Livro-brinquedo de plantas medicinais: uma proposta de ensino de ciências e alfabetização – língua portuguesa com turma de 1º ano do ensino fundamental

Autores

  • Aline Dos Santos Teles Centro de Referência Educação Infantil, Colégio Pedro II
  • Anderson Domingues Corrêa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2019v12n2p293

Palavras-chave:

Ensino de ciências, alfabetização, lúdico, temas contemporâneos transversais (TCTs)

Resumo

A pesquisa aborda a construção de um material educativo lúdico no formato de alfabetário sobre plantas medicinais, constituído por uma paródia e um livro-brinquedo, idealizados para promover o ensino de Ciências, e a complementação da alfabetização de alunos do 1º ano do ensino fundamental numa escola pública no município de Japeri (RJ). Trata-se de um estudo de caso com abordagem qualitativa, os instrumentos de coleta de dados adotados foram a observação participante e a entrevista individual. Os materiais foram construídos a partir do levantamento prévio acerca do conhecimento e das preferências dos alunos de modo a contemplar e valorizar os saberes populares desse público e dessa forma tornar o material mais atrativo. Como resultado, compreendemos que o material poderá proporcionar uma reflexão sobre a prática docente, principalmente daqueles que lecionam nas turmas de alfabetização, no que diz respeito à possibilidade do ensino de conhecimento científico e da alfabetização.

Biografia do Autor

Aline Dos Santos Teles, Centro de Referência Educação Infantil, Colégio Pedro II

Licenciada em Pedagogia pela UNIABEU (2009), mestre em Ensino de Ciências (IFRJ, 2016). Atualmente é Pedagoga no Colégio Pedro II (RJ) atua na orientação educacional e pedagógica da Educação Infantil e colaboradora no Laboratório de Materiais Lúdicos para o Ensino de Ciências (LAMLEC-IFRJ). Tem experiência como orientadora educacional e pedagógica no Instituto Federal de Santa Catarina (Campus Lages), Psicopedagoga na prefeitura de Japeri (RJ) e docente na educação infantil, no ensino fundamental em classes de alfabetização e na educação à distância como tutora presencial em curso de Pedagogia pelo CEDERJ.

Anderson Domingues Corrêa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Professor e pesquisador do IFRJ - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro. Doutor e mestre em Ensino de Biociências e Saúde (IOC/FIOCRUZ). Tendo sua tese de doutorado sido agraciada com a primeira colocação em premiação do Ministério da Saúde. Possui graduação em Farmácia (UFRJ). Atua no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e na graduação, no curso Bacharel em Química no IFRJ. Coordena o Laboratório de Materiais Lúdicos para o Ensino de Ciências (LAMLEC-IFRJ). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Científica, atuando principalmente nos seguintes temas: Alfabetização Científica, Educação em Saúde, Estratégias Lúdicas para o Ensino de Ciências, Desenvolvimento de Materiais Educativos (documentários, animações, vídeos curtas metragens, jogos de tabuleiro e eletrônicos, software educativo, histórias em quadrinhos, músicas educativas, livros didáticos, teatro, contos, literatura infantil, simulações de experimentos laboratoriais, website e blogs), Experimentação no Ensino de Ciências, Difusão e Popularização da Ciência, Saúde Coletiva, Uso Racional de Medicamentos, Homeopatia e Plantas Medicinais. Seus trabalhos acadêmicos compreendem quarenta e quatro artigos, três livros, um capítulo de livro e sete materiais didáticos.

Referências

ALMEIDA, M. Z. D. Plantas Medicinais. 3 ed. Salvador: EDUFBA, 2011.

ANDRÉ, M. O que é um estudo de caso qualitativo em educação? Educação e Contemporaneidade, v. 22, n. 40, 2013.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimento: uma perspectiva cognitiva. Tradução de Lígia Teopisto. Lisboa: Plátano edições técnicas, 2003.

BARROS, M. D.M.; ZANELLA, P. G.; ARAÚJO – JORGE, T.C. A música pode ser uma estratégia para o ensino de ciências naturais? Analisando concepções de professores de educação básica. Revista Ensaio. Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 81-94, 2013.

BORDIGNON, L.H.C.; PAIM, M. M. W. Alfabetização no Brasil: um pouco de história. Educação em Debate. Fortaleza, v.39, n.74, p.51-67, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Ministério da Saúde, Brasília, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política nacional de plantas medicinais e fitoterápicos. Brasília: Ministério da saúde, 2006.

BRASIL. Secretaria de Ensino Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: ciências naturais. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Lei nº 97.841, de 26 de janeiro de 1999. Define o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária, cria a Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução – RDC, nº. 17, de 16 de abril de 2010a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução – RDC, nº. 14, 31 de março de 2010b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: a apropriação do sistema de escrita alfabética e a consolidação do processo de alfabetização, ano 2, unidade 3. Brasília: MEC, 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base nacional comum curricular. Brasília: MEC, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Temas Contemporâneos Transversais na BNCC: contexto histórico e pressupostos pedagógicos. Brasília: MEC, 2019a.

