Revelando o contemporâneo em Virginia Woolf

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8026.2021.e74632

Palavras-chave:

Virigna Woolf, Ensaio, Contemporâneo, Filosofia

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir a avaliação crítica de Virginia Woolf sobre a contemporaneidade da produção de seus contemporâneos, com foco em seu ensaio de 1923 "How It Strikes a Contemporary". Para tanto, o artigo contextualiza a publicação de The Common Reader - First Series (1925) de modo a problematizar sua qualidade conversacional como princípio filosófico inerente à obra de Woolf (Pinho 2020). Também é feita uma comparação entre "How It Strikes a Contemporary", de Woolf, e "What Is the Contemporary?", de Giorgio Agamben, (2009), a fim de lançar luz sobre as interseções entre a filosofia contemporânea e as questões filosóficas que encontramos na escrita de Woolf.

Biografia do Autor

Patricia Marouvo Fagundes, Universidade Federal do Acre (UFAC)

Doutora em Letras na área de Literatura Comparada (2019) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Possui mestrado em Letras na área de Poética (2012) e graduação em Letras: Português/Inglês (2009) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Trabalha como professora adjunta no curso de Letras - Língua Inglesa e Respectivas Literaturas da Universidade Federal do Acre. Atualmente coordena o projeto de pesquisa "Por uma filosofia woolfiana: repercussões de The Waves na contemporaneidade". Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literaturas de Língua Inglesa e Ensino de Língua Inglesa.

Referências

Agamben, Giorgio. “What is the Contemporary?” What Is an Apparatus? and Other

Essays. Stanford University Press, 2009, pp. 39-54.

Agamben, Giorgio. “Philosophical Archaeology.” The Signature of All Things: on

Method. Zane Books, 2009, pp. 9-34

Agamben, Giorgio. “The Logic of Sovereignty.” Homo Sacer – Sovereign Power and

Bare Life, Stanford University Press, 1998, pp. 15-44.

Braidotti, Rosi. “Intensive Genre and the Demise of Gender”. Nomadic Theory, The

Portable Rosi Braidotti, Columbia University Press, 2011, pp. 150-169.

Briggs, Julia. “A Woman Connects”. An Inner Life, Harcourt, 2005, pp. 109-129.

Fry, Roger. Vision and Design. Dover Publications, 2011.

Goldman, Jane. Modernism, 1910-1945, Image to Apocalypse. Palgrave MacMillan,

Hite, Molly. Woolf ’s Ambiguities: Tonal Modernism, Narrative Strategy, Feminist

Precursors. Cornell University Press, 2017.

Lee, Hermione. “Virginia Woolf ’s Essays.” The Cambridge Companion to Virginia

Woolf, edited by Susan Sellers, Cambridge University Press, 2010, pp. 89-106.

McNeillie, Andrew. “Introduction.” The Common Reader – Volume I, written by

Virginia Woolf, Vintage, 2003, pp. vii-xii.

Pinho, Davi. “A conversa como um ‘método’ filosófico em Virginia Woolf.” Conversas

com Virginia Woolf, edited by Davi Pinho, Maria Oliveira and Nícea Nogueira,

Ape’ku, 2020, pp. 11-31.

Pinho, Davi. Imagens do feminino na obra e na vida de Virginia Woolf. Appris, 2015.

Woolf, Virginia. A Room of One’s Own. Wordsworth Classics, 2012.

Woolf, Virginia. “A Sketch of the Past.” Moments of Being, Harcourt Inc, 1985, pp.

-159.

Woolf, Virginia. “Character in Fiction.” Selected Essays, Oxford University Press,

, pp. 37-54.

Woolf, Virginia. “Craftsmanship.” Selected Essays, Oxford Classics, 2009, pp. 85-91.

Woolf, Virginia. “How it Strikes a Contemporary”. Selected Essays, Oxford Classics,

, pp. 23-31.

Woolf, Virginia. The Diary of Virginia Woolf, edited by Anne Olivier Bell, Penguin

Books, 1979-1985.

Woolf, Virginia. “The Modern Essay”. Selected Essays, Oxford Classics, 2009, pp. 13-

Woolf, Virginia. The Waves. Oxford Classics, 2015.

Publicado

2021-01-28

Edição

Seção

Contextos literários: releituras e intertextos