Os dilemas do indefinido: utopia, fluidez e subjetividade em Stone, de Adam Roberts

André Cabral de Almeida Cardoso, Carla de Figueiredo Portilho

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/2175-8026.2017v70n2p107

O romance Stone é a narrativa em primeira pessoa de Ae, o único criminoso em uma utopia pós-humana na qual o uso da nanotecnologia levou a humanidade à plenitude. Nessa sociedade, Ae é um excluído. Um dia, porém, ele recebe uma proposta de liberdade e riqueza em troca de matar toda a população de um planeta. Ao aceitá-la, Ae deve tentar cumprir sua missão ao mesmo tempo em que se questiona e investiga quem o teria contratado. No conflito entre esse indivíduo desviante e a utopia, Stone examina os próprios limites dessa utopia, apoiada na ideia de fluxo e indefinição, e dos modelos de subjetividade que ela cria. A noção de utopia como um projeto social bem definido é trocada pela imagem de corpos utópicos, influenciados por tecnologias que põem em questão as definições de humano e pós-humano. Nessa rede de tensões e indefinições, levanta-se a possibilidade de que o indivíduo marginalizado e sociopata seria o único capaz de examinar de forma profunda a realidade num mundo anestesiado pelo conforto.


Palavras-chave


Utopia; Identidade; Fluidez; Pós-humano; Detetive Metafísico

Texto completo:

PDF/A

Referências


BAUMAN, Z. Utopia with No Topos. History of the Human Sciences, v. 16, n. 1, p. 11-25, 2003.

ECO, U. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 1993.

FOUCAULT, M. Le Corps utopique. In: ______. Le Corps utopique suivi de Les Hétérotopies. s/c: Lignes, 2009. p. 7-20.

GOMEL, E. Mystery, Apocalypse and Utopia: The Case of the Ontological Detective Story. Science Fiction Studies, v. 22, n. 3, p. 343-56, 1995.

HAYCRAFT, H. Murder for Pleasure: The Life and Times of the Detective Story. Nova York: Appleton-Century, 1941.

HOLQUIST, M. Whodunit and Other Questions: Metaphysical Detective Stories in Post-War Fiction. New Literary History, v. 3, n. 1, Modernism and Postmodernism: Inquiries, Reflections, and Speculations, p. 135-156, 1971.

KLEIN, G. From the Images of Science to Science Fiction. In: PARRINDER, Patrick (org.). Learning from Other Worlds: Estrangement, Cognition, and the Politics of Science Fiction and Utopia. Durham: Duke UP, 2001. p. 119-126.

KRISTEVA, J. Approaching Abjection. In: ______. Powers of Horror: An Essay on Abjection. Trad. Leon S. Roudiez. Nova York: Columbia UP, 1982. p. 1-31.

MARCUSE, H. Éros et civilization. Paris: Minuit, 2007. [1ª. ed. em francês de 1963.]

MERIVALE, P.; SWEENEY, S.E. (orgs.). Detecting Texts: The Metaphysical Detective Story from Poe to Postmodernism. Filadélfia: U of Pennsylvania P, 1999.

NATTI, T. The Text is Suspect: The Author, the Detective and the Subjective in Auster’s City of Glass. 2004. Disponível em http://www.crimeculture.com/Contents/Articles-Spring05/Auster.html. Acesso em 01 novembro 2016.

ROBERTS, A. Stone. Londres: Gollancz, 2002.

_______. “Stone”. www.adamroberts.com. The latest news from author Adam Roberts. Disponível em http://www.adamroberts.com/writing/stone. Acesso em 01 novembro 2016.

SARGENT, L. T. The Three Faces of Utopianism Revisited. Utopian Studies, v. 5, n. 1, p. 1-37, 1994.

______. In Defense of Utopia. Diogenes, v. 53, n. 11, p. 11-17, fev. 2006.

SENNETT, R. The Culture of the New Capitalism. Edição Kindle. New Haven e Londres: Yale UP, 2006.




Direitos autorais 2017 André Cabral de Almeida Cardoso, Carla de Figueiredo Portilho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

http://www.periodicos.ufsc.br/public/site/images/arcorseuil/logotipo_revistas_cor_482_347

http://www.periodicos.ufsc.br/public/site/images/arcorseuil/governo_logo60anos_600_1_600

Revista Ilha do Desterro A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, ISSN - 2175-8026, Florianópolis, Brasil.

Creative Commons Licence
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.