BRASIL. Decreto nº 9.765, de 11 de abril de 2019b. Institui a Política Nacional de Alfabetização.

CAMPOS, R. S. P.; CRUZ, A. M. C.; ARRUDA, L. B. S. As paródias no ensino de ciências. In: V JORNADA DAS LICENCIATURAS DA USP/IX. SEMANA DA LICENCIATURA EM CIÊNCIAS EXATAS - SELIC: A UNIVERSIDADE PÚBLICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO. 5., 2014, São Carlos. Atas..., São Carlos/ SP, 2014.

CRUZ, M. T; ALVIM, M. N. Fitoterápicos: estudos com plantas para fins terapêutico e medicinal. Acervos da Iniciação Científica, Belo Horizonte, 2013.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

EDLER, F. C. Boticas e boticários no Brasil Colonial. In: Boticas & pharmacias: uma história ilustrada da farmácia no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da palavra, 2006.

FERNANDEZ, A. A inteligência aprisionada. Tradução de Iara Rodrigues. Porto Alegre: Artmed, 1991.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Tradução de Diana Myriam Lichtenstein; Liana Di Marco e Mário Corso. Porto Alegre: Artmed, 1999.

GRANJA, C. E. S. C. Musicalizando a escola: música, conhecimento e educação. São Paulo: Escrituras Editora, 2006.

HILL, M.; HILL, A. Investigação por questionário. 6a ed. Lisboa: Edições Silabo, 2005.

JESUS, J.Y.T. Música na escola como um recurso pedagógico: análise de uma prática docente em salas de séries iniciais. Dissertação de Mestrado em Educação - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2002.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. In: KISHIMOTO, T. M. Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

LEFEVRE, F.; LEFEVRE, A. M. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro Editora, 2005. 97 p.

LEONTIEV, A. N. Uma contribuição à teoria do desenvolvimento da psique infantil. In: VYGOTSKY, L. V.; LURIA, A. R; LEONTIEV, A. N Linguagem desenvolvimento e aprendizagem. Tradução de Mara de Pena Villalobos. 11. ed. São Paulo: Ícone, 2010.

MACEDO, L.; PETTY, A. L. S.; PASSOS, N. C. Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MALAFAIA, G.; RODRIGUES, A. S. L. Uma reflexão sobre o ensino de ciências no nível fundamental da educação. Ciências & Ensino, Piracicaba, v.2, n.2, 2008.

MALUF, A. C. M. Atividades lúdicas para educação infantil: conceitos, orientações e práticas. Petrópolis: Vozes, 2011.

MORAIS, A. G. O desenvolvimento da consciência fonológica e a apropriação da escrita alfabética entre crianças brasileiras. Revista Brasileira de Alfabetização, v.1, n.1. p. 59-76,, 2015.

MORTATTI, M. D. R. L. Alfabetização no Brasil: conjecturas sobre as relações entre políticas públicas e seus sujeitos privados. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 44, p. 329-410, , 2010.

MORTATTI, M. D. R. L. História dos métodos de alfabetização no Brasil, 2006.

NIGRO, R. G. Ciências: soluções para dez desafios do professor, 1º ao 3° ano do ensino fundamental. São Paulo: Ática, 2012.

OLIVEIRA, C. J.; ARAÚJO, T. L. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 9, n. 1, p. 93-135, 2007.

PAIVA, A., P.M. Um livro pode ser tudo e nada: especificidade da linguagem do livro-brinquedo. Tese de Doutorado em Edução - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

PERROT, J. Os livros-vivos franceses. Um novo paraíso cultural para nossos amiguinhos, os leitores infantis. In: KISHIMOTO, T. M. O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengange Learning, 2014.

PORTO, A.; RAMOS, L.; GOULART, S. Um olhar comprometido com o ensino de ciências. 1 ed. Belo Horizonte: Editora FAPI, 2009.

PULIEZI, S. Ensinando com letras e sons: contribuições da psicologia cognitiva da leitura à educação. Rio de Janeiro: Wak, 2013.

SANTOS, C. F.; ALBUQUERQUE, E. B. C. D. Alfabetizar letrando. In: CARMI FERRAZ SANTOS, M. M. Alfabetização e letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

SASSERON, L.H.; CARVALHO, A. M. P. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em Ensino de Ciências, v.16, n.1, p. 59-77, 2011.

SOARES, M. Alfabetização e letramento. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

TOMAZZONI, M. I.; NEGRELLE, R. R. B.; CENTA, M. D. L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática. Texto Contexto Enferm, v. 1, n. 15, p. 115-121, 2006.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WERMANN, N. S.; MAGER, B. R. G.; FERRARO, C. S.; SANTOS, F. G.; BERNARD, F. L.; GOTARD, J.; ANTONIAZZI, L. Q. Música – Paródia: Uma Ferramenta de Sucesso no Ensino de Química. 2011.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grassi. 2 ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2019-11-29

Edição

Seção

Artigos