2005.

DÍAZ, Y.; GUERRERO, M.; PEÑA, I. Productividad de la innovación a través del emprendimiento corporativo: Innovation driven productivity through corporate entrepreneurship. Universia Business Review. v. 47, n. 32-47, Jul. 2015. ISSN: 16985117.

DÍAZ-NOCI, J. A History of Journalism on the Internet: A state of the art and some methodological trends. Revista internacional de Historia de la Comunicación, n. 1, p. 253-272, 2013.

ENGELEN, A.; KUBE, H.; SCHMIDT, S.; FLATTEN, T. C. Entrepreneurial orientation in turbulent environments: The moderating role of absorptive capacity. Research Policy, v. 43, n.8, p. 1353–1369, 2014.

FINNEY, S. J.; DISTEFANO, C. (2013). Nonnormal and categorical data in structural equation modeling. In: HANCOK, G. R.; MUELEER, R. O. Quantitative methods in education and the behavioral sciences: Issues, research, and teaching. Structural equation modeling: a second course (p. 439-492). Charlotte, NC, US: IAP Information Age Publishing.

FRANÇA, A. B.; SARAIVA, J.; HASHIMOTO, M. Orientação empreendedora como indicador do grau de empreendedorismo corporativo: fatores que caracterizam os intraempreendedores e influenciam sua percepção. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v.1, n. 3, 2012.

FREITAS, H.; MARTENS, C. D. P.; BOISSIN, J.; BEHR, A. (2012). Elementos para guiar ações visando à orientação empreendedora em organizações de software. Revista de Administração, v. 47, n. 2, p. 163-179, 2012.

GARCIA, S. D. B.; MARTINEZ, T. L. Análisis de ecuaciones estructurales. In: GREIMEL-FUHRMANN, B.; GEYGER, A. Student´s evaluation of teachers and instructional quality analysis of relevant factors based on empirical evaluation research. Assessment Evaluation in Higher Education, London, v. 28, n. 3, p. 229-238, 2003.

GREER, J.; MENSING, D. The evolution of online newspapers: A longitudinal content analysis, 1997-2003. Internet newspapers: The making of a mainstream medium, p. 13-32, 2006.

GUTH, W. D.; GINSBERG, A.Guest editor’s introduction: corporate entrepreneurship. Strategic Management Journal. v. 11, p. 5-15, 1990.

HAIR Jr., J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM R. L.; Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HERNANDEZ-PERLINES, F. Moderating effect of absorptive capacity on the entrepreneurial orientation of international performance of family businesses. Journal of Family Business Management, v. 8, n. 1, p. 58-74, 2018.

HURLEY, R.; HULT, T. Innovation, Market Orientation, and Organizational Learning: an integration and empirical examination. Journal of Marketing, v. 62, n. 3, p. 42-55, 1998.

JAWORSKI, B. J.; KOHLI, A. Market Orientation: antecedents and consequences. Journal of Marketing, v. 57, n. 3, p. 53-70, 1993.

KARIMI, J.; WALTER, Z. Corporate entrepreneurship, disruptive business model innovation adoption, and its performance: The case of the newspaper industry. Long Range Planning, v. 49, n. 3, p. 342-360, 2016.

KIRZNER, I. M. Competition and entrepreneurship. Chicago, IL: Chicago University Press, 1973.

LANE, P. J.; KOKA, B. R.; PATHAK, S. The reification of absorptive capacity: A critical review and rejuvenation of the construct. Academy of management review, v. 31, n. 4, p. 833-863, 2006.

LUMPKIN, G. T.; DESS, G. G. Clarifying the entrepreneurial orientation construct and linking it to performance. Academy of management Review, v. 21, n. 1, p. 135-172, 1996.

LUMPKIN, G. T.; DESS, G. G. Linking two dimensions of entrepreneurial orientation to firm performance: The moderating role of environment and industry life cycle. Journal of Business Venturing, v. 16, p. 429–451, 2001.

MARTENS, Cristina Dai Prá et al. Relação entre Orientação Empreendedora e Maturidade na Gestão De Projetos Em Empresas Brasileiras De Software. 3. ed. [s. L.]: Revista Ibero-americana de Estratégia (RIAE), 2015. 91 p. 14 v.

