Antes do Pós-humano: insetos sociais, mamíferos superiores e a (re)construção de fronteiras entre os humanos e os animais na modernidade

Hugo Ferreira

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/2175-8026.2017v70n2p15

O presente artigo discute a (re)construção das fronteiras entre os humanos e os animais ao longo dos séculos XIX e XX. Nos séculos XVII e XVIII, o ser humano era visto como fundamentalmente distinto da natureza através da política, sociedade e trabalho, sendo frequentemente comparado então aos insetos sociais. Com a revolução darwiniana no século XIX e a classificação filogenética dos seres vivos, o ser humano foi “primatizado”, e assim a humanidade passaria a ser uma consequência da inteligência gerada pelo alto desenvolvimento do sistema nervoso. Atualmente, quando se quer questionar as fronteiras entre o humano e o animal, viram-se os holofotes para outros seres como chimpanzés e golfinhos. Assim, através de uma revisão bibliográfica, o ensaio busca explorar um aparente contraste histórico entre os seres a serem comparados aos humanos – dos insetos sociais aos chamados “mamíferos  superiores” – bem como suas implicações políticas e bioéticas.


Palavras-chave


Natureza-cultura; Natureza Humana; Modernidade; Antropologia Social; História das Ciências

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARISTÓTELES. Política 1, 1252a15 - 1252b16.

ARISTÓTELES. (1991). História dos animais, livros XVII-X. Cambridge, MA: Harvard University Press.

BERGSON, Henri. Creative Evolution. (1922). London: MacMillan and Co, Limited.

CLAYTON, Edward. (2008). Aesop, Aristotle, and animals: The role of fables in human life. Humanitas, v. 21, n. 2, p. 179-200.

COSTA, James. Scale models? (2002). What insect societies teach us about ourselves. Proceedings of the American Philosophical Society, v.146, n.2, p.170-180.

DAWKINS, Richard. O gene egoísta. (2001). Belo Horizonte: Itatiaia.

DE SAES, Laurent. (2008). Joseph de Maistre e suas Considerações sobre a França Revolucionária. Revista Territórios & Fronteiras, v. 1, n. 1, p. 6-18.

DESCARTES, René. (1973). O discurso do método: Para bem conduzir a própria razão e procurar a verdade nas ciências.

DESCOLA, Philippe. (1998). Estrutura ou sentimento: a relação com o animal na Amazônia. Mana, v. 4, n. 1, p. 23-45.

DROUIN, Jean Marc. (2005). Ants and bees. Between the French and the Drawinnian revolution. Ludus Vitalis, v.13, n.24, 3-14.

FOUCAULT, Michel. (1999). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo, Martins Fontes, v. 200, p. 422.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. (1989). Rio de Janeiro: Editoria Guanabara Koogan.

GOODY, Jack. O roubo da história. (2008). São Paulo: Editora Contexto.

HOBBES, Thomas. (2000). Leviatã ou matéria, forma e poder de um Estado Eclesiástico e Civil. São Paulo: Nova Cultura.

INGOLD, Tim. Humanidade e animalidade. (1995). Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.28, n.10.

INGOLD, Tim. (2000). The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. Psychology Press.

JENSEN, J. Vernon. (1988). Return to the Wilberforce–Huxley Debate. The British Journal for the History of Science, v.21, n.2, p.161-179.

LÉVI-STRAUSS, Claude. (1982). As estruturas elementares do parentesco. 2. Ed. Petrópolis: Editora Vozes.

KROEBER, Alfred. (1993). A natureza da cultura. Lisboa: Edições 70, LDA.

MANDEVILLE, Bernard de. A Fábula das Abelhas. (1994). Disponível em: http://www.braudel.org.br/publicacoes/bp/bp05_pt.pdf. Acesso em 8 jan. 2015.

MARX, Karl. O capital. (1996). São Paulo: Editora Nova Cultural.

MARX, Karl. A idelogia alemã. (2007). São Paulo: Boitempo Editorial.

MORRIS, Desmond. (1968). O macaco nu: um estudo do animal humano. Rio de Janeiro: Record.

RADCLIFFE-BROWN, Alfred Reginald. (1940). On social structure. Journal of the Anthropological Institute of Great Britain and Ireland, p. 1-12.

RODGERS, Diane. (2008). Debugging the link between social theory and social insects. LSU Press.

RODGERS, Diane. (2012). Insects, instincts and boundary work in early social psychology. History of the Human Sciences, v.26, n.68.

THOMAS, Keith. (1998). O homem e o mundo natural. São Paulo: Companhia das Letras.

WHELEER, William Morton. (1923). Social life among insects. The Scientific Monthly, v.16, n.1, p.5-33.

WILSON, Edward O. (1999). Consilience: The unity of knowledge. Vintage.




DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2175-8026.2017v70n2p15

Direitos autorais 2017 Hugo Ferreira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

http://www.periodicos.ufsc.br/public/site/images/arcorseuil/logotipo_revistas_cor_482_347

http://www.periodicos.ufsc.br/public/site/images/arcorseuil/governo_logo60anos_600_1_600

Revista Ilha do Desterro A Journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, ISSN - 2175-8026, Florianópolis, Brasil.

Creative Commons Licence
This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International License.