Uma visão histórica de King Lear na literatura e no cinema

Thaís Flores Nogueira Diniz

Abstract


http://dx.doi.org/10.5007/2175-8026.2000n39p85

 

Existem milhares de traduções das peças de Shakespeare, em várias línguas e culturas em toda parte do mundo. Cada uma delas lê os textos de determinada maneira e conseqüentemente re-escreve-os diferentemente. Tudo depende do conceito de tradução vigente e da visão de mundo do tradutor. A história da crítica nos mostra que o diagrama lingüístico de Roman Jakobson ainda prevalece e que o discurso crítico, assim como o do tradutor, pode adotar, a cada tempo, uma perspectiva diferente. Deste modo, pode defender o ponto de vista do autor, explorar a contribuição do leitor para o significado do texto, ou preocupar-se apenas com o texto como uma entidade auto-suficiente. Pode ainda propor-se a descobrir os códigos implícitos em cada mensagem ou considerar o contexto histórico como o foco principal. Uma “‘boa” tradução deve levar em conta todas essas abordagens, porém cada crítico ou tradutor tem sua preferência por uma ou outra.


Keywords


Língua Inglesa; Literatura Inglesa



DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8026.2000n39p85

Copyright (c) 2000 Thaís Flores Nogueira Diniz

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.