MARTENS, C. D. P.; LACERDA, F. M.; BELFORT, A. C.; FREITAS, H. M. R. de. Research on entrepreneurial orientation: current status and future agenda. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, v. 22, n. 4, p. 556-583, 2016.

MILLER, D. The correlates of entrepreneurship in tree types of firms. Management Science, v. 29, n.7, p. 770-791, 1983.

MILLER, D. Miller (1983) revisited: A reflection on EO research and some suggestions for the future. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 35, n. 5, p. 873-894, 2011.

MILLER, D.; FRIESEN, P. Innovation in Conservative and Entrepreneurial Firms: Two Models of Strategic Momentum. Strategic Management Journal, v. 3, p. 1-25, 1982.

MINTZBERG, H. Strategy-Making in Three Modes.California Management Review, v. 16,n. 2,1973.

PADILHA, A. C. M.; CERVO, B.; AZEVEDO, J. B.; VASCONCELOS NETO, A. G.; FAGUNDES, P. M. Capacidade absortiva na produção artesanal de cervejas. Espacios, v. 37, n. 35, 2016.

SBISSA, A. P. Relacionamento Entre Capacidade Absortiva, Orientação Empreendedora E Desempenho Empresarial: Um Estudo Noshotéisde Florianópolis(SC). Dissertação (Mestrado)- Universidade do Vale do Itajaí,Programa de Pós-Graduação em Administração, Biguaçu, 2017.

SCHUMPETER, J. The theory of Economic Development:An Inquiry into Profits, Capital, Credit, Interest, and the Business Cycle. Cambride: Harvard University Press, 1934.

SCIASCIA, S.; D’ORIA, L.; BRUNI, M.; LARRAÑETA, B. Entrepreneurial Orientation in low-and medium-tech industries: The need for Absorptive Capacity to increase performance. European Management Journal, v. 32, n. 5, p. 761-769, 2014.

SHANE, S.; VENKATARAMAN, S. The Promise of Entrepreneurship as a Field of Research. The Academy of Management Review, v. 25, n. 1, p. 217-227, 2000.

SLATER, S.; NARVER, J. C. Market orientation and the learning organization. Journal of Marketing, v. 59, n. 3, p. 63-75, 1995.

SILVA FRANÇA, A; LIMA RUA, O. Influence of entrepreneurial orientation and absorptive capacities in export performance. : Influência da orientação empreendedora e das capacidades abortivas no desempenho das exportações. Tourism & Management Studies. v. 12, n. 1, p. 196-202, Jan. 2016. ISSN: 16462408.

TEECE, D. J. Explicating dynamic capabilities: Asset selection, coordination, and entrepreneurship in strategic management theory. UC Berkeley, 2003.

TEECE, D. J.; PISANO, G.; SHUEN, A. Dynamic capabilities and strategic management. Strategic management journal, p. 509-533, 1997.

TENCONI, C. D. Desenvolvimento de uma Escala para mensurar a capacidade de absorção em pequenas empresas. 2015. 251 f. Dissertação (Mestrado) -Curso de Administração, Universidade Estadual de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

TONDOLO, V. A. G.; BITENCOURT, C. C. Compreendendo as capacidades dinâmicas a partir de seus antecedentes, processos e resultados. Brazilian Business Review, v. 11, n. 5, p. 124-147, 2014.

VAN DOORN, S.; HEYDEN, M. L. M; VOLBERDA, H. W. Enhancing Entrepreneurial Orientation in Dynamic Environments: The Interplay between Top Management Team Advice-Seeking and Absorptive Capacity. Long Range Planning, v. 50, n. 2, p. 134-144, 2017.

WALES, W. J.; PARIDA, V.; PATEL, P. C. Too much of a good thing? Absorptive capacity, firm performance, and the moderating role of entrepreneurial orientation. Strategic Management Journal, v. 34, n. 5, p. 622-633, 2013.

WANG, C. L.; AHMED, P. K. Dynamic capabilities: A review and research agenda. International journal of management reviews, v. 9, n. 1, p. 31-51, 2007.

ZAHRA, S. A.; GEORGE, G. Absorptive capacity: A review, reconceptualization, and extension. Academy of management review, v. 27, n. 2, p. 185-203, 2002.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Edição

Seção

Artigos