Call for Submissions: Special Issue on Artistic Collaborations

Ilha do Desterro - Call for Papers Issue v. 71, n. 2 (May 2018) Special Issue on Artistic Collaborations Guest Editors: Maria Rita Drumond Viana, UFSC Alinne Balduino Pires Fernandes, UFSC Miriam Haughton, NUI Galway This special issue is dedicated to interrogating the histories, role(s), and dynamics informing the practice of artistic collaborations in cultural and social spheres among artists in English-speaking countries or within transnational contexts. The act of collaboration often foregrounds a creative space that speaks to values of community, exchange, and artistic exposure. At the same time, artistic collaborations become enmeshed by intensities of process, personal/public politics, and both the tacit and explicit complexities surrounding paradigms of authorship and autonomy. Key to the theorisation of artistic collaborations is the growing scepticism around the figure of the ‘Author’, singular, with capital ‘A’. In 1991, Jack Stillinger in his seminal work Multiple Authorship and the Myth of Solitary Genius began to question the pervading prevalence of this figure despite ample evidence of the involvement of other minds in certain creative processes. Others have since employed case-studies with pairs/partners (often couples) and groups of artists across the arts, philosophy, and sciences to explore the dynamics that emerge from the joint work. The processual aspect of artistic collaborations can be made visible to scholars by different means: letter exchanges between the involved parties and/or their friends, notes taken in personal, artistic, and research diaries, photographs, and making-of videos, among others. The need for dialogue, so that one can be understood by the other, provides one of the constitutive bases of the working relationships within collaborations. Not surprisingly, documentary sources—witnesses to the creative processes—involved in collaborations are often more abundant than those extant from creative processes by isolated individuals. Communication amongst collaborators strengthens circles of friendship, as well as competition, organised as they are in sociability networks. This trans- and multidisciplinary issue of Ilha invites articles dealing with literary, interart, and intermodal collaborations, involving artists and practitioners in Anglophone contexts or from comparative approaches. In particular, we are interested in collaborations in pairs or groups, including: • Creative writers, in particular when there is a question of power imbalance (male/female writers, mentor/mentee, generational gaps, etc.); • Writers and illustrators, book designers, and other visual artists; • Film directors and screenwriters, as well as other individuals involved in film or TV production; • Playwrights, artistic directors, actors, scenographers, or the ‘theatre-maker’, ‘theatre artist/auteur’; terms developed from the professional acknowledgment of the multi-authorial process of roles in theatrical production; • Writers and translators; • Multiple translators (working in texts for different languages or on a single text). Reviews are also considered for books published in 2015-2017, under the scope of this literature issue. The journal’s main themes are: Literatures in English—the geopolitical study of works and authors of Anglophone literatures in the light of contemporary critical theories; theoretical and cultural intersections, with a focus on the study of literatures, other arts and media, as well as their interrelations and/or theoretical and cultural specificities. About Ilha do Desterro: Ilha is a pioneering journal and one of the longest running journals dedicated to English Studies in Brazil, covering linguistics, translation, literature and cultural studies in alternating issues. It was established in 1979 and is one of the top 5 journals in the area of Arts, Literatures and Languages in Brazil, and has since achieved international reputation. Ilha is an open Access Journal, indexed in many platforms, including the MLA International, ProQuest, SCOPUS, and SciELO. For information for authors on formatting guidelines and how to submit your full article online for peer-reviewing, please consult: https://periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/about/submissions For the English version, click on the flag icon on the right-side menu. Deadlines: Send articles by 15th of November 2017 Expected to be published in May 2018 Should you have any queries, including problems with online submission, please email the editors: Dr Alinne Balduino P. Fernandes, UFSC - alinne.fernandes@ufsc.br Dr Maria Rita Drumond Viana, UFSC - m.rita.viana@ufsc.br Dr Miriam Haughton, NUI Galway – miriam.haughton@nuigalway.ie

 

