Colaboração fracassada e amor queer em The Cat and the Moon de Yeats e Rough for Theatre I de Beckett

Autores

  • Alexandra Poulain University of Paris 3 - Sorbonne Nouvelle

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2018v71n2p233

Resumo

Rough for Theatre de Beckett I, escrito pela primeira vez em francês no final da década de 1950, aborda o tema O gato e a lua de Yeats - baseado em material anterior, incluindo The Well of the Saints, de Synge. Encenando corpos deficientes mutuamente dependentes e elaborando a elaboração da visão poética conjunta, ambas as peças também concentram-se, paradoxalmente, no potencial poético e poético do fracasso colaborativo. Enquanto Yeats insistia que sua peça deveria ser lida alegoricamente como uma dramatização da jornada rumo à Unidade do Ser, este artigo tenta levá-la a sério, ao lado da continuação de Beckett, lendo-as como dramas de colaboração fracassada entre deficientes, mutuamente complementares. corpos. Mais especificamente, argumenta que, apesar do melhor esforço de Yeats para alegorizar os corpos grotescos no palco em princípios abstratos de Corpo e Alma, algo em sua peça se recusa a ser incluído na alegoria e resiste ao impulso da peça em direção à unidade. Essa “coisa” resistente tem a ver com a versão queer (em todos os sentidos) do amor que está sendo tocada no palco, e é precisamente esse amor queer, sadomasoquista e improdutivo, e o gozo que ele oferece, desconfortavelmente, por dois anos. personagens com deficiência, que se torna o tema central da peça de Beckett. Além disso, o artigo sugere que esse motivo do amor queer duplica como paradigma de uma forma alternativa de colaboração literária, que não é voltada para a produção real de um produto comercializável acabado, como um livro ou uma peça, mas sim para o compartilhamento criação e desfrute imediato de histórias inventadas e executadas em um espaço removido, ainda que marginal, da esfera da troca capitalista moderna.

Biografia do Autor

Alexandra Poulain, University of Paris 3 - Sorbonne Nouvelle

Alexandra Poulain is Professor of postcolonial literature and theatre at the University ofParis 3 - Sorbonne Nouvelle (France). She has published widely on modern andcontemporary drama and performance, with a special focus on Yeats and Beckett. Hernew book Irish Drama, Modernity and the Passion Play (Palgrave, 2016) looks atrewritings of the Passion narrative as a modality of political resistance in Irish playsfrom Synge to the present day. She is President of the International Yeats Society andVice-Chair for Europe of IASIL (International Association for the Study of IrishLiteratures).

Downloads

Publicado

2018-06-05