Chamada Ilha do Desterro (Classificação A1) V. 71, n. 2 (maio 2018) Edição especial: Colaborações Artísticas Editoras convidadas: Maria Rita Drumond Viana, UFSC Alinne Balduino Pires Fernandes, UFSC Miriam Haughton, NUI Galway Esta edição especial se dedicada a interrogar as histórias, papéis e dinâmicas que informam a prática de colaborações artísticas em esferas culturais e sociais, entre artistas em países de língua inglesa ou dentro de contextos transnacionais. Como ato, colaborar frequentemente coloca em primeiro plano um espaço criativo que destaca valores comunais, de troca e exposição artística. Ao mesmo tempo, as colaborações artísticas são enredadas nas questões do processo, de políticas pessoais/públicas e as complexidades, tácitas ou explícitas, que cercam paradigmas de autoria e autonomia. Central para a teorização das colaborações artísticas encontra-se o crescente ceticismo em torno da figura do “Autor”: masculino, singular, com A maiúsculo. Jack Stillinger, em sua obra seminal Authorship and the Myth of Solitary Genius (1991), começa a questionar a predominância dessa figura, a despeito de ampla evidência do envolvimento de outras mentes em determinados processos criativos. Desde então, outros autores vêm empregando estudos de caso com pares (muitas vezes casais) e grupos de artistas atuando em todas os campos da arte, da filosofia e das ciências, de modo a explorar as dinâmicas que emergem do trabalho conjunto. O aspecto processual das colaborações artísticas torna-se visível aos estudiosos por diferentes meios: via troca de cartas entre as partes envolvidas e/ou seus amigos, anotações feitas diários pessoais, artísticos e de pesquisa, fotografias e vídeos de makingof, entre outros. A necessidade do diálogo, para que um possa ser compreendido pelo outro, é uma das bases constitutivas das relações de trabalho colaborativos. Obviamente, as fontes documentais - testemunhas desses processos criativos - produzidas em processos de colaboração são muitas vezes mais abundantes do que as existentes nos processos criativos de indivíduos isolados. A comunicação entre colaboradores fortalece círculos de amigos, bem como as dos desafetos, organizados em suas respectivas redes de sociabilidade. Esta edição trans e multidisciplinar da Ilha do Destrerro aceita artigos críticos, preferencialmente em inglês (artigos em português não podem somar mais que 40% do total), acerca do tema das colaborações literárias, interarte e intermodais, envolvendo artistas e profissionais em contextos anglófonos ou em abordagens comparativas que incluam esse contexto. Especificamente, estamos interessadas em colaborações em pares ou em grupos, incluindo: • Escritores, especialmente quando há algum desequilíbrio de poder (escritores/escritoras, mentor/aprendiz, diferenças de geração/prestígio, etc.); • Escritores e ilustradores, designers de livros e outros artistas visuais; • Diretores de cinema e roteiristas, bem como outras pessoas envolvidas na produção de filmes ou TV; • dramaturgos, diretores artísticos, atores, cenógrafos, prático/artista/autor de teatro {termos desenvolvidos a partir do reconhecimento profissional do processo multi-autorial na produção teatral); • Escritores e tradutores; • Tradutores múltiplos (trabalhando em textos para diferentes idiomas ou em um único texto). Resenhas também serão consideradas para livros publicados entre 2015 e 2017, no âmbito desta edição de literatura. Os principais temas da revista são: literaturas em inglês - o estudo geopolítico de obras e autores de literaturas anglófonas à luz das teorias críticas contemporâneas; Interseções teóricas e culturais, com foco no estudo de literaturas, outras artes e mídas, bem como suas interrelações e/ou especificidades teóricas e culturais. Sobre a Ilha do Desterro: A Ilha foi avaliada como periódico A1 pela Capes no censo de 2015. É uma revista pioneira e uma das mais antigas revistas dedicadas aos Estudos de Inglês no Brasil, abrangendo linguística, linguística aplicada, tradução e literatura e estudos culturais em assuntos alternativos. Foi fundada em 1979 e é uma das 5 maiores revistas na área de Artes, Letras e Línguas no Brasil, e desde então tem alcançado reputação internacional. A Ilha é um Open Access Journal, indexado em muitas plataformas, incluindo o MLA International, ProQuest, SCOPUS e SciELO. Para obter informações sobre como formatar diretrizes para os autores e como enviar sua proposta on-line, consulte: https://periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/about/submissions Prazos: Submissão de artigos até 15 de novembro de 2017 Publicação prevista para maio de 2018 Em caso de dúvidas, contate as editoras: Dr. Alinne Balduino P. Fernandes, UFSC - alinne.fernandes@ufsc.br Dra. Maria Rita Drumond Viana, UFSC - m.rita.viana@ufsc.br Dr. Miriam Haughton, NUI Galway - miriam.haughton@nuigalway.ie